Deus é marciano

A edição de setembro da Atlantic Monthly traz um bom ensaio de Paul Davies, professor australiano, sobre uma questão interessante: até que ponto a descoberta de vida extra-terrestre afeta a nossa noção de Deus?

A questão levantada por Davies é simples: a existência de vida inteligente fora da Terra põe em cheque a noção cristã de que somos a raça escolhida. Afinal, rezam que Deus mandou seu filho único comer o pão que o diabo amassou só para nos salvar. Como diz o sujeito, Cristo não morreu pelos golfinhos ou pelos homenzinhos verdes, mas pelo Homem.

Portanto, vida inteligente fora deste planetinha poria em cheque toda a noção judaico-cristã de que somos o ápice da criação divina. O encontro com uma civilização espiritualmente superior seria um duro baque para a idéia de que somos os “escolhidos”. O ensaio, claro, lida com temas mais profundos e com mais hipóteses, e por isso vale a pena.

As questões levantadas são curiosas, e discutem o papel de Deus e a validade da crença humana. E ele chega à conclusão de que, embora o cristianismo tenha que se virar para explicar a base de seu sistema teológico, a humanidade teria provavelmente chegaria à conclusão de que o trabalho de Deus se revela na criação de condições propícias à vida em todo o universo.

(Curiosamente, ele chama isso de uma nova tendência; pois eu, que entendo tanto de teologia quanto de física quântica, cheguei a essa mesma conclusão há muito tempo, sem precisar discutir tanto o assunto; é a única plausível depois de Darwin.)

Para os brasileiros, claro, a coisa é ainda pior. Admitir que Deus não é brasileiro é um golpe quase insuportável. Pior só se encontrássemos uma seleção de futebol melhor que a nossa.

2 thoughts on “Deus é marciano

  1. Rafa, seus textos são muito, muito, muito bons. Quanto a Deus, não acredito nem duvido; muito antes pelo contrário. Mas, se é para existir, você tem razão: o sujeito não ia investir a grana toda num mega empreendimento enorme de grande (o universo) pra depois ficar cuidando só do quartinho de empregada (a Terra). Eu acho que o pensamento judaico-cristão é muito é metido a besta! Beijos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.