As mulé vão à luta

Este artigo de Caitlin Flanagan na Atlantic Monthly é bem interessante. Conservador? Talvez, como tudo naquela revista — que, por sinal, é uma das melhores publicadas na Bushlândia.

Flanagan defende alguns pontos de vista curiosos. O primeiro deles é simples: a função da “dona-de-casa” praticamente acabou nos EUA; sendo substituído, no máximo, pelo que ela chama de “mães em casa”. Além disso, nota que a “emancipação” da mulher americana foi conseguida às custas da exploração das classes mais baixas, imigrantes que passaram a fazer os serviços domésticos. E ela tem razão.

Outro ponto digno de nota é a observação de como o trabalho da dona-de-casa passou a ser denegrido a partir dos anos 50. De repente, passou a ser mais interessante trabalhar por mixaria do que cuidar da casa. Ela não toca nesse ângulo, mas Marx daria uma explicação simples. A expansão da economia americana no pós-guerra fez com que se precisasse mais de gente suficientemente educada para ocupar novos postos de trabalho. Curiosamente, a emancipação das mulheres pode ter custado também os empregos dos homens das classes mais baixas.

O artigo é extenso, mas vale a pena. E fica a discussão: afinal de contas, o que é essa emancipação feminina? E até onde vale a pena?

11 thoughts on “As mulé vão à luta

  1. Vou comentar sem ter lido o artigo. Afinal, sou palpiteira compulsiva, e inglês exige muito do meu no momento preguiçoso cérebro. Sabe o que eu acho que é a tal emancipação feminina? É o direito que as burras acham que conquistaram de se gabar de darem conta da jornada dupla de trabalho. De darem conta de cuidar da empresa e ao mesmo tempo do marido e dos filhos. Emancipação feminina é o direito que as mulheres conquistaram de se acharem o máximo por ainda serem umas antas.

  2. Acho que minha definição de emancipação feminina foi pobre. Tem mais: acho que é o direito que as mulheres de classe média conquistaram de explorar as mulheres de classe mais baixa. E é o direito que as mulheres de classe mais baixa conquistaram de ganhar seu próprio dinheiro fazendo exatamente o que a mulher que busca emancipação sempre negou: serviço doméstico. Ou alguém por aqui conhece alguma figura que tenha contratado um empregado doméstico? Se fosse o caso, ainda seria falta de emancipação. Afinal, é exploração econômica, social.

  3. Ih… prometo que é a última: emancipação feminina é a graninha boa que as garotas-propaganda ganham para fazer comerciais de sabões em pó que prometem ter em sua fórmula maridos invisíveis tiradores de mancha. (Já que marido nenhum em sã consciência vai lavar roupas para ela, que venham os maridinhos químicos do maravilhoso sabão para que elas vejam sua novela das seis de todo dia após terem depositado as roupas sujas na emancipadora Brastemp – esta última presente de aniversário dado pelo sensível esposo. Afinal, quem quer ganhar livro, CD ou outras bobeirinhas? Presente útil é máquina de lavar roupas.)

  4. Analiso a partir do que vivo: Minha esposa, pedagoga…abriu mão de seu emprego,conquistado via concurso público, no qual foi primeira colocada…para ser “mãe 24 hs”(Aliás,existe um blog com este título que é muito engraçado!) Com a chegada do nosso primeiro filho,nada ou quase nada mudou…trabalhávamos os dois… Com a vinda do segundo…ela começou a trabalhar apenas meio período…e tínhamos uma “empregada”(Não acho que a explorávamos…rs) Agora…em 2003…chegou o terceiro moleque…e com ele…a opção de dedicação exclusiva aos filhos e marido! Adeus empregada (Cortes no orçamento!)… Filho “1” estuda de manhã…Filho “2” estuda de tarde! Maridão “leva e trás”…e lava a louça todo dia!!(Ela tem alergia nas mãos!!) E assim vivemos felizes…

  5. burras????? burros são os homens que se acham superiores ás mulheres, isso é que é BURRICE ………ESTUPIDOS ´~AO FALEM DO QUE NÃO SABEM

  6. As mulheres fizeram muito bem em emancipar-se pois os homens na sua maioria são uns incompetentes pervertidos que só pensam em sexo e dinheiro. As mulheres é que são o sexo forte e muito mais capacitadas que os homens.

  7. “burras????? burros são os homens que se acham superiores ás mulheres, isso é que é BURRICE ………ESTUPIDOS ´~AO FALEM DO QUE NÃO SABEM”.”

    Nossa… não precisa se ofender assim!!! vc não leu direito a pauta e respeite o ponto de vista de todos. Isso é uma democracia, vc não é uma terrorista da “Al Qaeda” e nem um anti semita, anti nordestino, e coisas assim. Assim como há muitos homens, também existem muitas mulheres burras. Vc deve ter algum trauma… vá procurar gente que a auxilie….
    A decisão da mãe dispensar o trabalho e ser realmente mãe, junto aos seus filhos, é uma decisão do casal. Somente isso, levando em conta o que vai ser melhor para a Família. Isso é caso a caso.

    Entrei nesse tópico devido a uma reportagem do suplemento feminino de 6/mar/2005, onde há uma matéria do Geraldo Galvão Ferraz, “ONDA ANTIFEMINISTA”.

    Sou homem, leio o que interessa para me aprimorar para ser mais útil à sociedade. a MATÉRIA É MUITO BOA. Quando a Caitlin lançar o seu livro vou comprar… sugiro que vc faça o mesmo.

  8. Rafael, sou jornalista e estou fazendo uma matéria de nascimento de filhos. É para um jornal de TV. Gostaria de saber se você pode me ajudar.
    Aguardo retorno,
    Marcela

  9. Prezados o problema não é a emancipação feminina, é o respeito ao próximo. Porque a mulher tem que dividir sua jornada em dois horários e o homem não? Gente estamos na era dos direitos iguais, apesar de não existir na prática, devemos fazer nossa parte. A mulher tem o direito de escolher se quer trabalhar fora e fazer a faxina dentro de casa, ela poderia muito bem viver sua vida de solteira, sem filhos e sustentando a si própria sem a interferência de um marido. Ocorre que às pessoas pensam que sempre existe ” um alguém” para cada um e não é bem assim, a vida real é muito difícil de ser vivida, e preferimos o sonho à realidade.

    Respeitar a opinião e o direito do próximo é necessário para que esse mundo melhore.

  10. A emancipação feminina vale a pena até o ponto onde a mulher vá se sentir realizada. Seja como presidente de uma grande empresa ou como mãe, não importa.

    Agora, forçar uma emancipação só porque a sociedade moderna EXIGE isso da mulher é a prova cabal de que as coisas não mudaram MESMO e de que a mulher enfim, ainda precisa da aprovação da sociedade para ser aceita.

    Emancipação:do Lat. emancipatione
    s. f.,
    ato ou efeito de emancipar;

    alforria;

    libertação;

    independência.

  11. bem todo mundo falou, falou e …
    bem 1º monica vc tem coragem
    2º anonymous vc e um tremendo “canoa”
    3º ana vc esta completamente errada, nos somos mesmo superiores.
    4º claudia vc não esta totalmente errada, nos homens so pensamos em sexo mesmo e dinheiro, não nessariamente nessa ordem, as mulheres pensam dinheiro e sexo exatamante nessa ordem.
    5º marcos nada a declarar
    6º robertão… será?
    7º gabi parabens, vc e a unica coerente nesse circo.

Leave a Reply

Your email address will not be published.