Os complexos dos goianos

Comentário de um moço chamado Thiago a um post antigo:

Nossa, pelo que vejo o grau de informação e conteúdo que a maioria aqui tem é muito, mais muito baixa!!!!!!!!! Sou Goiano, com extremo orgulho e há uma série de fatos sobre o estado que VC´S ditos sabidões do sudeste ou do sul não sabem por mera ignorância!!!! E como já dizia: Ignorância é o esconderijo da burrice!!!! Esta matéria feita por um qualquer que gosta de curtir de coisas q não sabe muito é a prova cabal disso. PARABÉNS continue sempre escrevendo estas notícias que com certeza, como disse no início, pelo grau de conteúdo do criador e de alguns leitores vc será um expert em BURRICE!

O post que o dito goiano comentou fala de uma matéria da Veja sobre a grande cidade goiana de Uruaçu, que com 33 mil habitantes em 2005 fez da exportação de putas para a Espanha um negócio rentável e socialmente respeitável.

Na verdade, o post era elogioso. Ao contrário do mocetão goiano, o blogueiro aqui não tem nenhuma restrição moral — apenas estéticas, meu filho — à mais antiga profissão do mundo. Mais que isso, via com um certo deslumbramento o fato de que os Estados brasileiros, um a um, descobriam sua vocação econômica. Paulistas trabalham e reclamam, cariocas traficam e roubam, baianos fazem música ruim, cearenses embarcam em paus-de-arara, pernambucanos chamados Severino vão ser porteiros no Rio, goianas vão para puteiros.

Mas o rapaz Thiago, provavelmente morador de Goiânia — aquela cidade que só tem michê, agroboy e cantor de dupla sertaneja ruim –, desconhece a pujança de Uruaçu, cidade de poucos habitantes mas excelente rima. Uruaçu é uma das primeiras cidades verdadeiramente globalizadas do Brasil. É uma transnacional da putaria. Em vez de ficar revoltado e alegar que Goiás tem mais do que isso (talvez a cidade de Sertanejo-de-Trás-os-Montes, que faz o melhor doce de soja do Brasil, ou algo assim), ele devia ter orgulho das moças que Uruaçu exporta e que tanto contribuem para o crescimento do produto interno bruto da cidade.

Por exemplo, se não fossem as putas espanholas de Uruaçu, duvido que a cidade tivesse uma escola de inglês. Tem gente que é ingrata e não percebe o desenvolvimento chegando. É isso que o Thiago não percebe: a grandeza que há em uma cidade inteira se sustentando no meio das pernas de suas mulheres.

É tão lindo, isso.

Cá na minha ignorância e na minha burrice, fico imaginando os fatos sobre o glorioso Estado de Goiás que não conheço. Não que queira conhecer, que Goiânia não me interessa, mas eu sou um sujeito curioso.

Talvez ele se refira a uma nova dupla caipira. Talvez fale de uma nova caminhonete 4×4 com luz de laser e suspensão cibernética — e uma gigantesca caixa de som no porta-malas que toca Leandro e Leonardo a 759 decibéis. Talvez o Tiago esteja falando de novas técnicas de michetagem dos guapos rapazes goianos, moços lindos que descobrem a cada noite novas formas de agradar seus clientes.

Só não gostei de ser chamado de “sabidão do sudeste”, porque eu sou nordestino e moro no Nordeste, no menor Estado da Federação. Por isso, se alguém nesta bodega tem o direito de ter esse tipo de complexo de inferioridade sou eu. E eu sou extremamente cioso dos meus direitos, e não admito que um goiano — logo um goiano! — venha usurpá-lo de mim.

19 thoughts on “Os complexos dos goianos

  1. ” Paulistas trabalham e reclamam, cariocas traficam e roubam, baianos fazem música ruim, cearenses embarcam em paus-de-arara, pernambucanos chamados Severino vão ser porteiros no Rio, goianas vão para puteiros.””

