O fã, esse desconhecido

Fã, decididamente, é uma raça esquisita.

Nos últimos tempos apareceram dois comentários aqui de fãs diferentes. Uma dos Beatles, outro do Nirvana.

São provavelmente duas das bandas mais importantes da história — embora o Nirvana costume ser superestimado demais. Ninguém contesta isso. O engraçado é que, por causa da admiração excessiva, eles andaram dizendo umas coisas esquisitas aqui.

A fã dos Beatles se recusava a ver a realidade — ela discordava do fato de John Lennon ter sido um pai abaixo do execrável para seu primeiro filho, Julian Lennon, ou de McCartney ser um egomaníaco, essas coisas. Em e-mail (porque eu também sou fã dos Beatles) citei algumas frases nada abonadoras de Julian sobre seu pai. Mas mesmo assim ela se recusava a ver as coisas. Ela sabia mais sobre Lennon como pai do que o seu filho. Eu desisti. Era como se, para admitir que eles foram grandes músicos, eles tivessem que ser também santos. É um comportamento comum entre beatlemaníacos.

O outro caso, mais recente, foi de um fã do Nirvana. O comentário referia-se ao show que o Nirvana deu no Brasil e onde Cobain, para lá de Bagdá, cuspiu na câmera e mostrou o pinto:

Bom caro “colega”, realmente eu não concordo com sua opinião. Kurt era muito mais do que colocava no palco, ou do que a mídia fazia transparecer. Ele era um ser humano, e como todo indivíduo, era diferente dos outros, tão diferente que não concordava com o rumo que sua carreira tomou, com sua individualidade sendo vendida em bancas de jornais ou na podridão da MTV. Realmente creio que vc viu o que Kurt quis que pessoas como vc visse.

Sempre que vejo essa história de “pobre rock star vítima do sucesso” tenho vontade de vomitar, porque é a coisa mais adolescente e monomaníaca que conheço. Dizer que um sujeito rico, famoso e etcetera enfiou uma bala na cabeça porque sua carreira estava tomando rumos estranhos é de fazer rir, apenas, mas “individualidade sendo vendida” traz de volta aquele revirar do estômago. As pessoas idealizam umas coisas muito malucas.

Eu devo ter visto aquilo que o Cobain quis, mesmo. E continuo dizendo que tudo o que eu vi foi um sujeito caindo pelas tabelas de tanta heroína, mostrando um pinto pequenininho como se isso fosse o máximo da rebeldia.

27 thoughts on “O fã, esse desconhecido

  1. Sinceramente vi o mesmo que vc no show do Nirvana aqui no Brasil. Aliás, mesmo sendo um adolescente louco por rebeldia naquela época, tudo me pareceu tão vazio que passei anos a fio sem nem ouvir os discos do Nirvana. Vi um cara que estava se destruindo, apenas isso. Querer trazer isto para o lado ideológico do coitadinho que não consegue lutar contra a mídia é no mínimo ingênuo.

  2. Eu sou fã de muita gente. E quando eu gosto, gosto mesmo. Mas a minha admiração pela grande maioria dos meus ídolos é apenas pelo que eles representam artisticamente. Não me interessa com quem dormem ou de que forma eles têm prazer. Ninguém é santo, todos têm suas fraquezas que, mais cedo ou mais tarde, são nos reveladas. Mas, quando a gente gosta, perdoa algumas falhas. Abraços, mestre!

  3. A carreira do Cobain tem sim uma relação com a causa do suicídio, a pressão da fama e etc.

    Mas fosse ele um cara equilibrado e lúcido, com certeza teria saído dessa. E óbvio, essa mitificação é muito comum em qualquer artista, e os fãs vão sempre acreditar na bela imagem de seu mártir sem causa. Bleh.

  4. Você leu o bilhete de suicídio do Kurt? Não acredito que a situação dele estivesse tão ruim que a única saída fosse se matar. Tenho um respeito especial pelos suicidas, mas no caso dele foi tão gratuito…

    Eu acho que a pessoa se mata, ou se deixa fracassar na vida, por três motivos: (a) falta de amor (b) falta de dinheiro (c) falta de inteligência. Pô, o Kurt tinha as duas primeiras coisas aos montes. Mesmo que ele odiasse os fãs-consumidores, tinha a Courtney e a Frances; se quisesse jogar tudo pro alto e ir morar no Nepal, podia. Tanta gente faz isso…

    Eu só posso creditar esse suicídio às drogas. Eu lembro de um artigo da Maitê Proença onde ela disse que as drogas faziam ela ter um comportamento “previsível” e “caricato”. Acertou em cheio: o nosso corpo e a nossa psique se adapta ao efeito da droga.

