Cangaço

Há algum tempo o Erik contestou este post nos seguintes termos:

Ainda hoje, nos sítios mais isolados do Nordeste, é comum encontrar pessoas que já se debateram com o lobisomem. Até já vi pessoas com cicatrizes das marcas das unhas do bicho. Nem por isso você vai acreditar nessas histórias. O imaginário popular é assim. Ainda hoje, no Amazonas, existem mulheres que dizem terem sido engravidas pelo boto.

Faltou um pouco mais de pesquisa ou, pelos menos, seriedade para falar de um problema tão complexo como foi o cangaço, muito mais complexo que a violência nos morros do Rio, hoje em dia.

Já em 1955, Ariano Suassuna, ao escrever o Auto da Compadecida, classificava o cangaceiro como “mero instrumento da cólera divina”, provando que a “romanização” do cangaço já vinha desde muito antes da invenção do Comando Vermelho. E não só Suassuna, como também os autores Jorge Amado, José Lins do Rêgo e outros já tinham a mesma idéia.

O temperamento extremante violento de alguns cangaceiros tem sim muito a ver com a estrutura social da época baseada no latifúndio. Desprezar isso é, no mínimo, desconhecer o alto grau de exclusão social gerado pelo feudalismo nacional.

O cangaço durou cerca de 200 anos, nele participaram milhares de pessoas e só acabou definitivamente com a anistia em 1495. Tratar todo esse complexo movimento histórico baseado apenas na figura, mais mítica do que real, de Lampião é um simplismo que beira a ignorância, você não acha?

O Erik começa mal. Dizer que o problema do cangaço era mais complexo que o moderno crime organizado do Rio de Janeiro é uma sandice. Enquanto o cangaço era composto basicamente de nômades, nunca passando de bandos errantes que sobreviviam fugindo da polícia, e nunca chegando a ameaçar a estrutura social da região, e que acabou não exatamente graças à “anistia de 1945”, mas ao fortalecimento do Estado republicano, o problema dos morros do Rio, com Estados paralelos virtuais é quase insolúvel. Não há comparação. O cangaço nunca mobilizou tanta gente como o tráfico, nem criou redes sociais tão complexas. Essa afirmação talvez seja reflexo de uma paixão excessiva pelo tema, sei lá.

Na minha opinião, esse é apenas um outro lado desse processo de mitificação do cangaço.

Ao contrário do que diz o Erik, não se desprezou, aqui, a estrutura fundiária como fator de alimentação do cangaço. Pelo contrário. Basta ler o post novamente. Mas justificar o que ele chama de “movimento” (traficantes também chamam sua atividade de “movimento”, a propósito) apenas pelo latifúndio é bobagem. Outras regiões com problemas fundiários mais graves que o sertão, como toda a área abrangida pela cana de açúcar — com a desvantagem do escravismo e da monocultura, que não existiam ou eram irrelevantes no sertão — não viveram um processo semelhante.

O cangaço sequer é tão original ou brasileiro. É muito parecido, por exemplo, com “movimentos sociais” ocorridos em toda a América Latina. Em países extremamente semelhantes ao Brasil, como o México, o banditismo corria solto na mesma época. Eventualmente esses movimentos, essencialmente criminosos, poderiam ter algum significado social — como aconteceu com Pancho Villa, para citar um. Normalmente eram apenas bandidos usando da força para garantir vantagens pessoais indevidas, como qualquer bandido comum.

O ranço pseudo-esquerdista e “sociologuês” está principalmente na justificação do cangaço por algumas das condições objetivas que o geraram. Na prática, é só um reflexo dessa atitude romântica e pseudo-esquerdista de uma parte da academia brasileira. Uma romantização de um processo histórico que era, sim, reduzido a criminosos.

E é estranho que o Erik defenda uma complexidade excessiva do cangaço e tente minimizar Lampião como “folclórico”, justamente o cangaceiro que conseguiu maior complexidade em suas relações com o Estado e com a sociedade — vide o Padre Cícero. O que deveria ser uma tentativa de desconstrução do post acaba desconstruindo seus próprios argumentos.

Minimizar, na minha opinião, é isso: “O temperamento extremante violento de alguns cangaceiros tem sim muito a ver com a estrutura social da época baseada no latifúndio .” Isso é óbvio, mas é redutor: todo o cangaço tem relação com o sistema. Ao usar o latifúndio para justificar o temperamento violento de “apenas alguns”, o Erik está reduzindo todo o sistema social a uma questão de temperamento individual, ao mesmo tempo em que diminui a própria ação deletéria do cangaço. E reduz a violência a “alguns”. Isso é desonesto. Ele parte do princípio da romantização, e é esse o problema da sua argumentação. No fim das contas, a questão continua: cangaceiros eram ou não bandidos?

