A dançarina, o caseiro e o 18 brumário de Francenildo Pereira

E a dancinha da Angela Guadagnin foi parar na capa da Veja.

A Veja é a revista que publicou uma das matérias jornalísticas mais absurdas da história do jornalismo político do país, a dos “dólares de Cuba”. Uma matéria inteira sem nenhuma prova, mas principalmente sem sequer uma testemunha. Ninguém havia visto dólar nenhum. Mas isso não importava para a revista. Vale qualquer coisa quando se está em campanha.

Não que a dança da deputada seja elogiável. Mas o que eu vi, no fundo, foi uma senhora comemorando a absolvição de um amigo. É curioso que o Congresso tenha declarado um deputado inocente e pretenda levar alguém à Corregedoria da Câmara por ter comemorado justamente isso. Mesmo isso até seria aceitável, se eles se mostrassem indignados assim cada vez que deputados se estapeassem no Congresso ou xingassem suas respectivas mães. Os critérios, no entanto, são diferentes. Talvez eles prefiram o Schadenfreude. Talvez apenas tenham aproveitado a chance de jogar mais lama no governo.

O problema é que se chegou a um ponto em que todos os que apóiam o governo são culpados, mesmo com prova em contrário.

Por exemplo, qualquer pessoa que conheça um mínimo de política e de eleições sabe que é bem provável que alguns dos deputados acusados de envolvimento com o valerioduto sejam inocentes: gente que pressionava o partido para receber algum dinheiro para pagar suas dívidas e não estava necessariamente envolvida com o esquema. Aposto, por exemplo, que a Heloísa Helena não se perguntou, enquanto tentava se eleger senadora, de onde vinha o dinheiro que Delúbio lhe dava.

O Guto lembrou que se fosse uma deputada do PSDB a dançar, o PT estaria fazendo um terremoto. Provavelmente. Mas é também o caso de perguntar o que é que estão fazendo agora. Porque se isso não é um terremoto artificial, eu não sei mais o que é a escala Richter. Então o problema fica reduzido ao seguinte: o PT deve ser esculachado por ter feito seus terremotos, mas a oposição não pode ser, por fazê-los.

Principalmente nesses últimos meses, tem impressionado a total inversão de valores. Chegou-se a um ponto em que tudo o que se disser do governo é necessariamente verdade. Um ACM Neto pode ameaçar bater no presidente da República, indignado com os rumores de grampo, esquecendo que é neto de um sujeito que grampeou a Bahia inteira por causa de sua amante. Agora toda a oposição é honesta, e todo o governo é ladrão.

Essa dubiedade é ainda mais interessante no caso da queda de Palocci, depois do que foi o cerco mais longo da história de todo o Ministério da Fazenda.

De todos os episódios da crise, nada me pareceu tão canalha quanto o depoimento do caseiro Francenildo Pereira. Podia-se sentir que Roberto Jefferson falava a verdade, ou parte dela. Mas tudo no caso do caseiro tem cheiro de mentira e de armação. No entanto, ainda assim as pessoas parecem acreditar que o dinheiro que apareceu em sua conta é realmente de um pai que nunca o viu, nunca assumiu a paternidade mas, num arroubo de generosidade e instinto paterno, lhe deu um bom dinheiro às vésperas de um depoimento importante. Isso nunca é questionado, porque não interessa a ninguém.

(E é impressionante a incompetência do governo no gerenciamento dessa crise. Em vez de divulgar o extrato bancário do caseiro, era melhor simplesmente pedir a sua quebra de sigilo, mostrar que ele recebeu dinheiro e depois se perguntar o que ele andou fazendo no gabinete de Antero Paes de Barros. Partia para o contra-ataque de uma forma muito mais competente.)

Eu, pelo menos, gostaria de saber quem foi o sujeito que, provavelmente numa sala esfumaçada e diante de uma garrafa semi-vazia de Logan, teve um estalo e lembrou que foi alguém igualmente humilde — e assume-se que pobre não mente –, o motorista Eriberto França, que ajudou a derrubar Collor. Poprque esse sujeito merece algum respeito, pela lembrança, pela falta de escrúpulos e por ter sido um leitor aplicado do primeiro parágrafo de “O 18 Brumário de Luís Bonaparte”, aquele em que, citando Hegel, Marx diz que os grandes eventos da história se repetem como farsa.

Esse, talvez, seja o papel da oposição.

Mas talvez fosse o caso de perguntar pelo destino desconhecido do “republicanismo” e da “oposição responsável” desse pessoal, tão alardeados quando não ainda tinham o que dizer do governo. A investida contra Palocci teve um objetivo único e claro: desestabilizar um governo que mesmo com toda a crise tinha conseguido crescer em aprovação pública porque, apesar das negativas da oposição, vem fazendo, sim, um governo admistrativamente e socialmente competente. Não se trata aqui da culpa ou não do PT, até porque a essa altura isso são favas contadas, mas de algo que este blog diz há muito tempo: que a oposição do PSDB/PFL nunca teve nada de “republicana”, que tudo é jogo político, interesses em um jogo pouco liso de poder.

17 thoughts on “A dançarina, o caseiro e o 18 brumário de Francenildo Pereira

  1. O mais “enojante” são as propagandinhas “PT joga dominó”, “Tiras de jornais são provas” que vinculadas pela tv levam apenas uma míope e desgraçadamente pequena marca d’água do PFL.