    Tem muito mais escrotices que o Kurt fez em cima dos palcos, que nem arremedo de rebeldia eram; tudo era apenas caricatura; nada de novo sob o sol.

  5. Fã vem de fanático. Não se pode esperar um comportamento racional de um fanático. Quando se criam vazios na existencia, a idolatria é sempre a ferramenta mais facil e imediata. Até porque a identificação e idealização não nos compromete, é comoda. Alem disso é uma religião para consumo proprio e muito descartável. Não é a toa que o mercado da religião cultura de massa é dos maiores do mundo. Quanto ao suicidio do Cobain, o que muda a historia saber a causa exata? Isso é impossivel. Agora, se o pinto era mesmo bem pequeninho, ao menos motivo talvez ele tivesse.

  6. Concordo com você, Rafa. O povo fica meio cego mesmo. Eu era menudete, mas nunca neguei que as músicas deles eram brega ao extremo e as vozes eram (na maioria) feias. O que eu gostava mesmo era de ver eles naquelas malhinhas coladas rebolando. Nos anos 80 isso era o must. Hehehehe.

  7. Aconteceu com a Cassia Eller também. Ela se entupiu de droga e tentaram culpar o médico…boa saída essa. Seria muito mais fácil dizer: “A Cassia Eller era uma grande cantora, mas se afundou nas drogas. Que pena. Ponto.”

  8. O processo suicida é tão denso, e mais físico que se imagina, que as palavras terminam ficando vazias ao tentar explicá-lo.

    Quando a Kurt, talvez seja hora de perguntar, seu comportamento era reflexo de sua filosofia de vida?

  9. Legiões de fãs, nossa… isso é mesmo impressionante…
    Os fãs são pessoas incríveis, que muitas vezes deixam de ver o verdadeiro ser humano, para ver só o mito, assim, não aceitando os defeitos que seus ídolos têm.
    É até engraçado isso, pois se você comparar a irracionalidade dos fãs, com a irracionalidade dos talibãs, irá ver muitas coisas parecidas… a diferença pra mim, entre essas duas raças, é que uma mata bem menos que a outra… sim, claro, pois fãs retardados por aí, fanáticos, se matam por ídolos, pegando o caso do Kurt mesmo, como exemplo, lembrasse que algumas pessoas se mataram porque ele morreu… isso é rídiculo!
    E o ruim de discutir com fãs, é que eles são os donos da verdade… aí não dá mesmo… como discutir com alguém que considera um outro ser humano, praticamente um Deus e não aceita ver o que ele tinha de pior…!? Pois a maioria das vezes, famosos mostram como são bestas e cheio de atitudes idiotas… estejam drogados ou não…
    Estrelismo mata… e a prova é o Kurt, fazer o que se ele se sente vazio porque fazia sucesso e a mídia estava totalmente em cima…!? Isso fez ele parar com as entrevistas, com as palhaçadas, com as brigas, com os consumos, com as merda feitas!? FEZ!? Não… isso não é sinal de rebeldia, é quando a fama sobe a cabeça e já não consegue mais controlar a própria vida…
    Mas se você for discutir com um fã, ele certamente dirá que quem matou o Kurt foi a Courtney junto com o Dave, vocal do Foo Fighters… bem, fazer o que, né!?
    Sou fã do Metallica, incondicional… mas não posso deixar de dizer que depois do Black Album, eles cairam de produção total… a qualidade de som melhorou, mas as músicas já não estavam tão pesadas… e não posso negar que o James era uma bêbado do caramba, como o Lars era ou é um brigão sem causa que gosta de causar polêmica… fazer o que!?
    Todos são seres humanos, por isso, antes de defendermos nossos ídolos incondicionalmente, temos que saber de seus defeitos e não defendê-los apenas por suas qualidades… e além do mais, Nirvana só fez muito sucesso mesmo, pois a qualidade de seu som, suas letras vagabundas (claro, sem generalizar, gosto muito de Nirvana, mas…) tenho que reconhecer que está longe de ser uma das melhores bandas do mundo… modificou o panorama do Rock ‘n’ Roll, mas não deixa de ser uma banda, musicalmente falando, fraca.

