O sonho acabou

E daí que eu parei e me veio uma imagem na cabeça: Paul McCartney, Bob Dylan, Keith Richards e Mick Jagger. Os últimos. Um olhando para o outro, todos pensando: “E aí? Quem vai ser o próximo?”

4 thoughts on “O sonho acabou

  1. Caro Rafael,
    Antes de mais nada gostaria de lhe dizer que é a primeira vez que vejo o seu site. Para mim imperdoável! Gostaria de te dizer que a lucidez, a clareza, a forma com que escreve e antes disso, pensa, julga e conclui, fizeram com que agora eu parasse para pensar que são pessoas como você que ainda fazem a diferença nesse país. Poucas, é uma pena! Na verdade cheguei ao seu site por causa de um fórum onde vi muita gente tratando de depressão e afins. Minha praia nos dois sentidos. Porque sofro e porque de tanto sofrer, achei que tinha era que estudar e muito para entender um pouco porque tanta gente sofre e aparentemente nenhum médico,psicólogo ou medicamento resolve. A resposta é obvia e sei que não preciso lhe dizer qual é.
    Enfim, o que me chamou mesmo a atenção foi esbarrar num artigo que você trata da agonia global. Não só concordo com quase tudo que você escreve ali como assinaria embaixo e sairia em defesa dessa ideia. Xuxa a parte, e quero acreditar que foi apenas um exemplo, gostaria de ter visto nesse artigo ou talvez num próximo, um complemento aos últimos suspiros globais.
    Na minha opinião, programas de auditório como Faustão e companhia são uma agressão à inteligência de qualquer um. Programas de variedades só não tem variedades. Aliás têm sim, a enorme variedade de provas da mais absoluta ignorância de quem fala, quem apresenta, quem dirige ou quem copia (mal) modelos estrangeiros.
    Não posso acreditar que alguém com mais de dois neurônios possa suportar por mais de alguns segundos a ignorância de uma Ana Maria Braga, a deplorável imagem de um Bial apresentando BBB, por contrato ou por dinheiro, a comédia falida e ridícula de zorra, jôs, Reginas Casés, Didi´s, galvões buenos, Bonner e Bernardes´s, só para citar alguns. Se em algum momento vejo televisão e acontece, embora raramente, minha única e absoluta ocupação é ficar contando o número de vezes que escuto erros grosseiros de português, de história, de geografia, e por aí vai. Acho graça porque a Globo nunca investiu de forma massiva em bons seriados, House por exemplo, acho interessante realmente que o que eles fazem não é suicídio mas que terminais em agonia lhes viria bem uma eutanásia. Mas num país onde temos duas enciclopédias vivas da mais absoluta ignorância, falta de moral, ética, educação, instrução, preparo, pobre do povo que não percebe que seja lá beijo gay ou pobrezinho do negrinho ou coitadinho do indiozinho, isso sim é discriminação e racismo descarado. Portanto amigo, onde há Lula e Dilma e toda a sua quadrilha, uma Globo é fundamental para manter o gado calminho, usando suas palavras: esperando para ver o próximo beijo gay.
    Um abraço,
    Amandio

Leave a Reply

Your email address will not be published.