Comentário para Mariza Correa Mendes

E nos comentários a um post de agosto, apareceu este gentil pedido:

eu quero um comentario completo do romance negro de rubem fonseca.
MAIZA CORREA MENDES | Email | 10.03.04 – 8:55 pm | #

Assim mesmo, sequinho, sem sequer um “por favor”. Maiza deve ter confundido este blog com um desses sites que fornecem trabalhos escolares prontos. Pior, achou que eles fazem isso de graça.

Mas isso deve ser ingenuidade de adolescente. Por isso resolvi atender ao pedido — ou ordem — da menina, e colocar aqui o meu comentário sobre “Romance Negro”.

Romance Negro e a crítica da Abolição

Lançado em 1978, “Romance Negro” foi um divisor de águas na carreira de Rubem Fonseca.

Seu último livro de contos, “Feliz Ano Novo”, tinha sido censurado e retirado das livrarias pela ditadura militar. Talvez por isso, em “Romance Negro” Fonseca saiu de sua temática costumeira, eminentemente urbana, e escreveu um romance histórico que se passava durante o período imperial, focado especificamente na luta pela abolição.

Fonseca, escritor marxista e ativo militante comunista — por isso seu último livro tinha sido censurado — abordou o tema a partir de um personagem central: um velho negro chamado Tomás, escravo na fazenda do Barão de Araruna.

O enredo do livro é simples: em 1859, Tomás recebe um embrulho em sua casa. É uma menina branca, abandonada por seu pai. A carta que acompanha o embrulho diz que ela é filha de uma escrava. O Pai Tomás cria a menina, que ao chegar à adolescência é assediada por um dono de engenho pernambucano chamado Leôncio. Enquanto isso Helena, a filha do Barão de Araruna, grande dono de escravos na região do Vale do Paraíba, começa suas atividades abolicionistas clandestinas, financiando um grupo que invade fazendas e auxilia escravos a fugir. Com a abolição tudo muda. A filha do barão, arruinada, acaba vendendo quitutes nas ruas do Rio de Janeiro, depois de seduzida e abandonada por um membro da aristocracia paulista, enquanto a menina criada pelo Pai Tomás, Malvina, enriquece fornecendo mulatas a homens brancos. O final do livro traz grandes revelações, sendo as principais delas a descoberta de que Malvina é filha do Barão, e a de que o aristocrata que seduziu Helena é na verdade seu irmão bastardo.

Há uma série de personagens secundários, porém importantes. Há o carroceiro e dublê de filósofo Rubião, mulato livre que se torna o grande amigo de Malvina, e Cecília, índia cujos presságios antecipam a sina dos protagonistas.

“Romance Negro” trata principalmente do relacionamento entre brancos e negros às vésperas da Abolição. Estabelece um confronto entre a postura adotada pelo Pai Tomás, de convivência pacífica e servil com o senhor branco, embora cheia de subterfúgios, e a atitude libertária da sinhazinha Helena. É uma abordagem que se desvia do comum, que associa a resistência aos negros e a opressão aos brancos.

Fiel à sua concepção de mundo, fortemente influenciada pela concepção antropológica de Darcy Ribeiro, Fonseca mistura essas posições, como uma alegoria de uma sociedade brasileira fluida. Atribuindo a resistência negra aos brancos e retratando negros como pobres resignados aos status quo, Rubem Fonseca pretende provocar um debate na sociedade brasileira acerca de suas origens, posições e perspectivas.

Há um elemento de metalinguagem em tudo isso, com referências claras a “A Escrava Isaura”, cuja adaptação acabava de fazer grande sucesso na TV. Há referências também a um grande sucesso do vaudeville brasileiro da época, o show de mulatas de Sargentelli. Com isso, e apropriando-se da linguagem da Tropicália, Fonseca criou uma das últimas obras-primas da literatura brasileira do século XX.

Ainda não me decidi se mando por e-mail ou deixo aqui até a Maiza vir buscar. Bondade tem limites.

2 thoughts on “Comentário para Mariza Correa Mendes

  1. huahauiahiuahaiuahiuahaiuhaiua
    morri de tanto rir!!! pela data em q foi postado naum adianta mais a minha opiniao de mandar pra ela!!! mas valeu pra me distrair… to fazendo um trabalho sobre o conto “romance negro” e me escangalhei de rir!!!
    parabens pela criatividade!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.