    Eles estão sujando as cores brasileiras.

  2. Olá querido,
    Fiquei impressionada com o brilhantismo dos seus argumentos. Também fui militante da Ujs por muitos anos e,diferente de você, não tenho apenas lembranças fúteis da época. Muito pelo contrário!Penso que é na juventude mesmo que temos que “perder o nosso precioso tempo” com sonhos bonitos e puros.Como você, também ja me ferrei muito, passei fome, saí de casa no momento em que tive que assumir muitas tarefas… E sinceramente…Hoje sou jornalista, muito querida no mercado, estavel e feliz por ter passado por tudo que passei. E também muito agredecida ao tempo, que me proporcionou momentos inesqueciveis e hoje me faz ver que não fui apenas mais uma menina idiota que nunca “bateu um prego em uma barra de sabão” pelos outros.
    Bom, no mais só te digo para ter mais cuidado com as palavras que usa na hora de falar de mulheres guerreiras que sempre deram o sangue por algum motivo, que dane-se se acha que é questionável. Isso não te diz respeito!
    Mulheres feias mas disponíveis construiram muitas coisas que talvez você, com toda sua magnitude jamais tenha conseguido!
    Muito Prazer!!!

  3. Pode até ser Rafael. Mas não é porque João também matou a mulher e não recebeu punição que Manoel, autor de crime semelhante, não deva ser punido.

    Pode ser que PSDB e PFL não tenham envergadura moral para acusar ninguém. Mas isso não inocenta o PT. Que seja punidos pelos crimes, até mesmo a daça da deputada, porque foi em um local não apropriado.

    Se há inocentes, que provem. Se não tiveram alternativa a não ser aceitar o caixa 2 (porque o que está em jogo não é isso, mas a existência de um mensalão), que digam quem os coagiu a aceitar.

    Se não abrem a boca, merecem a punição.

    Mas o legal nessa história toda é a possibilidade que quimarmos depois os outros partidos. Um no chão já vale. Se o PSDB e cia LTDA continuarem com o jogo sujo, derrubemos esses senhores também.

    Se a poítica brasilera não tem jeito, se todos são iguais, vamos nos livrar de todos, todos mesmos, um por um.

    Quem sabe, então, o Brasil toma jeito.

    Esperança é foda… nunca morre.

  4. uma coisa que o Dirceuzão disse que é correta “quando o PSDB voltar à situação, vão perceber que o governo Lula era de esquerda, sim”.

    Material farto para os estudantes de jornalismo que queiram aprender como não fazer, esta gigantesca fatia de análises e acusações desonestas. E olha que o horário eleitoral gratuito nem começou. De um lado a exaltação do projetos do governo (que deram certo em sua maioria, sim) e do outro PSDBPFL com a ajuda de Veja, Folha, Estado e influenciados.

    Mas concordo contigo, como cagaram tão grandemente na administração deste caso, o do caseiro. Poderia haver um contra-ataque tão fácil, e me fazem isso. ai.

  5. Rafael,
    se, conforme acusam muitos, o que a deputada fez no plenário é samba – eu sou campeão brasileiro de pólo aquático. Nem nadar eu sei.
    E acabei de reler a Carta Magna e o Regimento Interno da Câmara. Não há nenhum artigo que determine a punição para quem dança tão ruim.
    Existe, sabemos, coisa muito mais graves, que merecem uma surra de cansação, como por exemplo a (falsa) indignação daquela menina que escreve no Primeira Leitura. Como é o nome da sujeita?
    Acho que é Reinaldo, né?

  6. Finalmente um texto lúcido sobre esse assunto. Coerente, corajoso e digno de quem o escreveu e das pessoas que vêm aqui te ler.
    Obrigada, pensei que fosse a única a enxergar certas coisas.

  7. E cansação?

    heheh

    Segundo a deputada dançarina, ela está sendo achincalhada pela mídia por ser “mulher, fora dos padrões de beleza e petista”

    HÁ!

    Vc leu a pretensa matéria da Veja? Leia..é digna de ser usada como papel-higiênico. Terrível…

  8. o texto está ótimo, dos melhores que já li ultimamente. em meio ao festival de bordões (nem sempre cômicos) que assola o país, promovido por boa parte da mídia é essencial olhar as coisas por um outro ângulo.

  9. E pensar que eu já fui de esquerda, que acreditava na assistência social e na igualdade entre os diferentes. Deus meu.

    Por mim essa “esquerda” aí passa mais 50 décadas longe do poder.

  10. Texto muito bom. Deve ser enviado a todos os ilustres deputados envolvi-dos com CPI. Só não dá para ser publicado na seção de cartas da Veja. Lá, como não existe democracia, só é permitido textos elogiosos ao Mainardi.

  11. mas quanta indignação!!!! os roubos de lulla é armação da direita. o pobre francenildo caseiro é um agente infiltrado e inimigo publico nº 1 do stalinismo petista, a balofa dançarina fez uma evolução de saudação ao povo brasileiro enquanto o office boy do irmão de josé genoíno carrega centena de milhares de dólares na cueca….

Leave a Reply to Lefebvre Cancel reply

Your email address will not be published.