Os limites do humor

Dois DJs do Oregon, na Busholândia, foram demitidos por fazer piadas enquanto levavam ao ar uma gravação da decapitação do cidadão americano Nick Berg (é incrível como fazem questão ressaltar sua cidadania, como se a decapitação de um americano tornasse o crime mais condenável do que se a cabeça a rolar fosse a de um espanhol) no Iraque.

O motivo é óbvio. Há coisas que não podem ser objeto de deboche, certo?

Errado.

O humor sempre encontra limites em alguém. Sempre aparece alguém para dizer que “isso não tem graça”, que é de “mau gosto”, que “isso passou dos limites”.

Eu não vi o vídeo. Tenho coisas mais bonitas para ver, como o bundão da Jennifer Lopez. Ou a mão esquerda de Karajan. E eu não vejo muita graça em rituais como esse. Mas acho que tudo, sim, tem seu lado ridículo. Deixei de prestar atenção à Casseta Popular — e por isso até hoje raramente assisto ao seu programa — quando, logo depois de fazerem uma piada de mau gosto com o pé do Roberto Carlos (que não gosta e não toca no assunto), sequer mencionaram a morte de Daniela Pérez. E se já esqueceram do episódio, posso afirmar que ali havia bastante matéria-prima para boas piadas. De mau gosto, sim, mas debochar da deficiência física de alguém também é. Felizmente eles sabiam que passarinho que briga com pé de pau não tem onde dormir, e o assassinato era um tema delicado para a Globo. De repente o humor anárquico se tornou seletivo, e isso os descredenciou definitivamente, para mim.

A foto do preso em Abu Ghraib que postei aqui dia 19 é um exemplo. A foto mostra algo hediondo e indesculpável. Mostra o estado de humilhação a que os prisioneiros foram reduzidos. Mas mesmo essa foto tem seu lado engraçado, se você prestar atenção: o preso dá um jeito de esconder sua “masculinidade”, como diziam antes de inventar o caralho, entre as pernas. Com tantos cachorros por perto, é uma medida não só necessária, mas recomendável. Cachorros gostam de lingüiça.

Tudo, absolutamente tudo pode ser objeto de humor. O que não tem graça para você pode ter para mim, e vice-versa. É bom lembrar disso na hora de ter pudores e falar de bom gosto.

2 thoughts on “Os limites do humor

  1. eu concordo mas também acho que seja fácil achar graça quando se está do outro lado, quando não se está na pele das pessoas.Em todo caso é verdade que nós somos incríveis pq sempre encontramos graça em alguma coisa.Tbm como poderíamos viver realmente se não pudéssemos de vez em quando parar pra aliviar um pouco e relaxar com uma brincadeirinha…

  2. Assisti ao vídeo,e o considerei forte.
    Mas isso não significa que todos tenham que achar.

Leave a Reply

Your email address will not be published.