Numa segunda-feira qualquer

No ponto de ônibus.

Uma mulher se aproxima de mim e diz que aquela senhora no banco está me chamando.

Ela tem seus cinqüenta anos, muito gorda, esparramada na cadeira parece um sapo.

Vou até lá. Ela me pergunta se tenho um trocado. Digo que não.

Até para pedir ela tem preguiça.

***

Numa daquelas casas em frente ao ponto do ônibus funcionava um boteco, desses que varam a madrugada. Antigamente era freqüentado por putas, mendigos e marginais. Íamos lá há uns 15 anos, em fim de noite, e em troca de uma coca-cola, ou nem isso, as putas contavam suas histórias de vida, sempre únicas e sempre iguais.

Mas as putas abandonaram o centro da cidade e foram para a orla, em busca de turistas solitários. A Rua da Frente foi tomada por travestis. E o bar fechou.

***

A moça passa correndo para pegar ônibus. Os peitos grandes e mal contidos pelo sutiã balouçam ritmicamente, e contrastam com seu rosto de susto arquejante. Se sua pressa fosse maior e a expressão fosse de agonia, e não de susto, pegar ônibus seria um orgasmo para ela.

***

Os ônibus passam, um depois do outro, e as pessoas sentadas ou agarradas às barras no teto olham para fora com o olhar triste e ausente de macacos enjaulados e sozinhos. Mas macacos em jaulas coletivas não têm esse olhar. Porque não estão sozinhos, e sabem disso. Os passageiros estão.

***

“Sobrados e Mocambos” custa quase 100 reais. Vou ter que arranjar alguém para me dar de presente. Não é pelo preço. É pelo desaforo de um livro custar quase 100 reais.

***

Antes do filme começar, os trailers.

Primeiro Constantine. Todos os meus medos foram concretizados. Keanu Reeves destruiu John Constantine. E o filme parece uma mistura de “O Exorcista” com End of Days.

Depois, Alexander. Montado desavergonhadamente nas costas de “Tróia”, pelo visto. Colin Farrell não tem cara de Alexandre. O trailer diz que a maior lenda de todas foi guerreiro, foi isso, foi aquilo e foi amante. A locução em off esbarra em imagens de Alexandre fazendo saliência com uma loura. Mas Alexandre não gostava de louras, aliás difíceis de encontrar na Ásia Menor. Alexandre gostava de moreninhos.

The Mandchurian Candidate pelo visto tenta atualizar a guerra fria para a guerra corporativa. Diminui a importância do filme. Melhor catar “Sob o Domínio do Mal” em algum lugar.

E “Paixão à Flor da Pele” (Wicker Park) é um excelente filme. Muito, muito bom. Uma grande surpresa.

6 thoughts on “Numa segunda-feira qualquer

  1. É por causa desses flagrantes do cotidiano que o Inagaki fez aquele comentário, e eu tenho a impressão de estar lendo um contista/cronista que um dia vai ter que obrigatoriamente ir para o papel. Não tem desculpa, Rafael. Você é o melhor mesmo.

    Sobre Alexandre, nunca acreditei que o ex-cineasta Oliver Stone pudesse fazer algo bom, mesmo tendo o Colin Farrel, que é uma figuraça, no papel principal.

    Prefiro esperar pelo projeto do Baz Luhrman, que não foi cancelado, terá Leonardo DiCaprio no papel (que, segundo Scorcese, tem o rosto idêntico a um busto de Alexandre que ele viu), e não terá medo de mostrar a sexualidade do imperador.

    Afinal, como bem avisou minha amiga Belial, Alexandre não era bissexual, ele era homossexual, e relevar esse fato no filme é mentir descaradamente.

    Aviso: o link acima contém fotos homoeróticas explícitas.

  2. Fazendo uma correção, com base nas informações do site Cinema em Cena. O filme teria tido sua data de lançamento adiada para editar cenas mais fortes de homossexualismo, inseridas pelo diretor:

    “Segundo o site MSNBC, o diretor Oliver Stone queria se aproximar ao máximo da verdade, e não poderia fazer isso se não retratasse a bissexualidade de seu protagonista. Por isso, há cenas apaixonadas de Colin Farrell com mulheres, mas também com homens.

    Devido a estes trechos, que mostram claramente a relação de dois homens, os executivos da Warner ficaram preocupados e decidiram recomendar a edição do material mais picante. O ator Francisco Bosch, que interpreta o eunuco Bagoas, indicado como um dos amantes de Alexandre, deve ter sua participação no filme reduzida, se o corte realmente for feito.”.

    Em outra nota, a produtora negou que o atraso na data tenha algo a ver com isso, mas sim com aumentar as chances para o Oscar. Mas não negou que fez os cortes – ou seja, eles foram feitos, com certeza.

  3. Andar de ônibus é uma das maneiras mais rápidas de se conhecer uma cidade, uma gente. Naquele momento (que você tão bem descreveu como solitário) é possível entender toda a cultura de um povo. Fico triste cada vez que sei que um bar das putas fechou…
    Ciao.

Leave a Reply

Your email address will not be published.