Saló ou 120 Dias de Tédio

Tinha uma boa farra para ir na sexta, mas desmarquei tudo quando soube que o Telecine ia exibir “Saló ou 120 Dias de Gomorra”, de Pasolini.

Embora eu não visse um filme seu há mais de 10 anos, sempre gostei de Pasolini. Talvez continuasse gostando porque não pude reavaliá-lo à medida que envelhecia e ia ficando cada vez mais conservador.

“Saló”, por sua vez, era um filme que eu devia a mim mesmo. Quando ele finalmente foi liberado no Brasil, em 1989, perdi a chance de assisti-lo porque ficou muito pouco tempo em cartaz.

Eu sabia o suficiente sobre o filme. De acordo com Pasolini era uma denúncia do domínio nazi-fascista sobre a Itália, livremente inspirada no livro homônimo do Marquês de Sade. Se pretende um filme libertário e intelectualmente instigante.

Então tá.

Logo nos créditos de abertura algo me assusta: Pasolini inclui uma “bibliografia essencial”. Ai, meu Deus. Lá vem. Eu não confio em filmes que pretendem discutir conceitos filosóficos. E confio ainda menos num filme que inclui nesse pretenso debate um livro de Roland Barthes — ele mesmo, o óbvio e obtuso. Para Pasolini o filme é mais que cinema, é um projeto político-intelectual-filosófico-metafísico ambicioso e multifacetado. Mas apesar de toda a sua vontade, um filme continua sendo só um filme. É necessariamente superficial, porque jamais terá a profundidade de um livro. Quem quer defender princípios filosóficos escreva uma tese, e deixe o cinema para quem quer contar uma história.

Durante as próximas horas me vejo em meio a um festival de taras e crueldade, curiosamente exibido com um pudor gráfico inusitado. A única exceção é a longa seqüência sobre coprofagia, o “círculo da merda”, extensa e longa. De resto, o filme não tem personagens, apenas situações sem sentido e ilógicas.

Foi com algum esforço que assisti ao filme até o fim. Que filme chato, chato, chato. Só consigo usar esse adjetivo, porque outros — ultrajante, ofensivo, radical — seriam grandes elogios a um filme que não merece mais que um levantar triste da poltrona e um abano negativo da cabeça.

O filme é inferior até mesmo à obra de Sade que lhe deu origem, porque o livro se restringe ao universo do sado-masoquismo, não se pretende uma parábola política. As parafilias de Sade são mais honestas, mais verdadeiras: sua satisfação é a única coisa que pedem. O filme é também tecnicamente — fotografia, som, cenografia — mal-feito, inferior ao que se fazia na Itália 20 anos antes; como se voltasse a um tempo em que Fellini e Visconti ainda não tinham nascido.

“Saló” deixa em mim uma impressão clara: é Pasolini subindo na mesa do bar e gritando “olhem para mim! Vejam como eu sou chocante! Vejam como eu sou maldito e brilhante!” E no entanto ele é apenas chato e bobo, e as pessoas olham indiferentes para ele e voltam a cuidar de suas vidas. Porque elas, por insignificantes que sejam, são mais interessantes que aquele filme infantil.

***

Lulu, não acho que vanguarda seja algo ruim em si, apesar de gostar muito da frase do Lennon pré-Yoko Ono em que ele a define com uma crueldade enorme: “Avant-garde é ‘merda’ em francês”.

Acontece que nem tudo que se pretende vanguarda é bom. Aliás, nem tudo que se diz vanguarda o é.

Pelo menos no meu conceito semântico da palavra, vanguarda é algo que vai à frente. Desbrava caminhos, abre picadas que mais tarde se tornam grandes estradas. Mas às vezes muitas coisas que se definem vanguarda na verdade estão pegando um caminho marginal e paralelo que não vai dar em lugar algum. Às vezes até isso pode ser bom; geralmente é só um exercício de vaidade fútil, de criatividade vazia.

Dentro desse conceito, “Cidadão Kane” era vanguarda. “O Anel dos Nibelungos” era vanguarda. “Ulysses” era vanguarda. “Saló”, definitivamente, não é. Se alguém me apontar uma obra sequer que tenha se inspirado no filme eu ficarei grato, porque embora faça força não consigo pensar em nenhuma.

