Edith Head

Entendo tanto de moda quando de biogenética.

Mas mesmo assim tenho cá minhas teorias. E a mais engraçada delas é a de que o estilista mais influente do século XX não foi Chanel, Saint-Laurent ou Dior.

Foi uma mulher chamada Edith Head.

É improvável que muita gente a conheça. Durante muitos, muitos anos, ela foi a responsável pelos figurinos dos filmes da Paramount. Uma olhada na filmografia dela no IMDb resulta em mais de 400 filmes. Acho que nenhuma outra costume designer fez tantos filmes como ela.

Ao escolher as roupas que as estrelas usavam, ela fazia com que as mulheres automaticamente as imitassem. A influência de Hollywood nesse campo nunca pode ser subestimado; basta lembrar que, quando Clark Gable apareceu sem camiseta por baixo da camisa em It Happened One Night, as vendas caíram vertiginosamente, e o costume começou a acabar.

Edith Head pode não ter sido uma estilista no sentido estrito da palavra, e certamente não inventou nada. Mas ao dizer como as estrelas de Hollywood se vestiam, ela automaticamente dizia como os Estados Unidos e o mundo deveriam se vestir. E isso é ser influente.

Tenho a impressão de que, sem que Edith Head adotasse o seu estilo, Chanel não conseguiria a influência que tem.

Mas, como disse, eu não entendo nada de moda.

3 thoughts on “Edith Head

  1. Esse texto me fez pensar uma coisa: já aviso que entendo menos ainda de moda do que você. Bom, mas o que pensei foi que uma coisa interessantíssima é a forma como as pessoas usam o corpo (e a necessidade de cobri-lo) para se expressar. E acho que essa coisa de badalação de mundo da moda às vezes dá preguiça na gente de pensar nisso. Pelo menos em mim dá. Mas não é interessante pensar que até pra cobrir as partes “obscenas”(hehehe) a gente tem que inventar coisas? Um dia desses vi uns índios… Fugindo das roupas e indo pro corpo, só pra contar essa, as mulheres rasgavam o lábio inferior; faziam um furo enorme e usavam ali uma espécie de pires de cerâmica. Fiquei boba com aquilo!

  2. Concordo plenamente, as figurinistas de um modo geral brincam com o imaginário de milhares de pessoas..
    É um trabalho sério, denso e mergulahado na pesquisa, ou deveria ser. A moda dá mesmo preguiça da gente pensar mais profundamente sobre isso, é frívola demais, rasa demais e necessariamente efêmera.
    Apesar disso, tem muita gente produzindo conhecimento e pensando a moda como processo, que cá entre nós é pura significação..rsrsrs

Leave a Reply

Your email address will not be published.