Manual do Corno Moderno

Hoje este blog vai prestar um serviço inestimável de utilidade pública.

Vai abordar um tema que preocupa a grande maioria dos homens e mulheres; talvez aquele que mais os aterroriza em um mundo cada vez mais confuso, em que as certezas se diluem a cada dia, em que, como diziam Marx e Marshall Berman, tudo que é sólido desmancha no ar.

Hoje nós vamos falar do homem traído.

Este blog vai oferecer, aqui, informações cruciais para que vossa senhoria saiba identificar, com presteza e segurança, os sintomas que indicam que vossa mulher tem hoje pensamentos outros que não a dedicação integral a vossa felicidade completa.

Esses conhecimentos me foram passados por uma grande amiga, em uma mesa em que se discutia os meandros e desvios das relações a dois. Não são segredos que mulheres passem para homens normalmente, mas que amigos passam para amigos. Fica aqui então o meu agradecimento duplo: pela amizade e pela informação.

No entanto, que não se veja neste pequeno opúsculo apenas um alerta aos homens. Porque ele não é. É também um guia destinado às mulheres, concebido com o intuito de alertá-las para que não se acomodem em manobras diversionistas antigas, que começam a se tornar conhecidas e previsíveis. Este blog sabe o quanto mulheres podem sofrer nas mãos de homens insensíveis, homens que às vezes sequer sabem o que estão fazendo. É contra esses que este blog se solidariza com as mulheres em sua revolta: é esse o pior tipo. Acreditamos firmemente que, se vossa senhoria vai fazer alguma merda, que a faça por desejo e por vontade, e não por incompetência.

Portanto, este pequeno guia deve servir também como um estímulo para que as tantas mulheres que encontraram em outra cama uma réstia de felicidade descubram novas estratégias. Que se pense na minha amiga como uma Miss M do adultério; e neste blogueiro que vos transmite esse conhecimento como um mero escriba desejoso de ajudar esses tantos e tantos amantes vespertinos, venturosos em sua alegria mas eternamente condenados pela culpa e pelo medo.

1 – Ela quer ficar sozinha

Foram anos de casamento em que vossa senhoria e vossa consorte padeceram um do outro. Não falo aqui daqueles dias em que se está apaixonado, porque nesses tudo é agradável. Falo dos outros, daqueles momentos em que preferiríeis ver o cão na sua frente a tolerar a mulher com quem se casou. Essa é a parte realmente ruim do casamento: os dias em que vocês não estão apaixonados. Os dias em que se sequer se amam, em que mágoas acumuladas durante os anos de consórcio conjugal borbulham esperando uma chance de transbordar.

Durante todos esses dias a sua mulher ficou no seu pé, às vezes lhe tirando a paciência com suas miudezas, com coisas desimportantes que acabavam lhe irritando. Tudo aquilo em que pensáveis era sempre mais importante do que as miçangas que ocupavam a mente de sua esposa.

É essa mulher que de repente não precisa mais de vossa senhoria, que quer ficar sozinha. Mau sinal.

Por que vossa senhora gostaria de ficar sozinha, assim, sem razão? Pensai com vossos botões, senhor; e enumerai as razões que sei que vais enumerar, e às quais me antecipo aqui: vossa senhora não sabe fazer nada sozinha; precisa de vós para tudo; faz parte da natureza feminina essa tendência à chateação, à solidão a dois.

Isso mostra apenas quão pouco vossa senhoria conhece a mulher com quem dividis a cama, e que agora emprestais a outro cidadão.

No entanto, mais importante do que isso é a outra novidade em vossa vida: no pouco tempo que passais juntos, ela vos cobre de carinhos e atenções, e é a mulher atenciosa dos tempos em que a vida em comum à frente parecia uma autobahn alemã, e não a picada de piçarra esburacada entre Capim Grosso e Santa Brígida que acabou se revelando.

Se fosses mais atento, vossa senhoria perceberia que essa necessidade súbita de solidão e os momentos de carinho intenso são duas faces do mesmo sintoma.

Esse sintoma se manifesta da seguinte forma: digamos que ela tem umas quatro horas livres por dia, quatro horas que poderia passar ao lado de vossa senhoria. Durante meia hora ela o cobre de atenção, de mimos, para que possa passar mais tempo pensando no homem que realmente faz o seu coração bater mais rápido.

Nos tempos modernos, e é isso que nos interessa aqui, essas horas em que ela se vê impossibilitada de cair nos braços do homem que a faz suar não é mais gasto apenas em devaneios e lembranças: depois que inventaram a internet, o contato pode ser mais constante, contínuo. Então as juras de amor que deveriam ser para o senhor, e que foram um dia; as idéias para novos prazeres, que o senhor já não é capaz de oferecer; tudo isso agora tem novo destinatário. Esquecei toda a conversa sobre informação, novos horizontes, educação: a Internet foi feita unicamente para aplacar um pouco a saudade que queima o peito dos amantes clandestinos.

