Em Algum Lugar do Passado

Há um pequeno pecado que não costumo confessar: eu gosto de “Em Algum Lugar do Passado“, o filme com Christopher Reeve e Jane Seymour.

É, o filme é bobo. É implausível. Mas eu gosto dele, e acho que sei por quê.

Vi o filme no dia 12 de novembro de 1981. Estava esperando por ele havia meses, desde que lera a crítica na Veja — e quando se tem dez anos, um mês é tempo demais. Como praticamente todo garoto da minha idade, eu queria ser Christopher Reeve quando crescesse. E bem que tentei: pelo menos saí do cine Liceu, um ano antes, voando como o Superman, braços esticados e pulando da calçada para a rua e vice-versa, fingindo que aquilo era voar.

Quando finalmente assisti ao filme, naquela quinta-feira, a história de amor derrotado pelo tempo, mas que não esmorece, me deixou extasiado. Descobri que estava apaixonado pelo nariz de Jane Seymour — algo esquisito, já que ela tem um nariz longe de perfeito e, cá para nós, qualquer mulher tem coisa melhor para se admirar do que um nariz; ainda mais quando o admirador tem 10 anos. Estava deslumbrado com “Rapsódia Sobre Um Tema De Paganini”, de Rachmaninoff, a música-tema do filme, que procurei em vão durante anos. E continuava querendo ser Christopher Reeve.

Eu fui para a primeira sessão no Cine Tamoio, às 2 da tarde. Queria ficar para ver uma segunda, mas não tinha dinheiro para voltar para casa e me apavorava a idéia de andar sozinho à noite pela Av. Sete; preferi garantir a carona dos meus pais, que trabalhavam perto do cinema. Mas nunca consegui esquecer o filme.

O tempo passou e revi o filme umas duas ou três vezes. A cada vez eu o achava pior, mas isso não me impedia de continuar gostando dele. Acho que na primeira vez que o revi, já na década de 90, fiquei impressionado em ver como ele era hermético. Não no sentido cinematográfico, claro. Mas o círculo vicioso que ele cria é curioso. Collier só volta no tempo porque Elise se apaixonou por ele. Elise só se apaixonou por Collier porque ele voltou no tempo. E se alguém conseguir explicar como o relógio que atravessa todo o filme e serve de elo de ligação entre os amantes foi fabricado (Collier o recebe de Elise em 1972, que por sua vez o recebe de Collier em 1912) eu agradeceria.

Já cheguei a acreditar que esse filme, que me parecia ser uma bobagem romântica, é na verdade uma tragédia, daquelas tristes, que nem sempre conseguimos julgar. Collier arruina a vida de Elise, que por sua vez espera 60 anos para arruinar a dele. No fim, revendo-o o mais uma vez, fico com a mesma impressão que tive quando era criança: é só uma história de amor.

É, é bobo, eu sei. Que bom que seja bobo.

51 thoughts on “Em Algum Lugar do Passado

  1. Rafa, naum fique acanhado ao dizer que gosta do filme: “Em algum lugar do passado”, pois compartilho o mesmo sentimento c/ vc! bajum =)

  2. Eu também adoro esse filme. E essa música que vc falou realmente é linda. A “do filme” também é muito linda. O filme é quase perfeito. 🙂

  3. Olá amigo! Certamente o mundo em que vivemos não permite que tenhamos gostos particulares, eu te entendo quando diz que gosta do “Em Algum Lugar do Passado”, mas ao mesmo tempo o acha bobo e hermético, vc acha que quando apresentamos uma imagem de um típico ser europeizado que lê clássicos da literatura universal, que assiste filmes de arte europeu, que ouve jazz, blues, bossa nova, música erudita, enfim, que leva uma vida baseada no cultismo das artes, de um modo geral elitista, isso tudo faz com que as pessoas fiquem chocadas quando você faz uma declaração desse tipo, pois a crítica acha o filme tal e tal, ou as pessoas em sua volta te acham diferente quando és pego ouvindo uma música popular, eu sinto isso porque não me sinto preso a coisas que seguem a regra geral das coisas, te digo que adoro esse filme, e que eu o assisti no início deste ano e ainda, que desesperado procurei pela internet, lojas e sebos, o CD trilha sonora deste filme, graças a Deus eu encontrei e sinceramente eu o acho mágico! Até …