    Rs…perfeito!!! Eu sou de Natal, no Rio Grande do Norte, e aqui ao invés de haver exportação de putas, os estrangeiros vêm atrás delas. A vocação econômica da minha cidade é o turismo sexual. Mas temos também bandas de “forró eletrônico” ( e eles dizem que fazem música). Somos famosos também por termos um deputado pegador, orgulho norteriograndense, que já namorou até a Adriane Galisteu!!! Eita cidade cosmopolita…
    Agora falando sério, eu acho inútil esse bairrismo que fecha os olhos à realidade .
    Mas me diga uma coisa…e aí no teu estado (alagoas, salvo engano), o que o pessoal apronta?

  2. Sem entrar no mérito das tuas afirmações a respeito de Goiás e dos goianos, sobre os quais pouco sei, devo dizer que este texto, na sua total, ferina e irretocável sinceridade e ironia, é deliciosa e politicamente incorreto. Se isto significa que estás perdendo o jeito, como afirmaste noutro post recente, que continues escrevendo assim, sem jeito mesmo. Mas báh!

  3. Que politicamente correto que nada!!!
    Vamos aos fatos: Errar é humano. Insistir no erro é goiano.

  4. Caraaaaaalhoooooooo
    alagoas é o menor estado da federacao?

    Nós sergipanos estamos mordidos agora. Vamos juntar um grupo de 10 ou 20 pessoas e tacar fogo no Rio Grande do NOrte husahsuahsuahusa

    Mas só depois de comer uma tapioca na orla, pq ninguem eh de ferro.

  5. Rafael,
    sou goiana, moro em Goiânia e acho que você provavelmente é um mentiroso. Como você tem coragem de dizer que nunca esteve em Goiânia e nem se interessa pela cidade se é capaz de descrevê-la tão perfeitamente! Você só me deixou em dúvida sobre sua mentira quando se referiu à música que sai incessantemente dos carros que passam em interminável fila indiana como sendo Leandro e Leonardo. Fiz uma pesquisa profunda e aquele pagode tão inesquecível de Uberlândia prevalece em 85,68% dos casos! Viu por que minha dúvida se você é um mentiroso ou não? Pensando bem…pode bem ter sido um disfarce, você colocou essa pequenina discrepância só para não parecer que você conhece bem a cidade…bem, enfim…já não sei se você é mentiroso ou não.

  6. Hauhauahuahauhuahuahau Rafael, tu não está perdendo a mão, nada disso! Os posts continuam ótimos. Ou, no caso das putas de Goiás, não seria um “pornst”?

    Mas o rapaz tem razão numa coisa. Eu, como como todo gaúcho, sou arrogante, convencido e acredito que no Nordeste só tem preguiçoso. Aliás, de São Paulo prá cima, é tudo um Nordeste só, terra de gente feia e preguiçosa! (ok, é uma piada hauhauahauha)

    Se me perguntar o nome de 3 cidades Goianas, valendo 1 milhão de reais, eu perco! E isso que me orgulho de possuir uma cultura geral razoável. Na verdade, só consigo dizer o nome de uma cidade Goiana: Goiânia. E Uruaçu não posso dizer pque já estava no “pornst” do Rafael.

    Quanto ao rapaz de Goiânia, uma sugestão: Proclamação da República de Goiás!

    HAuahuahauhauahua

  7. la vem um gaucho estilo neo nazi e seus infelizes comentarios. Afinal, Rio Grande do sul é uma província da Argentina?

  8. Nós paulistas também temos (comprovadamente) a feia mania escolhermos péssimamente nossos governantes.
    Agora, para continuar no politicamente incorreto : muitos atribuem esta praga (governantes de extrema direita) ao elevado números de paraíbas (como chamanos todos os nordestinos) que vem sobreviver por aquí e que garantem o sucesso de gente como Ivete Sangalo.

  9. Antonio Brazil, leia novamente meu comentário. Você não percebeu a total ironia? Não percebeu? Nossa…. é por essas e outras que às vezes fico meio assustado: O Brazil está ficando cada vez mais parecido com os Eua…

    Mas é quase um tratado de sociologia perceber esse sentimento latente contra os Gaúchos. Rafael, tu, com todo esse teu pensamento crítico e essa fina ironia, tá na hora de escrever sobre os Gaúchos e o que os demais brasileiros pensam deles.