Não quero ser cruel, caro senhor, mas imaginai as coisas que são ditas pelas teclas do computador em vossa sala, ou quarto. Imaginai as juras de amor; mais que isso, imaginai as pequenas e grandes coisas que ela sonha fazer com outro homem que não vossa senhoria. Imaginai suas coxas se contorcendo enquanto ela sorri para o computador: e imaginai também que nada disso, meu senhor, é por vossa causa.

Os dois sintomas sempre vêm juntos, mas o senhor é incapaz de perceber. O que vos incomoda é o fato de que ela aparentemente não precisa mais de vossa senhoria; entretanto, ao outro sintoma vos acostumais rápido, chegais a julgar como algo natural, porque é assim que as coisas devem ser. Pobre de vós e de vossa fronha.

2 – Ela se torna mais tolerante com vossa senhoria

Foram anos em que ela reclamou do jornal largado ao lado do sofá, da toalha molhada sobre a cama, da saída com os amigos no sábado à tarde, do futebol no final do domingo.

A tudo isso, a todos os resmungos, a todas as queixas, vossa senhoria já tínheis se acostumado com um suspiro. Suspiros parecem ser uma constante na vida de homens casados. Para vossa senhoria, isso era apenas parte daquele complexo sistema de compensações que torna viável qualquer casamento.

Mas de uns tempos para cá as coisas parecem ter melhorado. Ela finalmente entendeu que vossa senhoria é um homem ocupado, um provedor que precisa cumprir horários. Compreendeu que vida tão estressante requer uma válvula de escape, uma imersão no mundo masculino da qual ela deveria se sentir grata por ser excluída. Compreendeu que o mundo masculino é cheio de exigências, e que deveria haver uma divisão natural do trabalho em que cuidar da toalha molhada e jogar o jornal no lixo deveria ser tarefa exclusiva da mulher que vossa senhoria tem em casa.

Ela compreendeu. Quem não compreende é vossa senhoria.

Não entendeis que o sistema de compensações continua o mesmo; só mudaram os objetos. Agora, sua tolerância é maior porque o que ela precisa compensar é também maior: são as aspas que crescem lassas em sua testa.

Acredite ou não, ela ainda ama o senhor. E daí que ande fazendo o indizível com outro homem? Só isso não faz com o amor acabe — quando menos porque depois de tantos anos essa vida medíocre que ela vem levando tem que parecer ter valido a pena. Queirais ou não, ainda sois o homem com quem ela dividiu a existência durante tantos anos. Por mais extáticos que sejam os momentos que vossa mulher passa sob outro homem, sois vós ainda seu grande referencial de vida. É por tudo isso que ela tenta vos compensar, e só o senhor não percebe.

E esse é talvez o melhor de todos os sintomas. Esquecei a galhada frondosa que ora lhe orna a fronte: vossa vida agora está melhor do que antes. Tendes de volta a mulher doce, compreensiva, adorável, por quem vos apaixonastes. Portanto pensai, caro senhor: melhor dividir os bônus do casamento do que arcar sozinho com os ônus.

3 – Sexo no piloto automático

É provável, é mais que provável que vossa senhoria se ache uma máquina de fazer sexo. Vossos cinco minutos são o máximo a que uma mulher com juízo pode querer na sua vida. Nisso não estais só, feliz ou infelizmente. Mas não é de outros homens que trato aqui, é da queda de vossa senhoria.

Mas para que não fique aqui a impressão de que apenas os pouco inclinados para os embates gozosos são embaídos, é forçoso levantar uma consideração simples, antes de avançarmos por esta seara: faça vossa senhoria o que fizer, o amante de vossa mulher faz melhor. Por favor, não vire o rosto: o sujeito que, talvez até neste exato momento, está comendo a sua mulher é melhor de cama que vossa senhoria. Pelo simples fato de não ser vossa senhoria.

Sejamos honestos: depois de, digamos, sete anos de casamento, vossa vida sexual não tem mais graça. Vossa senhoria já conhece a mulher com quem há tantos anos resolveu dividir o lar. Se vos restar ainda certo interesse, vossa senhoria já conhece os atalhos para algo que quase se assemelha a um orgasmo, daqueles fraquinhos, daqueles que melhor seriam chamados por “missão porcamente cumprida”.

Mas se não lhe resta nem essa faísca de interesse, se o que sobrou de um grande amor cheio de adjetivos foi o tédio puro e simples, então nem isso: uma trepadinha burocrática de cinco em cinco dias, quando muito — menos ainda se o trabalho passa por uma daquelas temporadas em que exige tudo de vossa senhoria. Não tendes mais ganas de deixar vosso rosto encharcado dela, aproveitais o ciclo lunar para um merecido (em vosso entender, ao menos) descanso. Amanhã precisais trabalhar.

