A morte e a morte de Luiz Biajoni

E-mail da Isabela:

Isabela wrote:

Pôxa, não dá para acreditar nesses blogueiros. Ano passado gelei com a morte do Bia.

Abraços
Isabela

E agora chega. Eu não agüento mais enganar as pessoas.

O Bia morreu, sim, num acidente envolvendo seu legendário Uno 88 batido movido a álcool e um caminhão cheio de bóias frias que iam para os canaviais de Americana cantando Zezé di Camargo e Luciano.

Foi uma notícia estarrecedora. Mas apesar da dor e da saudade, nós sabíamos que o show não pode parar. Então arranjamos um sujeito para escrever o Tiro e Queda e depois o blog no lugar dele.

O impostor se chamava Bially Shears.

Mas isso era desonestidade. Era falso. Injusto. Somos blogueiros, sim, mas lá no fundo somos gente decente. Então passamos a espalhar em nossos blogs pistas de que o Bia tinha morrido.

1 – Este post sobre o umbigo da Kau era uma alusão à cova em que o Bia estava enterrado (ele queria ser enterrado no Pére Lachaise, mas não deu e hoje está numa gaveta do Cemitério São João Batista, em Americana).

2 – Este post do Bia era uma alusão aos Beatles — que como se sabe também tiveram um membro morto e substituído.

3 – O Bia não toma Viagra. Aquele que encontramos no Rio era, obviamente, um impostor.

4 – As 60 Horas de Le Mãos na Cabeça são a versão blogueira do Livro dos Mortos do Tibet.

5 – Inicialmente, o Bially Shears deixou crescer um bigode, digamos, meio estranho. O verdadeiro Bia era heterossexual.

6 – Outra prova da sexualidade dúbia do novo Bia: o show do Placebo.

7 – A campanha em defesa da Hello Kitty era muito óbvia: a Hello Kitty, na verdade, tem medo é de fantasmas.

8 – Para a cultura milenar dos Kunin Ingwah, hoje restrita a uma das ilhas da Polinésia Francesa, dobrar a língua em três é a resposta afirmativa a ser dada quando nos perguntam se alguém morreu.

9 – O novo Bia foi trabalhar na TV.

10 – A mãe de todas as pistas: “Sexo Anal”, o livro póstumo do Bia, originalmente se chamava “A Educação de Virgínia”. Mudamos o título porque foi assim que um Brigatti desolado nos deu a mórbida notícia: “Bicho… O Bia se fodeu.”

Há muitas outras pistas espalhadas, blogoseira afora, sobre a morte do Bia. É só uma questão de saber procurar.

10 thoughts on “A morte e a morte de Luiz Biajoni

  1. Se você virar o monitor de ponta-cabeça e ler o blog do Bia de trás pra frente, pulando de sete em sete letras surgirá a frase “Ulysses Guimarães vive”.

  2. Estava conversando com o fantasma do Bia e cheguei à conclusão de que ele realmente havia morrido mas não tinha percebido. Ainda bem que voce fez esse post, no melhor estilo Sexto Sentido. Afinal, alguém PRECISAVA dizer isso a ele.

  3. Mas Biajoni alguma vez existiu? Claro que não. Biajoni sempre foi o alter-ego de Rafael Galvão. Tentou matá-lo, mas não conseguiu. Agora vem dizer que afinal ele é outro. Eis um caso de tripla personalidade. Tal e qual Fernando Pessoa – Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos -, mas sempre com um só heterónimo: Biajoni. Que sendo um, já é dois. Aguardamos que, brevemente, seja três. A conta que Deus fez.

  4. um investigador amigo meu foi contratado para encontrar dois GRANDES ESCRITORES: céline e biajoni. seguindo as pistas, ele encontrou céline vivendo no hawaii, casado com duas nativas tetéias. atrás de biajoni, ele achou apenas um gordinho de óculos, vivente em aracaju (vai ter mau gosto assim na pqp!). mas não era ele. ou disfarçou muito bem.

  5. Conversando pelo msn com alguns blogueiros, fiquei sabendo que realmente o Bia tinha morrido. Mas vc tá usando de má-fé, Galvão: não foi num acidente de carro, o Bia na verdade foi assassinado por causa de uma richa antiga. Foi uma história bem tarantínica…
    (desde o aniversário dele que eu tô pra escrever como ele morreu, passaram-se quase 5 meses mas minha preguiça não deixa!! mas eu juro que um dia escrevo…)

  6. Alguma coisa estranha aconteceu depois de um misterioso enriquecimento de um conhecido blogueiro. O caso envolve a morte de uma velhinha, será que o Bia foi junto?

  7. Mas se o Bia morreu, quem vai sustentar todos os bastardinhos que ele colocou no mundo? Filhos literários, que se acotovelavam no féretro, em frente a sede da tv…Onde vão mamar agora? Nas tetas da democrática instituição petista?? Salve-se quem puder e mantenha distância da prole literária que o defunto deixou…

Leave a Reply

Your email address will not be published.