Ainda os Fab Four

A Julia continua brigando comigo.

Não é questão de gostar ou não. Gosto é como… Como… Gosto é como nariz, cada um tem o seu.

Mas fatos são fatos.

Os Beatles foram o primeiro fenômeno cultural de massas mundial. Xeroxes mal tiradas como Bundudos e assemelhados são apenas tentativas pré-fabricadas de repetir, em laboratório, o fenômeno. Curiosamente, do ponto de vista da legitimidade cultural, “Egüinha Pocotó” é mais “real”‘ do que “Não se reprima”. Não é algo esquematizado por empresários de acordo com uma necessidade de mercado, e sim uma manifestação da cultura popular. Se é bom ou não é outra questão.

“Febre de Juventude”, que por sinal é um filmezinho bem razoável para a Sessão da Tarde, é interessante. E o fato de ilustrar um aspecto da beatlemania não diz absolutamente nada a respeito da questão musical. Não se discute aqui a questão da beatlemania, e sim da qualidade e permanência musical da banda.

Dizer que os Beatles eram “bons” é um eufemismo. Nenhuma outra banda teve o alcance e a influência que eles tiveram. Nao apenas por suas qualidades, mas pelo fato de serem as pessoas ertas no tempo certo.

Quanto ao Zé e ao João, lá do New Kinkos, terem partido para uma carreira exclusivamente cinematográfica, bem… Só mostra que música não era bem o negócio deles, não é? Criação musical, então, nem pensar…

2 thoughts on “Ainda os Fab Four

  1. ehehehehehehe mas ninguém disse que a qualidade musical dos menudos & cia era boa. Era uma bosta, e mesmo naquela época eu já achava isso. Eu gostava mesmo era de ver eles rebolando. E é… jackson five, menudo & cia, foram tentativas de serem beatles. Ps. Gosto mais dos Jackson Five do que dos Beatles. heheheheh

Leave a Reply

Your email address will not be published.