Hoje é Dia de Santa Zita

Elas moram na sua casa mas não são da família, não são sequer amigas — e muitas vezes são mesmo inimigas. Raramente sentam à mesa com a família, e dormem em quartos do tamanho de closets.

Herdeiras involuntárias das relações escravistas que formaram o Brasil, empregadas domésticas fazem parte das relações mais complexas da sociedade brasileira, em que confiança se mistura à desconfiança,

Mas hoje é dia de Santa Zita.

Zita nasceu em Monsagrati, Itália, em 1218. Família de camponeses pobres, como sói acontecer quase sempre nesse ofício de santos; melhor apenas quando o futuro santo é um rico que se despoja espetacularmente de seus bens, como aconteceu uma vez ali perto, em Assis.

Aos 12 anos Zita foi trabalhar como empregada doméstica para a família Fatinelli, uma das mais ricas de Lucca. Antes que partisse, sua mãe lhe deu um único conselho: “Em tuas palavras e ações deves sempre perguntar: ‘Isto agrada ou não a Jesus?'”. (Imagino que deva também ter dado outro: “Feche as pernas, minha filha”, que esse conselho é sempre dado a meninas que vão viver longe de casa, embora raramente seja seguido.)

O Fatinelli, comerciante de lã e tecidos, era um sujeito grosseiro e tratava seus criados como menos que porcos. Todos os empregados da casa protestavam contra esse tratamento, menos uma. Isso. Ela mesma. A Zita.

Zita foi empregada ali por 48 anos, até sua morte em 27 de abril de 1278. Nas horas vagas, como toda postulante a santa que se ache digna desse nome, ia à missa todas as manhãs, visitava pobres, presos e doentes, e repartia com eles o pouco que tinha.

A versão oficial da Igreja diz que os outros empregados dos Fatinelli ofendiam, desprezavam e humilhavam Zita por invejarem sua “postura cândida e serena”. É uma idéia bonita, mas o mais provável é que essa atitude se devesse ao simples fato de ela manifestar uma disposição sobrenatural para agüentar desaforos e humilhações.

E então, quase sete séculos depois, Pio XII transformou Zita em santa padroeira das empregadas domésticas.

Talvez não pudesse haver santo mais apropriado. Zita não foi martirizada pela sua fé como Santo Estêvão. Não tem atrás de si uma grande obra evangelizadora como São Paulo. Santa Zita virou santa por seu sangue de barata, pela capacidade de aturar os desaforos do patrão. Zita é a imagem ideal da empregada, aquela sombra muda mas eficiente, tanto melhor quanto mais próxima do comportamento de uma geladeira ou batedeira.

Santa Zita também é boa padroeira por causa do seu nome.

Há tantos nomes chiques de santos, imponentes. São Tiago de Compostela, Santa Catarina de Sienna, Santa Teresa de Lisieux, uma infinidade de Nossas Senhoras de sobrenome imponente como Mont Serrat.

Prisioneiros de guerra têm como padroeiro São Leonardo de Noblac; professores, São João Batista de La Salle. Mas às empregadas fizeram a grande sacanagem de dar como padroeira Santa Zita, santa de não muitos milagres mas de nome apropriado a uma doméstica. Zita, coitada, não tem sobrenome, não lhe fizeram sequer a gentileza do topônimo; e a santa padroeira, que poderia ser Santa Zita de Lucca, é só a Zita, assim como a sua empregada não tem sobrenome porque não lhe interessa.

É por isso que Santa Zita é a padroeira das empregadas. Porque é uma santa que sabe o seu lugar. E que, provavelmente, folga aos domingos.

13 thoughts on “Hoje é Dia de Santa Zita

  1. É. A igreja segue sua tradição de coerência… aliás pelo menos as três grandes monoteístas têm muito isso: sofra meu filho; sofra com ardor, fervor, ardor, etc.. Eita! Sofrer dói!
    E pensar que esses dias teve um cara da católica que disse cogitar o uso do preservativo adequado.

  2. Nome apropriado. Até porque, zitta, em italiano, quer dizer calada. Como boa santa, Zita foi também uma zitella (solteirona).
    A minha curiosidade é saber como você descobre essas coisas. 🙂

  3. Não sei se é passarinho, mas é ótimo!
    Tudo a ver com tudo. Até com a pesquisa que saiu essa semana sobre a condição das domésticas no Brasil hoje.
    Bjo.

  4. Mais um santo??
    De que vale povoar o céu de santo se a igreja católica não acredita em reencarnação?
    Bom fim de semana! Beijus

  5. Movimento das Domésticas Unidas celebra seus 46 anos com Missa em ação de graças, em honra de Santa Zita, no dia 2 de abril, na Matriz de São Miguel e Almas, em Santos Dumont – MG

Leave a Reply

Your email address will not be published.