  10. Esse fanatismo é revoltante…. não entendo como as pessoas podem ser assim. Por falar nisso, vc viu o novo clipe do U2? O Bono é incrível né? Adoro as letras dele… Nossa! E aquele castelo? Putz.. eu trabalharia lá de faxineira só pra ficar perto dele…. Adoro tudo nele… ai ai…
    rs Beijos!

  11. bom, se o kurt ou o lennon “fossem caras equilibrados e lúcidos” (sic) teriam sido bancários ou vendedores de panelas.

  12. “Ele era um ser humano” foi a melhor frase.

    Ser fã do Nirvana é uma coisa. Fã do Cobain é outra. Mesmo assim, gostar dá para gostar de muitas coisas… agora ser fã mesmo… Eu, só sou de pessoas muito próximas, ou coisas muito minhas e muito bobas.

    Adorar além disso, dessa forma fanática, acho mesmo esquisito.

    Abraço!

  13. É. Ídolo não tem defeito (não tem?). E parece que possui TODAS as virtudes.

    Com freqüência vemos entrevistas com artistas abordando assuntos como política, economina, religião, outras manifestações de arte, como se a opinião deles fosse relevante nestes temas.

    Em quê a opinião de um grande cantor é melhor do que a minha ou a sua em assuntos que não sejam cantar, fazer show, etc? Provavelmente em nada.

    Contudo, a opinião de um ídolo sobre qualquer assunto, mesmo fora da sua especialidade, acaba influenciando a grande massa de desavisados.

    Triste!

  14. Biajoni, será que a criatividade e a arte só existem na porralouquice? hmmm. duvido. O E=mc2 saiu da mente de um burocratazinho de um escritório de patentes. (Perdão, Einstein!)

  15. “Com freqüência vemos entrevistas com artistas abordando assuntos como política, economina, religião, outras manifestações de arte, como se a opinião deles fosse relevante nestes temas.”

    Bear, uma das coisas que mais me incomoda é a opinião, aparentemente crescente, de que alguém para emitir juízo sobre algum tema deva ser especialista ou profissional no assunto. Deixamos definitivamente de sermos humanos plenamente e nos tornamos especialistazinhos em assuntos cada vez menos abrangente? Pode até ser verdade, mas devemos nos acomodar a esta situação? Quer dizer que um Caetano Veloso naquele belíssimo auge de sua carreira, ou um Chico Buarque, não tinham o direito de emitir opiniões sobre “política, economina, religião, outras manifestações de arte”, ou se tinham, estas não interessam? Quer dizer que sempre que o Rafael escrever sobre livros ou filmes ou qualquer coisa que não seja publicidade estará extrapolando suas atribuições como ser humano? Qualé!!!

  16. Pô, Elton, leia os dois parágrafos finais do meu comentário, leia.

    Não neguei e nem nego a ninguém o direito de ter e expressar opinião sobre qualquer assunto. E não era este o meu ponto.

    Eu disse apenas que o fato de alguém ser ídolo ou especialista em alguma atividade (futebol, formula 1, medicina) não torna mais qualificada a sua opinião sobre quaisquer outros assuntos. Mas que, apesar disso, estranhamente, essas opiniões são muito valorizadas. É isso.

  17. Falar de Nirvana para mim eh complicado, ainda mais vendo esse bando de gente ae q nao sabe o q fala, Kurt era um cara com problemas e dae?Pra mim vai c sempre o ícone do rock, o melhor, nirvana forever!!!!!!!!!!

    “Paz, Amor e Empatia”

  18. …lamentável é essa zorra q fazem com tudo na vida do cobain.

    esses “fãzinhos” de merda ficam ae atirando merda no ventilador sem nem conhecer as coisas direito. é simplesmente ridículo ficar vendo essas afirmações sem embasamento e essa Devoção cega e ridícula ao kurt.

    perguntem à vcs mesmos, se kurt gostaria de que vocês revirassem a vida dele…

    __________________________________________________________________________________________________

    Ele nao era um garoto problematico, nunca foi… Apenas as pessoas que julgam ser certas nao conseguiam enchergar o que ele queria, e o que queria transmitir…

