John Buscema

Faz muito tempo que não acompanho de perto o mundo dos quadrinhos. Mas sempre que dou uma olhada nas revistas vejo um novo gênio do desenho sendo proclamado.

Pelo hype, parece que são desenhistas revolucionários e maiores que tudo o que veio antes.

É quando lembro do John Buscema.

Acho que, ao lado de Jack Kirby, é o maior desenhista de super-heróis de todos os tempos. Seu traço é clássico, seu respeito à anatomia é irreparável, ele é absolutamente brilhante. Seu Surfista Prateado é uma obra-prima dos quadrinhos.

Se Jack Kirby revolucionou o movimento, Buscema revolucionou a forma. Uma história desenhada por Buscema em seus grandes anos, no final da década de 60, é sempre garantia de qualidade extrema.

Mas hoje em dia ninguém parece se lembrar dele. E falam de Jim Lee, de fulano, de beltrano — gente que pertence a uma época em que deixaram que mangás e animes pervertessem e degradassem toda a estética dos quadrinhos de super-heróis.

Recomendo a todos esses que babam pelos quadrinhos atuais que dêm uma olhada nas histórias do Surfista Prateado escritas por Stan Lee e desenhadas por John Buscema.

***

Acho que a prova definitiva para um grande desenhista é a marca que ele deixa nos personagens que desenha.

Por exemplo, o Homem-Aranha. Foi desenhado pelo Steve Ditko como um magricelo porque era essa a concepção original do personagem, um adolescente desajeitado e comum.

Quando John Romita assumiu o Aranha fez algumas mudanças importantes. Deixou o rapaz mais forte, mais adequado à estética musculosa da época. Era o único aspecto ruim de um grande desenhista.

O Aranha do Romita durou mais de 25 anos, e atravessou sabe Deus como aquela fase tétrica que se seguiu à morte de Gwen Stacy, desenhada pelo Ross Andru.

Foi Todd McFarlane (fim dos 80 ou início dos 90, não lembro) quem implementou as primeiras mudanças desde a década de 60: aumentou os olhos da máscara do Aranha e mudou a consistência de sua teia. Mais importante, devolveu o perfil esbelto ao Aranha, mudando também sua postura corporal e tornando-a mais parecida com a de uma aranha.

E no entanto, hoje em dia todo mundo detona o McFarlane.

A vida é engraçada.

2 thoughts on “John Buscema

  1. concordo com os casos citados, em especial com a arte do surfista – marcante para sempre. coincidentemente, ontem estava em uma grande banca de jornais e passava os olhos por novas HQs. fiquei espantado, para não dizer chocado. o apelo sexual é gritante! os traços estilizaram-se ao ponto de mazzuchelli poder ser chamado de clássico! talvez chamem isso de MODERNOS QUADRINHOS ADULTOS, mas howard chaykin fazia a mistura de SCI-FI, violência e sexo HÁ muito tempo. o ponto máximo na banca foi uma capa com a fênix, dos x-men, com uns PUSTAS peitões em minúsculos SOUTIENS e uma tanguinha MAMA-MIA! BLASFÊMEA! na minha época tinha só umas COUXAS gostosas das MULHER que o CONAN comia.

  2. Ah…

    Manga é bom. Se for feito no Japão, por bons artistas. Um exemplo é o título “Vagaboond” contando uma maravilhosa história, a de Myamoto Musashi, o maior Samurai do Japão.
    Mas temos o problema das imitações. Existem dezenas de artistas sem estilo que aumentam os olhos dos personagens, e só… Sem estilo, personalidade…

    Nos comics a coisa não é nem um pouco melhor…
    Todos imitam o Jim Lee…

Leave a Reply

Your email address will not be published.