  4. Mesmo para o mais duro dos corações, torna-se impossível não sensibilizar-se com as cenas tocantes e ternas dos personagens Collier e Mackenna. Penso que o mundo precisa de uma enxurrada de filmes que falem de amor, ternura e busca de paz, que efeitos especiais sanguinolentos e arrebatadores, que só embrutecem a aqueles que são brutos e encaminham a quantos aguardam um “empurrão”. Gostaria de recomendar ao mundo que veja e reveja EM ALGUM LUGAR DO PASSADO. Certamente vão ver suas mulheres com outros olhos.

  5. olá Rafael
    tbm assisti esse filme ontem, 01/04/05, e fiquei apaixonada, ele é meio deprê sim, mas me sensibilizou e uma forma q n posso explicar.
    tbm estou procurando a tal rapsódia, rsss
    beijossss

  6. Vc me ajudou muito, pois AMO essa música, vou usá-la em minha formatura em Julho, pode ser bobo para muitos, entretanto para mim é por demais significativa.

  7. Olha, engraçado todo mundo falando desse filme, pois eu já vi ele e tb fiquei impressionado! Acho que sempre fico quando vejo filmes de viagens no tempo. Assim como sou fã do Back to the future, e aquele outro que o Jack estripador entra na máaquina do tempo e vai pro futuro (Acho que com o gerard depardie)

  8. tipow…li o livro e axei lindo!!! agora to a prokura do filme, mas n axo em lugar nenhum…dve c mt lindo tbm…perfeito…
    i amo a musik tbm…
    hmmm…n axo bobo gosta d algo bonitu..sao poucos q n tem vergonha d falar doq realmnt gostam…i axo mt legal da tua part conta!!!

    axo q eh issu intaum…
    bjuxxxxxxxx

  9. Olá Rafael!
    Apesar de você discorrer sobre o filme “Em algum lugar do passado”, não é este o motivo que me traz aqui. Sou estudante de jornalismo da Unibahia e estou fazendo um trabalho sobre o fechamento do cine Tamoio, como você cita sua visita a este cenema gostaria de contar com sua ajuda para desenvolver o trabalho. Você se importa em me relatar suas experiência no cine Tamoio e como você se sente por ele ter virado uma igreja evangélica?
    Caso seja possível envie um e-mail para cassia_carneiro@yahoo.com.br
    Obrigada pela atenção,
    Cássia Carneiro.
    8854-4710

  10. Adoro o filme e estou lendo livro, que é mais bonito ainda, mas não entendo esta volta dele ao passado,como ela sabia que ele estaria lá. O livro também nos deixa dúvidas.Eu gosto de romances(principalmente os mais antigos) e acho que o mundo está precisando urgente disto

  11. Olá
    Acredito que todos nós temos um lado criança, um lado romantico e um lado espiritual.
    Mas, vivemos em um mundo tão materialista que são poucas as pessoas que acreditam em outras vidas, em pertencer ao mesmo mundo espiritual, não acreditam nem mesmo no sentimento mais lindo que possa existir que é o “Amor”.
    Tenho uma pequenina história em relação essa música, mas ‘ela’ só é ligada a mim, não tem relação a nenhuma outra pessoa. E acredito que possa existir essa maravilhosa chance de conhecer alguém nessa vida, que fez parte de uma vida no passado (em outras encarnações).

    Por incrível q possa parecer eu só consegui dormir essa noite ao som de “Somewhere in time”
    E como ontem fiquei ciente de algo muito estranho e interessante que aconteceu com uma amiga,. isso e tantas outras coisas me fizeram pensar no assunto. Por isso que entrei na net e fiz uma pesquisa com o nome do filme e encontrando seu site, resolvi escrever.
    Vc.parece ser uma pessoa muito sentimental, verdadeira.
    Um abraço
    Tânia

  12. Quem dera que todos tivessem sensibilidade, como todos nós, para apreciar este magnífico filme.
    Este filme é simplesmente maravilhoso. Por coincidência ganhei o DVD no final do mês de junho, no meu aniversário, e nós estamos assistindo agora. Então me deu vontade de procurar na internet sobre ele e achei este site. Parabéns a todos pelo bom gosto.
    Abraços
    Regina

  13. Q legal eu também sou apaixonada por esse filme… e quero saber qual o nome daquela musica intrumental. Aguem pode me dizer?
    Obrigada

  14. olá Rafael
    adoro este filme e gostei muito do seu site tenho o filme e estou atras da musica gostaria de saber o nome da musica.muito obrigado e estou super feliz de saber que tem gente neste mundo que adora esse romance espetacular.

  15. Rafael,

    também assisti o filme na década de 80, e me encantei com a performance dos atores, o brilho de época e o romantismo presente através da música. Anos mais tarde, revendo o filme, percebi que a história “era estranha”, mas isso não mudou minha opinião em relação ao romantismo, pois a simplicidade da história é que dá o “toque mágico”.

  16. Tenho verdadeira paixão por esse filme… se todos tivessem a chance de viver um amor verdadeiro… o mundo seria maravilhoso…Só quem amou ou ama assim sabe o que é…
    Sandra Mara

  17. eu axu q esse fato de que quando ela volta em 1972 e entraga o relogio pra ele, é pq um dia eles ja se conheceram, mais como esses se conheceram sem ates msm ele ter voltado no tempo? fica ai uma duvida…mas acho q aquela pode ter sido uma vida passada dele, ou um vai em vem no tempo, é meio confuso mas é legal!!!!!
    Ah………a trilha sonora é bonita mesmo eu tava querendo pra pode tira no piano, mais ow, digita lá no kazaa ou em qualquer programa de baixa musica e digida o nome do filme!!!!1
    Falow ai!!!!

  18. Eu gosto deste filme, não só pela beleza, romantismo, eu sou muito romântico,( acho que é isto que o mundo está precisando),mas tam bém porque ele me lembra o grande amor da minha vida e que um dia perdi. Isto já faz 15 anos e eu ainda não a esqueci, e acho que nunca a esquerei.

    Orandir

  19. Rafael, eu adoro esse filme. Lendo seu post pensei que, talvez seja por causa dele que gosto de todos os que falam sobre “viagem no tempo”, mais ou menos plausíveis.
    Não te serve de consolo, evidente, mas você não está sozinho nessa.
    Aquele Abraço.

  20. Essa é uma história de amor linda, que me encanta profundamente. Talvez pelo fato de remeter a uma vontade íntima de rever ou reencontrar um amor que todo mundo acha que teve, de uma vida que passou, sei lá! A trilha sonora é uma viagem, e o nosso saudoso Christopher Reeve em sua atuação, é impagável… Tudo isso contribui para que esta obra seja uma das que aos que vêem nunca esqueçam. Eu choro todas as vezes que assisto…

  21. Oi, pesquisando sobre o filme, li sua crítica e gostei muito. Assiti o filme quando criança e tbém me marcou bastante. Li o livro e gostei. Gostaria de saber se vc tbém leu e o que achou?
    Abs
    Ana

  22. Pecado é não gostar desse filme. Recentemente o vi na prateleira de uma loja, depois de um olhar conivente para minha esposa, não deu outra, foi pra casa. Afinal já estava pagando muito nas locações, já que na falta de opções boas na locadora …
    A trilha sonora então, sem comentários. Parabéns pelo bom gosto.

  23. bem o filme é lindo e para mim só há uma explicação:eles vivem essa historia de amor no passado e depois ele reencarna.Ela continua vivendo e deve ficar sabendo da existencia dele e leva o relógio q poderia ser dele naquela época.Ele intrigado faz uma regressão e revive com ela só q tendo conciência disso..o filme realmente é maravilhoso,quem concorda com minha explicação?

  24. Estou muito triste pois nao consigo saber onde encontrar esse filme, que marcou a minha vida. Foi um dos melhores filmes de romance que já assisti.Gostaria muito de saber onde posso encontrá-lo, quais locadoras. Por favor ajunde-me, a encontrar essa peça rara.

  25. Rafael, você não é o único a gostar desse filme. Ele é simples, mas inesquecível. Uma obra-prima do Richard Mateson.
    Sobre o relógio, existe um livro bem interessante do físico Richard Gott, “Viagens no Tempo no Universo de Einstein”, ou algo parecido, que fala exatamente sobre o relógio. O relógio é um “jinn” [leia o livro :)].

  26. Ola, também assisti o filme Em Algum Lugar do Passado, assisti diversas vezes e em todas chorei, apesar de ser uma história ficticia, o que me chamou a atenção foi a exposição da sensibilidade masculina quando encontra um verdadeiro amor.

  27. Bobo. Mas lindo.
    Qdo assisti a primeira vez, fiquei viajando na maionese, querendo encontrar um amor assim.
    (aiaiaiai…fico suspirando cada vez que lembro do filme)
    Bobo mas lindo.
    Beijossssss

  28. este filme marcou minha vida…
    adoraria conseguir o filme!
    se vcs sabem onde consigo obter o filme me informem.
    obrigada

  29. Eu não esperei por ele, só tinha 2 aninhos quando ele saiu e NUNCA assisti mais que meia hora dele. Pôxa Rafa, enquanto eu tinha 2 anos vc já lia críticas na Veja…HOHOHOHOHO

  30. ESTE FILME E O MAIS LINDO Q JA ASSISTI EM MINHA VIDA,TODA VEZ Q O VEJO CHORRO ,PARECE Q ESTOU VIVENDO AQUELE MOMENTO,NAO SEI ESPLICAR COM PALAVRAS MAS MEXE MUITO COMIGO EMOCIONALMENTE.

  31. Oi pessoal
    Queria encontrar um filme que assisti na record a alguns anos, não melembro o ano, pois gostei muito mais não me lembro o nome, acho não tenho certeza que era Alien:Missão impossivel.era sobre uns alienigenas que viviam na terra tambem, quem souber manda pro meu meu email rosane28052gmail.com

  32. ahahaha. Troquei o nome do filme, era esse aqui (e não além da eternidade), eu já tinha lido e até comentado.
    Reli. e re-Adorei.
    bjo.

  33. Olá Rafael….Nossa esse filme é um dos mais belos que já assisti…Demonstra como que o amor pode ser capaz de sobreviver a várias coisas…até mesmo através do tempo…Dessa forma quero te falar que ao analisar esse filme com um olhar Histórico(pois estudo História)dessa forma,relacionando a história com o Cinema posso dizer que todo filme é histórico e retrata realmente algo de uma época,verdades de um tempo. Assim SALIBA 1993, p.18 afima em seu livro A produção do conhecimento histórico e suas relações com a narrativa filmíca que:…o filme também é produzido-ele irradia um processo de pluralização de sentidos ou de verdades e, da mesma forma como na História, é uma construção imaginativa que necessita ser pensada e trabalhada interminavelmente. Portanto concluo que nehum filme é bobo pois todos traduzem um contexto…um tempo…Algo de uma época…
    Beijos…

  34. Eu simplesmente amo esse filme, assisti na minha adolecência, mas nunca esqueci dele, marcou mesmo.

  35. Eu adoro este filme, agora lendo o que você escreveu…uma frase me chamou a tenção onde você diz.. “Collier arruina a vida de Elise, que por sua vez espera 60 anos para arruinar a dele. “`
    quando eu tinha 20 anos um homem arruinou a minha vida, 30 anos depois eu o encontrei e sem querer eu distrui a vida perfeita que ele pensava ter , mas como voce diz – foi só uma história de amor.

  36. BH-MG, 05.06.2008.

    Li todos os comentários sobre o filme “Em algum lugar do passado”, e concordo com grande parte das opiniões alí enumeradas.

    Gostaria de saber onde posso adquirir este filme, ou se alguem pode me passar uma cópia via e-mail.

    Grato

    Marcelo Ramos

  37. Filme, música, trilha sonora…atores excelentes….no presente viajamos para o passado..e por um detalhe o romace desfeito.
    Tem mais de 20 anos que vi pela primeira vez esse filme em tela.Com 58 anos de idade e esse filme e música me envolvem até hoje, numa magia eterna.

  38. Este filme é merecedor de um olhar mais cuidadoso; a crítica engana-se com ele: não é mel com açúcar como costumam estigmatizá-lo, mas extremamente complexo. Nada de bobo, portanto. Consegue nos levar ao maior dos paradoxos: o tempo. O relógio “não resolvido” é a maior prova disso. E que trilha, e que atuações! Inesquecível, para todo o sempre.

  39. depois de ler o que tu escreveu …nossa me veio a mente o dia em que vi o filme pela primeira vez …foi com minha irmã na sessao da tarde na rede globo deviamos ter uns 14 anos…e como chorei….foi o filme em que mais chorei em minha vida…..fiquei um tanto traumatizada e nao o vi por uns 10 anos….ate que criei coragem e revi ….e foi totalmente diferente mas nao menos emocionante….eu tenho a rtrilha sonora e qd estou de mal com meu marido adoro ouvir rsrsr

  40. Oi, alguém sabe que pintura serviu de modelo para cena em que eles estão andando em um parque perto de um lago onde tem um pintor, e a Elisie está usando um vestido rosa? se alguém puder me ajudar, eu ficarei agradecida, meu e-mail:ladythasy.oliveira@gmail.com

  41. Eu simplesmente amo esse filme, a música, os atores… Sei que´pode parecer um filme bobo, mas concordo quando disseram aqui, em outros comentários, que precisamos de mais filmes assim, nesse gênero, precisamos de amor, não de guerra, mortes, sangue, destruições, isso nos torna mais e mais duros, basta a nossa realidade. Os livros, filmes, peças teatrais, na minha opinião foram feitos para isso, nos devolver a sensibilidade, o amor…Portanto, meu amigo, assuma que é uma pessoa maravilhosamente sensível e amorosa. Isso é maravilhoso!!!!!

  42. SOBRE O RELÓGIO: “E se alguém conseguir explicar como o relógio que atravessa todo o filme e serve de elo de ligação entre os amantes foi fabricado (Collier o recebe de Elise em 1972, que por sua vez o recebe de Collier em 1912) eu agradeceria”.

    Faz um tempo q eu vi o filme (muito bonito, aliás), portanto, pode ser que eu falhe. No entanto, talvez o filme aborda a reencarnação, algumas coisas indicam isso. Em 1972 a idosa apenas devolveu o que tinha recebido dele no passado. A idade dele bate com uma morte e um nascimento rápido de uma vida para a outra, onde a mulher amada ainda estava viva (já velha). Quando ele morre, ele vê a amada (já morta). Como a regressão trata-se de hipnose, há imaginação tb. Mas não é só imaginação, pois há coisas q ele (novo) sabe, antes de confirmar o fato. Podem reparar. Abraços.

  43. simplesmente AMO esse filme, acabei de vê-lo, e nao me canso, juro que nao. Ele é impagável, compartllho dos seus sentimentos. Eu o entendo. Rafael.

  44. Eu assisti esse filme em algum lugar do passado e achei lindo e um pouco triste pois o mocinho morre no final mais não tinha jeito dele ficar com a amada pois ela só era jovem no passado poriço ele teve que voltar ao passado para ficarem juntos é uma linda historia de amor juro que queria ser amada assim mais hoje em dia o amor verdadeiro esta quase instinto que pena

  45. uma postagem de nove anos atras rs.
    enfim, li todos os posts, a unica coisa que não me convence sobre o fato da vida passada, é a cena em que ele volta ao tempo dele, que me deu a entender que ele sumiu ali, foi desaparecendo, então não poderia ter morrido e reencarnado. não li o livro, então só baseio essa opinião no que entendi do filme

Leave a Reply

Your email address will not be published.