    __________________________________________________________________________________________________

    Kurt Coabain apenas queria ficar um pouco sozinho sem que ninguém o acompanhasse

  19. olha…eu gostei mesmo da frase “ele era só um ser-humano”
    sim…as drogas colaboraram ao seu suposto suicídio…
    mas fatos são fatos, ninguem comentou aqui de sua incrível dor estomacal que kurt tinha…cincerament…julga o cara depois de ler apenas revistas ou “rezumo” da vida dele não dá…não sou fanático por nirvana, vi sim todos clipes deles…mas putz…nada justifica julgar o cara por capas de revistas…
    eu vi u kurt chora e tussi sangue no palco…eu não concordo que seja apenas o fato dele ter sido pressionado pela fama ou pela mídia…é sim horrível ver sua vida mal resumida em revistas “fofoca” e ainda pior quando contem mentiras, alem disso, kurt era viciado em heroína, dito por ele que a heroína ajudava a parar suas dores de estomago, é claro que não foi por esse motivo q comessou a viciar, mas quando pequeno ele teve que tomar um remédio chamado rítalina…que comessou a tomar por sua iperatividade, eu tomo esse remédio para prestar atençao em minhas aulas, é ótimo e funciona, mas ele é acompanhado de um ante-depressivo, na época não era, tudo se incacha, é só pensar…eu comessei tomar ritalína sem anti-depressivo pra ver o que daria…eu fiquei realmente mal…chorava pelos cantos sem saber por que…sinti o que u kurt com mais ou menos 8 pra 10 anos tava sentio…ele comessou a se revoltar com os pais…todo adolecente se revolta com os pais…mas não do jeito que ele se revolto…foi jogado de um lado da família pra otro…
    Ficou uma dúvida em minha cabeça, pensando se u kurt se matou mesmo, ou se foi sua mulher, Courtney Love, o kurt nesse tempo discutiu com sua mulher alegando querer se separar…depois de morto, forão incontrados toalhas perto dele, e nenhuma digital na arma do crime, a arma jogada para lonje do recém cadaver,ele estava drogado quando morreu, suspeito que sua mulher tenha aproveitado, porque alega os médicos de que quando kurt estava drogado não tinha forças nem para puvhar o gatilho…(evidências…mas para que kurt Cobain se mataria mas sem dexar suas digitais na arma)
    sua carreira seguindo o rumo que ele não queria, dores no estomago que não deixava ele colocar um alimento para dentro, brigas com sua mulher, sobrecarrego para quem teve uma vida dificil…
    Agora sobre as brincadeiras de cuspir em cameras…mostrar o pinto, bom, pense voce se fosse famoso, famoso de um jeito que não queria, mas famoso, turnês que não acabavam mais…tocar cantar em shows gigantescos…se eu fosse ele mandava o mundo se danar e fazer u que ele fez, kuspir em câmeras e tal…enfim, se divertir do meu jeito…
    rico, mas o que adianta ser rico se você não é olhado pelo mundo do jeito que voce quer…ele usou o dinhero dele, mas injuou, é a mesma coisa de você ter o jogo “the sims” e colocar truques de dinhero, já fiz isso, no comesso tava legal, mas injuo, não saber mais no que gastar, ele viu que aquele não era seu mundo…nao sei…mas não gosto de julgar os outros sem saber o que ele pensava, não podemos criticar, pense, você morto, e pessoas no mundo intero, im vez de sentirem sua falta, ficarem te criticando, e colocando palavras em sua boca…não é legal…
    é isso…
    abraços;
    Jean

  20. Como?? “E continuo dizendo que tudo o que eu vi foi um sujeito caindo pelas tabelas de tanta heroína, mostrando um pinto pequenininho como se isso fosse o máximo da rebeldia.”
    Bom isso é na sua opinião, aliás uma opinião não válida, sem sentido algum. Meu não me conformo que depois de tanto tempo ignorantes tentam se rebaixar tanto a esse nível, a ponto de falar absurdos…
    Uma coisa é uma coisa, sim, ele estava se afundando nas drogas… outra coisa é outra coisa, o que adianta depois de 11 anos falar que se Kurt fosse um cara lúcido e equilibrado teria saído dessa?? Aliás Kurt se suicidou por causa das drogas?? NÃO, relatos CONFIRMAM ISSO…
    Olha essa não foi a sua melhor saída viu…

    __NIRVANA É UMA FILOSOFIA DE VIDA__

  21. só uma pergunta o jean c gosta d guns né??pow cara c num está conversando vc parece ter raiva do kurt cobain….num Tô entendendu
    abraçu

Leave a Reply

Your email address will not be published.