Outra coisa: tratos complexos de movimentos sociais eu deixo para sociólogos, mesmo que eles criem mitos como o do Lampião herói nacional. O que se afirmou aqui é outra coisa: é que apesar de todas essas justificativas — e aí pode-se falar do sistema social como quiser, pode-se buscar as origens e etc. — o fato é que eram bandidos. Como traficantes encastelados no Borel não deixam de ser bandidos porque o capitalismo os oprime, nem meninos de 14 anos deixam de ser bandidos porque o mesmo sistema que os bombardeia com imagens de tênis da Nike os impede de tê-los. É simples assim.

Mantenho a afirmação: Lampião era um coronel sem terras, e cangaceiros não passavam de bandidos. Não há nada de revolucionário ou de transformador social neles. Eram apenas ladrões e assassinos. Em nenhum momento o cangaço propôs uma alteração da ordem das coisas — e nisso está atrás até de movimentos retrógrados e alucinados como o de Canudos. No fim das contas, Lampião e outros jamais poderiam ser comparados a um Zapata, no México. Na verdade, Lampião não chega sequer a ser um Pancho Villa. No máximo, poderia ser um Calvera, o bandido em “Sete Homens e Um Destino”. E olhe lá.

9 thoughts on “Cangaço

  1. Primeiro, deixo registrado meu ato falho: li cagaço, e não cangaço, no título do post.
    Segundo: sua análise me parece mais plausível do que as opiniões do Erik.
    Acho mesmo que falta uma revisão sociológica séria desse fenômeno.

  2. Minha mãe por ser nordestina, contava histórias do arco da velha sobre Lampião e sua gangue. Eu não acredito em líderes que matam os seus conterrâneos. Outra coisa, essa conversa de que traficante abraça a população favelada é outra história para inglês ver. Eles só levam o terror, uns mais, outros menos. Muito apropriado o seu post. Beijocas

  3. Rafael!

    Sou apaixonada pela história de Lampião.Apaixonada pelo mito.
    Concordo com vc. Não dá pra dizer que os cangaceiros eram movidos por um ideal nobre (se assim fosse eles não cortariam orelhas por motivo fútil…hum, acho que não cortariam por nenhum motivo).

    Att.

    Cris

  4. Obrigado por tratar o tema com mais clareza.

    Não defendo o cangaço, falei que era um movimento no sentido de “histórico” e não de “social” ou “revolucionário”.

    O cangaço é complexo porque não se pode tratá-lo de forma generalizada. Haviam cangaceiros diferentes de Lampião, mais malvados ou não. Ele chegou a comandar 200 homens, e tudo que seus bandos faziam o era atribuído. Não se sabe, mesmo hoje, se Lampião foi o meigo autor de Mulher Rendeira ou um sádico estuprador de donzelas.

    “A estrutura do tráfico é complexa, sua explicação é boba”.

  5. Rafa, você sabe que eu sou chato pra caralho. Portanto tô me danando pra essa discussão sociológica toda. Só vou apontar um probleminha:

    “O cangaço durou cerca de 200 anos, nele participaram milhares de pessoas e só acabou definitivamente com a anistia em 1495.”

    Cuma?

    Por acaso havia cangaceiros em Portugal? Ou alguém aí desistiu de usar o calendário da Era Cristã?

    Alguém pode me explicar o que tá acontecendo? Tô ficando nelvoso.

  6. o q acha do tal lampiao era um heroi ou bandido?
    no meu ponto de vista ele era um pouco de tudo.

  7. sou descendente de cangaceiro,até hj a minha familia de certa forma carrega a sina de ser perseguido ,assim foi no passado e assim será sempre,é claro q ja mudou muito,porem nada era certo no sertão daquela época,coronéis,policiais,cangaceiros e alguns sertanejos covardes q serviam a policia e aos cangaceiros,porem a culpa ficou mais pros cangaceiros por serem mais pobres e por precisar jogar mais duro pra poder se vingar, imagino q essa ñ era a maneira certa de cobrar os seus direitos,mais aui deixo uma pergunta, e se alguem de hj estivesse la naquela época, sofrendo o q sofreram eles, como se cobrariam.

Leave a Reply

Your email address will not be published.