É compreensível que depois de alguns lustros tenhais esquecido dos tempos em que trabalháveis 16 horas por dia e mesmo assim não perdíeis o almoço executivo do motel, conciliando tempo e amor quando possível; e chegáveis no trabalho com o cabelo molhado e dizíeis ter ido cochilar em casa. Vossa senhoria talvez tenhais até esquecido dos tempos em que dormia cinco horas por dia porque uma mulher apaixonada sentia urgência de vosso corpo, de vosso cheiro. Tínheis tempo para tudo: porque tudo era novo, e há no homem algo que o impele a explorar, e a gostar de suas descobertas enquanto elas são novas.

Mas esse tempo passou e vossa senhoria, sinto ter que dizer, não é mais o mesmo.

Podeis me chamar de machista, se quiserdes, e talvez eu seja mesmo: mas se vossa senhoria comesse decentemente a sua mulher, nada disso aconteceria. Simples assim. Não há senhora que freqüente as tardes de motéis de preço módico — amores clandestinos são também amores dispendiosos — que não reclame de pelo menos um desses dois aspectos em relação ao bom cumprimento dos vossos deveres conjugais: freqüência ou qualidade. E quantas camas de motel já ouviram desabafos desse tipo, relutantes a princípio, e finalmente francos, abertos?

Não vos indignai comigo, não ainda. Em vossa defesa, posso dizer que me parece tarefa árdua demais que, após uns 15 anos, olhar a celulite de vossa esposa e acordar diante do seu mau humor consiga ainda evocar desejos intensos, que consiga mais que um suspiro conformado com a sina que vos parece irremediável. Além disso, do mesmo mal que acomete vossa senhoria padece vossa consorte. Ela também já não vê tanta graça no senhor.

O fato é que, independente das qualidades intrínsecas de vossa senhoria, o amante de sua mulher a come melhor que o senhor. Conformai-vos. Mas se serve de consolo para um homem que, como vós, se vê roubado no que tem de mais importante, sabei agora que sois também o instrumento de vingança, e que a revindita corre célere.

Depois de uma tarde com o seu novo homem, amor tanto mais grandioso quanto efêmero; depois de gritar e gemer e perder o fôlego e redescobrir o paraíso; depois de o ter dentro de si e por instantes não querer jamais que ele saia dela; depois de o sentir cansado sobre o seu corpo, e sentir ser ela a causa desse cansaço sorridente; depois de tudo isso, meu dileto senhor, é convosco que eventualmente ela precisa deitar.

E por isso, meu senhor, não poderia haver maior vingança. Ainda que não vos tenha causado dor ela vos tirou algo importante; é nesse momento que ela terá que pagar o pecado do adultério. Vossa senhoria poderíeis até rir, se a ignorância não lhe cobrisse os olhos.

Por ser usada por vossa senhoria ela se sentirá suja, indigna; não saberá a quem está traindo. Ela chega em casa ainda fresca do amor, ainda com o gosto do seu homem em sua boca; e então é obrigada a conspurcar a beleza que viveu, com o vosso corpo suado. Sem saber, cometereis uma violação, terás machucado aquela que vos tirou o que, julgais, é vosso. E inocente, sem culpa, tereis se vingado do que ela vos fez; nesse momento a confusão de sentimentos, em que amor, desejo e lealdade se confundem, faz a sua primeira vítima. Conspurcar, indignar, violar: são esses os verbos que constituem vossa vingança. É a isso que sois reduzido, mas em vossa degradação vossa senhoria também a degrada.

E aí tendes o vosso casamento: um sistema de compensações em que as mágoas não precisam ser conhecidas para causarem dor em alguém.

***

Aqui termina este pequeno guia. Que tenha servido de alerta para homens e mulheres. Há pelo menos mais três itens que deveriam ser incluídos, como o fato de ela de repente querer ficar mais bonita; mas chega, por enquanto. Tampouco caberia aqui o ponto de vista do amante, caído de amores ou, como sói acontecer mais comumente, leviano. Fica apenas um último pedido: por favor, não se importem com o uso da segunda do plural, nem com os erros de ortografia resultantes da falta de familiaridade. Ele era necessário: não é porque a mulher de um homem diz ai em outros ouvidos que podemos ter essa intimidade paternal com ele, como se tem com o porteiro que recebe uma gorjeta no Natal. Eles podem sem traídos e vilipendiados, mas ainda assim não merecem ser chamados de cornos.

Republicado em 08 de agosto de 2010

32 thoughts on “Manual do Corno Moderno

  1. ah rafa.. me sentir suja e indigna? não estaria traindo ninguem senão a mim mesma, se não seguisse os desígnios do meu coração, do meu corpo , da minha alma…sujos são os mansos cornos que sequer percebem que são mansos e cornos, imbecilmente travados na sua redoma de macheza e velocidade viril…

  2. Muito bom…

    Sou uma excessão!