E mesmo sob qualquer outro ponto de vista, daqueles mais amplos e generosos, tampouco sei se dá para chamar “Saló” de vanguarda. Por exemplo, Pasolini gostava de trabalhar com não-atores. Visconti também. Mas Visconti fazia isso na década de 50, e desistiu para fazer obras-primas como “Morte em Veneza”: a maravilhosa cena final jamais poderia ser interpretada por um não-ator, era preciso um Dirk Bogarde para isso. Aquele cinema engajado e pretensamente revolucionário já tinha tido seu tempo (e, cá para nós, tenho sérias dúvidas de que tenha funcionado de verdade algum dia). Ao utilizar a mesma técnica em 1975, Pasolini na verdade é a retaguarda.

Esse engajamento político em busca da transformação da arte cinematográfica através da utilização de não-atores me parece uma grande bobagem. É algo típico da década de 70, em que se vivia dos restos da revolução cultural dos anos 60. Há uma necessidade de quebrar parâmetros que nem sempre se concretiza — que geralmente não se concretiza.

Particularmente não vejo muita graça em Sade; de modo geral, acho literatura pornográfica chata, pouco mais que adolescentes desenhando genitais na porta do banheiro da escola. Abro uma exceção relativa para o marquês, ele é bem mais que isso; mas ainda assim o acho chato. De qualquer forma entendo seu livro, ao passo que não consigo entender direito a mistura mal feita de perversões e política que Pasolini tenta fazer, sem sucesso. Ele conseguiu tirar o sentido das duas áreas, sexo e política, fazendo um filme que é menor que os dois temas separados. Por exemplo, há um pudor curioso nas cenas de sexo que soa fora de contexto. E o aspecto político do filme só é óbvio quando você sabe de antemão. “Ah, aquilo é a burguesia fascista italiana fodendo o povo, né? Entendi…”

Eu não consigo sequer achar o filme ultrajante ou asqueroso. Acho só bobo, é esse o problema. Durante a seqüência do círculo da merda, em vez me enojar com aquilo, ficava apenas pensando que tudo aquilo era falso, porque a reação lógica de alguém obrigado a engolir fezes é vomitar, e não comer tudo e se lamentar da mala sorte. Se conseguisse me revoltar com ele provavelmente Pasolini teria alcançado pelo menos um de seus objetivos, e para mim o filme seria maior do que é. Mas eu o acho apenas frágil, um sujeito que acabou de fumar um baseado e desanda a falar besteiras achando que está sendo genial.

Para mim, “Saló” é apenas uma curiosidade histórica.

Voltando a Lennon, quando ele disse aquela frase nem fazia idéia de que, uma década depois, um italiano pretensioso iria aplicá-la de maneira literal. E com péssimos resultados.

Originalmente publicado em 10 e 11 de março de 2004

11 thoughts on “Saló ou 120 Dias de Tédio

  1. Brigatti

    Galva, o livro chama-se “Os 120 dias de Sodoma” e não Gomorra. Não que isso vá fazer diferença, já que, como o filme é ruim, o livro é igualmente horrível, assim como toda a obra de Sade. O único poprósito é chocar, o que, nos dias de hoje, quase não o faz. Sempre tive curiosidade de assistir ao filme para conferir até que ponto Pasolini seria fiel ao escritos do marquês, mas vejo que não teria motivo.

    Reply
  2. Ismael Grilo

    Essa conversa de vanguardismo às vezes é engraçada: exemplo recente no cinema é a bobajada que o Trier fez em Dogville, filme de enredo vazio e personagens inconsistentes, mas que foi lançado ao patamar de obra original, inovadora e ousada.

    Reply
  3. Roger

    Eu gostei de Dogville. Pra começar eu não assisti ao filme como quem assiste a um filme, assiti como se fosse uma peça, o que faz grande diferença. O diálogo final quando a mocinha reencontra o pai e eles discutem liberdade, livre arbítrio, direita/esquerda, utopia, etc, também é bom.

    Reply
  4. Roger

    Hum, só uma coisa: eu gostei de Dogville, mas difícilmente assistiria duas vezes, seria chato e cansativo.

    Reply
  5. HIRAN PINEL

    ASSISTI 120 DIAS…

    EU – NÁ ÉPOCA – NÃO FUI SUFICENTEMENTE INTELECTUAL PARA APREENDER TODA UMA PRETENSA “MAGNITUDE” QUE, DE FATO, POR SEUS COMENTÁRIOS, É (IM)POSSÍVEL DE CAPTURAR COM ALGUMA LOGICIDADE.

    LEMBRO-ME DO TERROR QUE ME CAUSOU E UMA ESPÉCIE DE SENTIMENTOS PARANOIDES (EU FAZIA UM CURSO DE PSICOLOGIA EM BH., QUE ERA DE UMA CLÍNIA CHATA E CLÁSSICA – E NÃO DO SUJEITO) QUE EM MIM INSTITIA EM INSTAURAR.

    AONDE EU IA, O BODE IA ATRÁS, IGUAL AQUELA VACA DA CANCIÓN POPULAR QUE NINGUÉM MERECIA: – AONDE ELA IA (A VACA) O BOI IA ATRÁS.

    O TEMPO PASSOU E, SINTO, QUE PERDI TEMPO COM AQUELA COISA DE COMER ANGU COM TACHINHAS E OUTRAS “COSITAS MÁS”, SÁDICAS, MASOQUISTAS.

    DURANTE A SESSÃO (NO CINE ACAIACA) E EU APENAS ME DEFENDIA, OBJETIVANDO ALGUMA SANIDADE: POR QUE ESSE “CARA” (PASÓ) MALTRATA TANTOS JOVENS LINDOS?! EU ERA JOVEM E… LINDO!

    AH! ADEUS IDEOLOGIA, MARXISMO, PASOLINI…

    ADEUS GALVÃO.

    GOSTEI – E MUITO – DE SEU TEXTO.

    PROVOCADOR.

    PROVOCA A MINHA DOR!

    GUARDEI O ENDEREÇO, ANTES QUE EU ME PERCA!

    Reply
  6. Diego Ramirez

    É com tristeza que vejo o estigma dogmático-religioso ao qual vocês estão impondo a Sade.

    Leitura mais esmiuçada de sua obra (em especial aos 120 dias e, notadamente, a Aline, podem revelar-nos que Sade, além de filósofo do caos humano entre psichè e realidade do ego, é amante da liberdade do indivíduo e da abolição das virtudes dogmáticas como sendo o abismo do eu.

    Repito, repilo: é triste ver dogmas como ‘pornográfico’, ‘ruim como todos os textos de sade’ e outros sendo expostos com veemente intolerância. O texto acima pode ter sido, sim, bem escrito – mas de quê vale um vaso de ouro recheado de vazio?

    Reply
  7. Luis

    Rafael, assisti Saló ontem e procurei algo pra ler. Encontrei teu texto. Interessante até, mesmo que simplificador. Mas foi interessante ter sua perspectiva. O problema com Pasolini parece ser o de ter ficado velho. Fora do contexto dos anos 70, fica difícil entrar no espírito do filme. Mais do que achar o filme chato, minha experiência foi de estranhamento, de distanciamento. Vi o filme com interesse, mas um tipo de interesse arqueológico. Mas aí me deparei com seu texto sobre o schindler de Spielberg. Definitivamente, não me parece nem de longe ser um dos melhores filmes dos anos 90. E na comparação com Spielberg, Pasolini tem a vantagem de não considerar a todos completos imbecis, incapazes de qualquer reflexão que não aquela explicitamente oferecida pelo filme.

    Reply
  8. Sidney

    Gostaria apenas de indicar o meu parecer quanto ao filme SALÓ, que assisti ainda adolescente, há aproxidamente 16 anos atrás.
    Caminhando no centro velho de Sampa, após passar em frente ao antigo cine Marrocos, fiquei curioso ao ver o cartaz referindo-se a este filme. Bem, para falar a verdade a minha expectativa esvaiu-se quando ao passar do tempo percebi que tratava-se de um filme enfadonho, chato e sem o mínimo propósitotemático coerente. E justamente após tanto tempo passado, tinha dúvidas se aquela opinião era apenas a de um jovem ainda confuso e indeciso quanto a seus objetivos na vida. Porém agradeço hoje o fato de dividir e ratificar a minha opinão formada até então. O filme é realmente aquilo que os personagens se deliciam em diversos banquetes: Uma verdadeira MERDA!
    Obrigado a todos que compartilham desta mesma opinião.

    Reply
  9. Eveline Maria

    Vc está sendo desafiado por mim a assistir à montagem da peça Os 120 dias de Sodoma, no Espaço dos Satyros II, de quinta à sabado às 21h e domingo às 20h30. Estreou dia 5 de maio. casa cheia, público e crítica têm gostado muito. mas a unanimidade nao interessa. Vá ver.

    Reply
  10. Miguel

    Se ficasse menos preso a moralismo ;talvez veria algo mais que chato e falta de lógica e sentido em um filme extremamente rico…enfim…cade um ve o que pode..ou consegue

    Reply
  11. Tiago Santos

    coisa mais blasé dizer que Karl Marx pertenceu a uma igenuidade pueril que pretensamente se “joga fora” depois que amadurece. “ah! naquela época eu lia Marx e escutava Legião”. kaka, só pra cara. Quem diz isso de duas uma: não leu Marx ou leu e não entendeu.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>