    Será mesmo que nós, gaúchos, somos tão odiados assim? Apenas pque um maluco de Santa Cruz escreveu um livro defendendo o Separatismo e a Rede Globo deu um puta destaque, repercutindo daquele jeito torto e tosco que é tão próprio dela, dando a impressão que o RS estava prestes à separar-se do país e que os gaúchos adoram comer criancinhas nordestinas no café da manhã?

    Forte abraço!

  10. Texto muito bom. O final é o melhor. Para mim não teria como você fazer uma propaganda melhor de Goiânia: “Talvez o Tiago esteja falando de novas técnicas de michetagem dos guapos rapazes goianos, moços lindos que descobrem a cada noite novas formas de agradar seus clientes.” Será que é verdade? Rafael, você deveria ser nomeado Secretário do Turismo de Goiânia.

    Mas, horrível comentários como: Errar é humano. Insistir no erro é goiano. Horrível porque sei que isso é muito falado em Brasília.
    Alberto, convenhamos que isso – acredito que no Nordeste só tem preguiçoso. Aliás, de São Paulo prá cima, é tudo um Nordeste só, terra de gente feia e preguiçosa! – é uma opinião meio generaçizadinha no Rio Grande. O problema maior é que ela é generalizada no Brasil inteiro. ô povinho que se auto-despreza. Eventual desprezo do mundo por algum aspecto da cultura norte-americana não gera problema lá, porque eles se acham o máximo.

  11. rafael, brilhante pela ironia que faz a gente chorar de rir.

    mas é bom não esquecer que esse mulheriu exportado como gado para a espanha e outros países europeus é em geral de baixa renda e busca a sobrevivência financeira que não encontra em seu lugar de origem.

    não vejo, porém, qualquer razão para o rapaz goiano reclamar de vc. a união européia,afinal, é que tem garantido o feijão-com-arroz de muitas familias humildes do interiorzão dos cerrados brasileiros. há tres anos, tive que deixar minha cidade (no sudeste) pra passar uma temporada numa cidadezinha do interior de tocantins (ex-goiás). uma das melhores casas do lugar, com muros altos como os que se erguem nos bairros de classe média das metrópoles – aliás, era a única casa murada do lugar – havia sido construída para a família por uma jovem que fazia michê na espanha.

    conheci avós que cuidavam dos netinhos enquanto as mães trabalhavam na europa. trabalhando com o que? “de babá”, me explicou uma das avós. as mães haviam sido recrutadas por um pessoal de goiânia que tinha extensa de rede de contatos nessas cidadezinhas empobrecidas do cerradão. portanto, goiânia – além de agroboys, michês e carrões ridículos que tocam músicas idem – é a sede de um grande e lucrativo negócio baseado no sexo. o goiano deveria se orgulhar da terrinha.

  12. Ignorancia é ignorar, ou seja desconhecer (fatos, dados, etc…), portanto para que não continues nesta ignorancia aí vai um dado: Tempos atras a USP fez um trabalho de campo e descobriu que o carioca trabalha mais que o paulista (acho que isto foi publicado em uma dessas revistae tipo veja, isto é, ou outra qq, não me lembro); mas o importante e saber que em SP não se trabalha tanto quanto se apregoa, mas que se faz muita, e bota muita nisso, maracutaia – alias isto é em qq lugar que exista ser humano.
    Quanto às putas, não tenho preferencia por origem, gosto de todas idiscriminadamente.

    []’s
    Louis

  13. Que coisa mais psicótica essa estória de paulista, carioca, nordestino, goiano e etc… Todos nós falamos muito e continuamos a não olhar para o próprio rabo. Adorei o post Rafael, mandou muito bem. E por falar nisso: “quem não tem colíro, usa óculos escuro”… (por favor, é só uma metáfora).

Leave a Reply to Cancel reply

Your email address will not be published.