Flipper

Neste fim de semana, no começo da manhã, eu estava assistindo a Flipper. É um remake do seriado original, que foi ao ar entre 1964 e 1968.

A nova série (nova nada; é de 1995, e durou só um ano, originalmente) traz uma série de diferenças. Agora a história, pelo que pude entender, se passa em um laboratório.

Eles não entenderam nada.

Esses executivos de Hollywood têm mania de transformar tudo o que reciclam, e o resultado raramente é convincente.

O que eles não compreenderam foi que deveriam, ao menos, respeitar a essência do seriado.

O Flipper original se passava num ambiente de total liberdade. Flipper não era propriedade de nenhum laboratório, era livre como um pássaro. Ele estava com aqueles meninos porque queria.

Liberdade, aliás, era a palavra chave. Eles moravam num paraíso praticamente selvagem, uma visão de praia que até hoje está no meu subconsciente, uma das Keys quaisquer da Flórida. Além disso, aquele era um universo totalmente masculino: o pai era um homem compreensivo e forte, um modelo perfeito de comportamento e figura de autoridade incontestável; e não havia uma mãe por perto, alguém para mandar você deixar de brincar com aquele golfinho estúpido e ir estudar. Para adolescentes isso pode parecer chato — um lugar sem mulher? — mas para crianças, é simplesmente perfeito.

Aquela vida era tudo o que uma criança poderia querer. Os elementos de identificação corretos, a liberdade quase utópica sem perder de vista a realidade, ainda que remota. Flipper seduzia porque oferecia uma visão bastante adequada ao imaginário infantil.

O novo seriado tenta, pelo visto, atingir adolescentes, e faz uma mistura indigesta que torna o seriado uma coisa esquisita para quem cresceu com Bud e Sandy.

Esses caras não entendem nada.

2 thoughts on “Flipper

  1. Hoje estou com mania de ilustrar minhas opiniões usando umas comparações meio estranhas. Vejam só: Flipper no laboratório não funciona da mesma forma que não funciona tentar vender tinta de cabelo para carecas.

  2. flipper, nunca gostei do original
    achava sem graça e sem ação
    não lembro de ter assistido o remake
    mas tenho quase certeza que tb não ia gostar.

Leave a Reply to Monica Cancel reply

Your email address will not be published.