    Estou há 16 anos casado e a cada dia que passa minha vida fica melhor!

  3. Rafa, esse assunto dá muito pano para manga. Para mim, o que leva a mulher a trair o homem é ele não entender o que se passa na alma dela. Sei lá, é bem simples, mas é o que eu penso. Beijocas

  4. Buenas, Sr. Galvão.

    o bom mesmo é ser o outro, alem de comer gostoso, saca vossa senhoria, ainda gera motivos para teses, enquanto isso do outro lado da cidade:tenho que ir,chega,chega, tenho que ir juro,agora sério tenho que…..

  5. Eu posso dizer que desse assunto eu não entendo.
    Mas poderia escrever muito sobre…ser corna…
    Ou melhor: “como uma mulher se torna ciumenta depois de ter sido cornélia”.;0)

  6. Ei, mas que preconceito é esse? Para ser corno não é preciso ser casado. Basta ser namorado e vc já corre o risco de levar umas guampinhas. Gostei que vc tocou num ponto essencial do corno hoje em dia: a internet. Ô coisinha pra ajudar a levar chifre, hein? Ou, para alguns namorados ciumentos, pelo menos pensarem que estão levando…quando o máximo que faço é vir aqui, em blogs tão bons como seu, para rir um pouco com seus textos geniais.
    Genial, genial…

  7. O chifre precisa ser desmitificado, perder seu estigma. Faz parte da natureza humana, e em algum ponto da vida se tornará perceptível, senão para o próprio, certamente para os vizinhos.

    Corno: és, foste ou serás.

  8. De Antônio Biá, personagem do filmão ‘Narradores de Javé’: chifre é coisa de homem; boi usa de ousado …

  9. Cada vez mais percebo que a fidelidade caiu em desuso. Em breve a palavra corno perderá seu significado pois todos o seremos em algum momento.

  10. Muito bom.
    Eu que (infelizmente e contra a minha vontade) tive experiência comprovada no fato, assino embaixo.

  11. Muito interessante e profunda a sua visão, gostei muito… um casamento é sempre uma caixinha de surpresa, nunca sabemos o que vai acontecer de fato.Daí vem vários fatores que acabam ajudando ou prejudicando a relação,então o “chifre” e uma consequência.

  12. Cornos todos seremos, mas não por falta de boas trepadas , algo natural que com o tempo acomete os dois sexos.
    Rafael explora o temor (em declínio) do homem ser corneado, já eu acredito que lá, bem no fundo, boa parte das mulheres casadas (não ouso falar a maioria absoluta por simples medo) já passaram dessa fase. Basicamente nem se preocupam com uma corneadinha simples do marido.
    não?

  13. Eu ainda acredito em exceções.

    Isso, apesar de ter sido corneada e de cornear em contrapartida…

    Mas isso sou eu, uma idealista brega.

    No final, fiquei confusa… ser corno é bom, então?

    Pq do jeito que foi tratado, parece que é…

    Beijoca, corno : P

  14. Quer ver doença ruim
    É corno cmplexado
    TEm uma esposa honesta
    Mas não vive sossegado
    Diz que ela ama outro
    Dar nome de uns dezoito
    E só vive preocupado.

    //Anizio

  15. Ser corno é ótimo. – Uma sugestão a todos os maridos: Liberem suas esposas, deixem elas lhes colocarem os chifres, vocês vão adorar. 😛

  16. Este assunto de corno e traição é sempre polêmico. Ninguém é de ninguém. Casamento feliz é sinônimo de “cama”. O que sustenta uma relação a dois ainda são as fantasias, a reciprocidade sexual entre um casal. A palavra “corno” é um tipo de mito que se arrasta de geração em geração. Ser corno ou não ser, eis a questão….

  17. Rafael Galvão escreveu:

    “Compreendeu que vida tão estressante requer uma válvula de escape, uma imersão no mundo masculino da qual ela deveria se sentir grata por ser excluída.”

    E me lembrou os versos antológicos do Adelino Moreira:

    “Acontece, que a mulher que floriu meu caminho,
    De ternura meiguice e carinho, sendo a vida no meu coração;
    Compreendeu, e abraçou-me dizendo a sorrir:
    – Meu amor, você pode partir. Não se esqueça do teu violão”

    E a gente descobre, a essa altura da vida, que o “boêmio que voltou” se achando o rei da cocada preta não passava de um corno idiota…

  18. a gente só sente a dor de um corno e a desconfiança e um amor ”
    quando agente é corno e o homem nuns deixou…..
    e passageira um dia ele voltar e agente mandar ele sair forar de cabeça erguida..
    ””’gaia é moda ta na moda todo mundo usa”

Leave a Reply to Vivien Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *