60 Contos Eróticos

Quando eu tinha uns poucos anos caiu nas minhas mãos um livro grande, com capa vermelho-alaranjada, chamado “60 Contos Eróticos”. Eram as estórias classificadas em dois concursos da revista Status — não essa revista amorfa de hoje, mas a revista de mulher nua dos anos 70/80.

Foi um livro que li bastante. Li, reli, reli mais uma vez, mais duas, tantas. Alguns desses contos nunca saíram de minha memória. “Tia Bela”; o seminarista que passeia pela zona; o sobrinho que vai fazer uma visita à amante do tio morto; a moça que pede “dicumforça, dicumforça”; a mãe do amigo que ajeita o narrador entre as suas pernas enquanto o chama de bobo.

O tempo passou e muitas das memórias desapareceram, soterradas por outras tantas, mais novas, e novas maneiras de ver o mundo. O livro se perdeu na vida, acho que já há uns 30 anos. Já há muito tempo não gosto de contos eróticos, estão sempre aquém do erotismo quando sutis, estão sempre brigando com as palavras quando explícitos.

Mas semana retrasada lembrei desse livro e procurei por ele na internet (o Mercado Livre é sempre um bom lugar para achar essas coisas, as pessoas gostam de vender velharias que tentam fazer passar por antiguidades). Achei, lembrei imediatamente da capa vermelho-alaranjada. Fui na Estante Virtual e vi que o livro estava barato. Comprei. Comprei também um exemplar de “Grease — Nos Tempos da Brilhantina”, mas isso é outra história.

Ontem cheguei em casa e o livro estava lá, me esperando.

O que mais me impressionou foi o reconhecimento imediato de tanta coisa. Dos contos dos quais eu lembrava, claro, mas também dos que já não lembrava. Das ilustrações. Os cartuns — reconheci todos, embora nem lembrasse que o livro tinha cartuns; mesmo assim reconheci-os todos, imediatamente, cartuns franceses inteligentes e engraçados, curiosamente sem nada a ver com a temática sexual do livro. Tudo aquilo evocava tanta coisa, evocava eu mesmo aos 10 anos.

E enquanto relia alguns contos, fiquei pensando em como esse livro definiu minha vida.

O meu conto preferido, por exemplo (“Tia Bela”: um rapaz vai morar com os tios e obviamente se apaixona pela bela tia novinha, bonita e mal amada, com quem vive uma história de amor condenada desde o início), era tão feminino.

Há uma diferença marcante entre contos eróticos escritos por homens e por mulheres — desconto aqui os contos escritos por garotos espinhentos porque esses são pouco mais que delírios lascivos causados por overdose de hormônios. Contos femininos, pelo menos esses da coletânea, parecem ser de costume mais românticos, mais suaves, costumam ter sentimentos além do sexo, uma eterna busca de um senso de pertencimento.

Fiquei pensando no quanto “Tia Bela” me influenciou. A moça que deitada de bruços na cama enquanto folheia um álbum de fotografias. A ilustração, por exemplo, mostrava uma moça nua, de costas — moça magra, de torso bonito mas com pouca bunda. Será que esse modo feminino de ver as coisas não vem daí? Não sei. Só sei que ver isso me dá uma resposta afinal às bobas que passaram décadas negando um fato básico da vida, dizendo que não tenho alma feminina. Eu tenho sim, gostar de um conto desses é indício de alma feminina, sim, e a imagem de tia Bela com a fotografia amassada nas mãos não me deixa mentir.

Mas não só “Tia Bela”. Os contos que citei lá em cima. “A Deusa de Ébano”, uma neguinha de 13 anos que come um menino de 8; era um dos meus preferidos na época, talvez pela idade, talvez pelo seio negro oferecido à boca do menino que era ainda mais novo do que eu, menino de sorte, tanta sorte que eu não tinha; mas esqueci totalmente dele. “Weekend com Liv Ullman” é um título que reconheci imediatamente, era daí que eu sabia quem era Liv Ullman (e, en passant, também a palavra “weekend“); eu não sabia quem era Ingmar Bergman, demoraria anos até saber e mais anos ainda até ver algum filme dele; mas Liv Ullman eu sabia, sabia desde que era menininho e alguém queria fazer safadeza com ela.

Agora estou imaginando o quanto não devo a esse livro que não reli inteiro, mas que vou ter que reler, para saber se isso aqui não veio de um conto, se aquilo não veio de outro, se o meu desinteresse por isso não veio da delicadeza de “Tia Bela”, se aquilo não veio daquele conto, se o seio em minha boca não evoca aquele outro.

A criança é o pai do homem, dizem, e talvez isso afinal seja verdade.

Educação sexual para meninas

1950
Só depois do casamento, viu?

1960
Experimente.

1970
Experimente, experimente, experimente.

1980
Use camisinha.

1990
Continue usando camisinha.

2000
Continue usando camisinha, mas pode se soltar um pouquinho mais.

2010
Não se deixe ser filmada.

Bunda

Sabe aquelas bundas que passam na sua frente e deixam você pensando “que bunda, meu Deus?”

Era daquelas. Passou na minha frente há poucos instantes, e depois de dizer “que bunda, meu Deus”, parei para pensar na razão pela qual um belo depósito de gordura, aparentemente concebido com o fim prosaico e pragmático de acumular energia para dias difíceis, cresceu tanto no coração das gentes, cresceu tanto no meu coração, e hoje chama tanto a atenção, a minha atenção ao menos, e faz com que sua boca se encha d’água involuntariamente, e lhe faz tecer comentários que não podem e não devem ser publicados.

É claro que sacanagem e raciocínio não combinam — talvez sejam até mutuamente excludentes. Cá entre nós, parar para pensar nas razões pelas quais a visão de uma bunda deflagra reações fisiológicas em determinadas pessoas é perda de tempo, é consolo de pobre coitado que não tem a bunda ao seu dispor. E eu sequer sou esse fã absoluto de bunda; lembro de tantas namoradas sem bunda, tadinhas delas. Bunda não define caráter.

Mas bunda é algo belo, é algo que transcende. Talvez não aquelas bundas criadas à base de anabolizante de cavalo, ou arredondadas artificialmente em anos de academia — tá, eu estou exagerando, na falta de coisa melhor vão essas mesmo, que é melhor bunda esforçada que bunda nenhuma; mas a bunda bonitinha é aquela bunda natural, mesmo quando xoxinha, mesmo quando tímida. Não, ela pode ser o que quiser, só não pode ser bicho do mato e se esconder da visão de todos, ela precisa ao menos existir.

E quando ela quer mais que existir, quando quer ficar bela para o seu amado, então ela se veeste de celulite, um pouquinho que seja. E que delícia é ver as moças reclamando de suas celulites, e tentando se livrar delas, quando a celulite é quase pré-requisito para a beleza de uma bunda; bunda sem celulite é bunda de travesti, e essas não me interessam, por belas que sejam.

Bunda, rebolado e celulite; nem mesmo o diabo conseguiu inventar trio melhor, e olha que o canhoto inventa coisa de que até Deus duvida. Mas isso não interessa agora — o diabo invente o que quiser, que a visão da bunda passando em rebolado discreto na minha frente ainda não saiu da minha retina, eu a vejo nitidamente quando fecho os olhos, acompanho o ritmo discreto do seu cai pra lá, cai pra cá. Não quero saber de Deus nem do diabo. Eu agora não quero filosofia nenhuma: quero só continuar sentindo a felicidade estética de ver uma bela bunda passar diante de mim, e que bunda, meu Deus.

Transexuais

Um comentário do Gabriel à minha homenagem ao Dia da Mulher merece ser republicado aqui, porque ao resumir algo que eu penso é algo embaixo de que eu assinaria.

Rafael, pode até parecer uma piada aleatória, mas o travesti e o transexual dizem muito sobre as lutas feministas do último século.

É como bem disse outro dia o Rogério Skylab em uma entrevista ao Danilo Gentili (no minuto 17:50 mais ou menos), o travesti/transexual é um dos grandes retratos da modernidade.

Se a modernidade é a fluidez de valores, inclusive, e principalmente talvez, de identidade, se o movimento negro subvertia a ideia de superioridade de raças, se a luta operária subvertia uma realidade histórica de exploração, se o feminismo a o movimento gay já discutiam a construção cultural do que deve ser homem e do que deve ser mulher, se tudo isso é a cara da modernidade, um passo mais adiante ainda é aquele sujeito que além de querer subverter o papel social que lhe foi imposto ainda contesta a determinação biológica sobre sua identidade.

Pago pau mesmo pros transexuais, estão entre o que há de mais revolucionário e corajoso nesses tempos.

É isso.

Flanelinhas, a salvação da humanidade

No meu tempo era diferente, revistas femininas diziam como decorar a casa e o que vestir no verão; acho que prefiro os novos tempos.

O caso é que, lendo uma matéria numa dessas revistas sobre as necessidades de comunicação durante o sexo oral, fiquei sabendo que os participantes de tal colóquio se beneficiariam amplamente de um pouco mais de diálogo em hora tão prazerosa.

Como leigo no assunto, me espantou o fato de que ninguém até hoje tenha percebido a oportunidade que está bem aí, debaixo — literalmente — de seus narizes. Uma profissão nova poderia surgir para administrar essas necessidades e vontades, cuidando para o desempenho satisfatório de tais atividades.

Flanelinha de boceta.

Ou seja, alguém que desse ao senhor inexperiente as indicações necessárias para o bom cumprimento de sua tarefa. Que facilitasse as coisas e tornasse irrelevantes as vergonhas do senhor e da senhora — o senhor, que nunca para para pedir direções; e a senhora, que tem vergonha de dizer para aquele puto que porra, mordida dói.

Profissão tão útil, essa seria. E, pelo menos para mim, não é difícil imaginar o flanelinha desempenhando seu doce mister:

“Vai! Vai! Isso. Pra esquerda! Vai, vai! Mais um pouquinho! Desfaz, desfaz! Pra frente. Agora um pouquinho pra direita! Um pouquinho pra direita! Agora desfaz! Isso! Vai, vai direto! Isso! Isso! Cavuca fundo!”

Triste mundo, este que ri dos verdadeiros heróis

A notícia está correndo o mundo: o chinês Sun Meng ficou preso do lado de fora de um edifício enquanto fugia do marido de sua amante, completamente nu e assustado. Por causa desse pequeno incidente, agora o pobre rapaz se diz envergonhado, seus vizinhos não falam mais com ele, sua família lhe voltou as costas.

E o mundo, esse mundo ingrato e injusto que não tem dó nem comiseração, está rindo de Sun Meng.

Assim o mundo moderno dá uma mostra triste da inversão de valores que o progresso nos trouxe. Porque isso não é coisa de que se ria. Pelo contrário: deveríamos todos aplaudir o verdadeiro herói que é esse valoroso chinesinho Sun Meng.

Por que ele está envergonhado eu não sei. Há momentos em que a dignidade e a hombridade exigem apenas a fuga imediata, o auto-sacrifício ainda que seja sobre o ar-condicionado de um edifício.

Até mesmo em um mundo como este nosso, tão distante dos grandes valores de Amadis de Gaula, ainda há coisas que um cavalheiro não faz, coisas que estão abaixo de sua dignidade e de sua honra. Entre elas estão tabus muito simples: não se pega uma mulher bêbada, e não se briga com o marido de sua namorada.

Sun Meng deveria se envergonhar se partisse para o tapa com o senhor marido traído, porque uma coisa dessas é tão feia que Dante sequer imaginou um círculo para tamanho pecado no seu inferno.

É mostra de extrema falta de educação enfrentar um marido que acabou de pegar a mulher em flagrante delito de saliência ilícita. Não é de bom tom confrontar um homem estupefato e descontrolado ao ver sua mulher contorcendo-se na cama com você.

Um homem capaz de bater no marido de sua namorada é capaz de qualquer coisa, é capaz de chutar a barriga de uma freira, e não há limites que o impeçam de rastejar na mais pútrida lama da vergonha humana.

(A Socila, claro, nunca ensinou isso a suas alunas — e por isso definhou até a insignificância absoluta.)

A um cavalheiro nessas horas só resta a fuga. É a única coisa digna e decente a fazer. Há algo de sublime e elevado no desprendimento com que Sun Meng se deixou humilhar, em nome da salvaguarda de sua vida e do que restava da dignidade de um marido incauto.

Ninguém tem o direito de rir de Sun Meng porque ninguém tem o direito de rir de um homem que sacrificou a si próprio em nome de um antigo conceito de honra.

Mas é ainda mais triste ver que as pessoas riem também dos dotes — ou melhor, da sua falta — de Sun Meng, expostos cruelmente às intempéries do tempo e da internet.

Sun Meng se justifica diante de seus predicados mirrados com a desculpa clássica, “estava muito frio naquele dia”. É tão desnecessário, isso. Porque ele não precisa se justificar, depois de feito tão heróico, tão honroso e tão nobre. Sun Meng é um herói e a prova de que a decência ainda existe neste mundo. E por isso os tantos que derivam a este blog em busca de remédios milagrosos para as mazelas do pinto pequeno, a grande chaga que destrói a alma e a auto-estima de centenas de leitores eventuais deste blog, deveriam se espelhar na sua grande aventura.

Vergonha devia ter era o marido da namorada de Sun Meng, que levou um antológico par de cornos de uma titica dessas.

Os complexos dos goianos

Comentário de um moço chamado Thiago a um post antigo:

Nossa, pelo que vejo o grau de informação e conteúdo que a maioria aqui tem é muito, mais muito baixa!!!!!!!!! Sou Goiano, com extremo orgulho e há uma série de fatos sobre o estado que VC´S ditos sabidões do sudeste ou do sul não sabem por mera ignorância!!!! E como já dizia: Ignorância é o esconderijo da burrice!!!! Esta matéria feita por um qualquer que gosta de curtir de coisas q não sabe muito é a prova cabal disso. PARABÉNS continue sempre escrevendo estas notícias que com certeza, como disse no início, pelo grau de conteúdo do criador e de alguns leitores vc será um expert em BURRICE!

O post que o dito goiano comentou fala de uma matéria da Veja sobre a grande cidade goiana de Uruaçu, que com 33 mil habitantes em 2005 fez da exportação de putas para a Espanha um negócio rentável e socialmente respeitável.

Na verdade, o post era elogioso. Ao contrário do mocetão goiano, o blogueiro aqui não tem nenhuma restrição moral — apenas estéticas, meu filho — à mais antiga profissão do mundo. Mais que isso, via com um certo deslumbramento o fato de que os Estados brasileiros, um a um, descobriam sua vocação econômica. Paulistas trabalham e reclamam, cariocas traficam e roubam, baianos fazem música ruim, cearenses embarcam em paus-de-arara, pernambucanos chamados Severino vão ser porteiros no Rio, goianas vão para puteiros.

Mas o rapaz Thiago, provavelmente morador de Goiânia — aquela cidade que só tem michê, agroboy e cantor de dupla sertaneja ruim –, desconhece a pujança de Uruaçu, cidade de poucos habitantes mas excelente rima. Uruaçu é uma das primeiras cidades verdadeiramente globalizadas do Brasil. É uma transnacional da putaria. Em vez de ficar revoltado e alegar que Goiás tem mais do que isso (talvez a cidade de Sertanejo-de-Trás-os-Montes, que faz o melhor doce de soja do Brasil, ou algo assim), ele devia ter orgulho das moças que Uruaçu exporta e que tanto contribuem para o crescimento do produto interno bruto da cidade.

Por exemplo, se não fossem as putas espanholas de Uruaçu, duvido que a cidade tivesse uma escola de inglês. Tem gente que é ingrata e não percebe o desenvolvimento chegando. É isso que o Thiago não percebe: a grandeza que há em uma cidade inteira se sustentando no meio das pernas de suas mulheres.

É tão lindo, isso.

Cá na minha ignorância e na minha burrice, fico imaginando os fatos sobre o glorioso Estado de Goiás que não conheço. Não que queira conhecer, que Goiânia não me interessa, mas eu sou um sujeito curioso.

Talvez ele se refira a uma nova dupla caipira. Talvez fale de uma nova caminhonete 4×4 com luz de laser e suspensão cibernética — e uma gigantesca caixa de som no porta-malas que toca Leandro e Leonardo a 759 decibéis. Talvez o Tiago esteja falando de novas técnicas de michetagem dos guapos rapazes goianos, moços lindos que descobrem a cada noite novas formas de agradar seus clientes.

Só não gostei de ser chamado de “sabidão do sudeste”, porque eu sou nordestino e moro no Nordeste, no menor Estado da Federação. Por isso, se alguém nesta bodega tem o direito de ter esse tipo de complexo de inferioridade sou eu. E eu sou extremamente cioso dos meus direitos, e não admito que um goiano — logo um goiano! — venha usurpá-lo de mim.

Sobre beleza e censura

O Sítio do Sergio Leo pergunta se apoiamos as iniciativas de deputadas inglesa e francesa por leis que proíbam o uso de Photoshop em fotos de mulheres. Segundo as moças, que aparentemente devem saber do que estão falando, as imagens retocadas trazem a possibilidade de jovens se sentirem obrigadas a corresponder a esse tipo de beleza, que elas, provavelmente por experiência própria, julgam inatingíveis para moças de fino trato mas pobre estética.

Este blog, obviamente, apóia iniciativas valorosas como essas e que devem orgulhar os cidadãos franceses e ingleses.

Na verdade, acho até que é muito pouco.

Claro que a beleza extorsiva dessas modelos de revista representa uma enorme e intolerável falta de respeito aos teiús que se miram no espelho e não vêem nada além da fealdade, e então têm que se consolar com frases como “a verdadeira beleza é a beleza interior”, aquela frase que só é dita por decoradores e por jaburus, gente feia, consciente de que é feia e conformada por ser feia.

Por isso eu vou além, porque proibir é comigo mesmo: é urgente e imprescindível a aprovação de uma lei que proíba as pessoas de nascerem bonitas, porque isso causa uma tristeza sem par às legiões de mocréias, urutaus e tracajás que se espalham por esse mundão sem porteira, e terão que conviver com esses exemplos opressivos no seu dia a dia.

São exemplos ainda mais graves porque um trabuco pode simplesmente não comprar uma revista “photoshopada”, mas não poderá evitar ver na rua exemplos vivos de beleza que lhe farão sentir ainda mais feia, coisa que interiormente ela não é.

Que as dignas deputadas européias libertem e protejam a feiúra, esse valor universal.

Podem também criar uma lei que obrigue homens bonitos a casarem com trapizombas, porque essas moças, coitadas, vítimas de um darwinismo estético incompatível com o nosso estágio de desenvolvimento sócio-cultural, também têm o direito de acordar pela manhã ao lado de um homem bonito.

E se não for pedir demais, que alguma deputada também proíba que moças bonitas nasçam com bundas e peitos grandes, porque aí já é demais, e se vamos incentivar a feiúra que seja de maneira completa e absoluta, e tudo é válido em nome do direito das barangas de serem felizes.