"Ken Park" ou uma melancia no pescoço

Acabei de asssitir a “Ken Park”.

Eu não sabia nada sobre o filme; na verdade, peguei o CD emprestado com um amigo, entre outros 20, para escolher quais copiar.

Apesar da seqüência inicial irritantemente longa, o filme aparenta ter algumas qualidades,no início. Gente normal, comum, feia, sem o glamour de Hollywood. Por alguns breves instantes o filme lembra John Cassavettes; mas é uma impressão tênue demais, que se esvanece em poucos minutos.

Ela é substituída por uma sensação bem clara: “Eu já vi esse filme. Se chama ‘Kids'”. “Kids” é um filme de Larry Clark que criou uma polêmica bem razoável em 1995. Só fui ver o filme em 98, e não entendi a razão da caleuma: aquilo era vazio, só isso.

Eu não fazia idéia de como estava certo. “Ken Park” é o último filme de Larry Clark.

Aqui Clark repete a mesma história, e apenas aprofunda os mesmos defeitos. O filme se quer chocante, mas na verdade é só sensacionalista. Por exemplo, perdemos muito tempo vendo um rapaz se masturbar enquanto se enforca; qual o significado disso? Vemos também outro rapaz transar com a mãe da namorada, uma cena relativamente longa. Clark tenta fazer com que nos percamos na visão do silicone da mulher, mas não tenta explicar a cena em que ela se recusa a ceder aos avanços do marido. Por ser clichê, talvez; mas o que não falta ali são situações clichê, apenas mostradas com crueza gráfica. Não há, a propósito, tema mais clichê que o conflito de gerações. E Nicholas Ray o retratou melhor há meio século.

Se Clark não tenta contextualizar melhor as situações, dar alguma profundidade aos seus personagens, é porque não pode: o significado do filme está apenas em suas imagens chocantes, pretensamente realistas. Não há profundidade em um pênis ereto ou em um pai tentando fazer sexo oral no filho. “Ken Park” é só um filme vazio, porque não discute nada, não diz nada, além da melancia que Clark coloca no pescoço.

E finalmente, para minha revolta maior, a cena em que o garoto cai de boca na sogra é uma palhaçada. Aquele menino não sabe nada. Nada.

Da próxima vez que alguém me oferecer um filme de Larry Clark, vou sugerir um pornô qualquer. É melhor.

2 thoughts on “"Ken Park" ou uma melancia no pescoço

  1. vc tá um puritano de primeira, um recalcado.
    a tua fala: “Aquele menino não sabe nada. Nada.” indica o seu recalque, vc na verdade queria está no lugar do menino-amador para provar como um verdadeiro macho faz. O seu machismo e seu falso moralismo não lhe deixa ver além das genitálias.
    Rafael Galvão é ?o um comentarista vazio.
    Vou preferir, da próxima vez, ler algum diálogo entre o Padre Marcelo e o Gugu.
    Milton

  2. Não ví este, mas ví Kids. Não sei se é vazio ou se a intenção foi justamente colocar o espectador como se por um mero acaso estivesse acompanhando momentos da vida de algumas pessoas que não conhece. Apenas cenas cortadas da vida de alguém, entende? Sem muita explicação mesmo, apenas como se você fosse um voyeur que olha pela janela e vê algo acontecendo e não sabe o porquê, não sabe quem são as pessoas, de onde vieram, etc. Justamente por isso vc fica fazendo conjecturas e dando sua versão imaginária para as motivações, ou não, você também pode se abster totalmente de um julgamento. Para mim Kids parece mais um filme em que “tentou-se” passar essa impressão e deixar os julgamentos para o espectador. Bom, sei lá, faz dez anos que ví esse filme, lembro que gostei. Talvez veja o Ken Park para ter uma idéia se é por aí mesmo.

    Abraço

Leave a Reply

Your email address will not be published.