Adendo

Já falei isso antes, mas gosto de lembrar. Uma língua não é empobrecida ao incorporar palavras vindas de outro idioma.

Um exemplo é o mouse. Nos países de língua inglesa eles usam a mesma palavra para definir coisas diferentes, camundongo e aquele periférico do computador. Aqui, mouse é só o tal dispositivo; para os camundongos temos outras palavras, inclusive calunga (de origem africana, se não me engano). Acho que com isso ficamos mais ricos, e não mais pobres.

12 thoughts on “Adendo

  1. Nossa língua [:-P] é muito mais rica que o inglês. Em todos os aspectos os superamos quanto a isso. Acho também que nossa língua é tão mais romântica e bela que o francês discordando de muita gente, eu sei. Agora, alguns estrangeirismos acho exagero. Escrever hot-dog ao invés de cachorro-quente é questão pura e simplesmente de ignorância cultural. Que enriquece, não nego, mas tem coisas e coisas. Mas, talvez seja, realmente, impossível de frear esses acontecimentos, como bem argumentou, Rafael.

  2. Por falar em ficarmos ricos, acho legal também essa coisa de sotaques (no caso da língua falada), regionalismos… É muito chique ter uma língua que varia tanto pelo país afora. Aliás, amanhã vou ao norte de Minas. Vou ouvir um pouco de “baianês”, que acho tão bonitinho.

  3. Como disse no comentário do post anterior: Incorporar termos, sim. Trocar, jamais. :c) E passemos a escrever segundo as nossas regras, ora. Que seja “rótidogue”, “mause”, etc. Mas pelo amor de Deus, não me venham com “deletar” (apesar de vir do latim, essa palavra não é a utilizada na nossa última flor do Lácio, como disse o Rasti. Usamos ´apagar´, ´anular´, ´tirar´ etc.), “startar”, “digitar” (datilografar é melhor), “bootar” e o diabo a quatro. :c))))) Isso não é xenofobia… é valorizar o que temos de bom. Plataformista: A nossa língua pode ser mais flexível que a inglesa, o que lhe confere certa beleza, mas o inglês é o idioma que mais tem vocábulos registrados oficialmente (SIC).

  4. Comunicar é mais importante que escrever ou falar certo ou errado. Patativa do Assaré e Elomar, manja? Ou o Cardoso lá do 100% Congas que tá reiventando o jornalismo, incorporando Hunter Thompson. Se vc transmite o lance quem se importa com a forma?

  5. Biajoni: Se partirmos deste princípio de que “comunicar” é o que importa…daqui a pouco teremos diversos dialetos no Brasil!! O que é essa mania de escrever na internet…trocando o “q” pelo “k”…etc e tal??? Prefiro o aperfeiçoamento do português.

  6. Gostaria de saber se o correto é dizer “ADENO” iu “ADENDO” e o que significa esta palavra.

    obrigado

  7. é sempre mto difícil decidir o que é exagero ou não no caso da incorporação de estrangerismos na língua.

  8. Não há o que dizer. Pra começar, nossa língua, a do BRASIL, se chama “PORTUGUÊS”. Precisa dizer mais alguma coisa?

    Querer resistir aos estrangeirismos na “nossa” língua é uma hipocrisia.

Leave a Reply

Your email address will not be published.