Perguntar ao Alter não ofende

Quantas pessoas já morreram porque um publicitário incompetente fez uma grande cagada?

Alguém já tentou processar um médico por erro profissional e obteve total colaboração dos CRM da vida?

6 thoughts on “Perguntar ao Alter não ofende

  1. Rasti, o nome do que você fez agora é falácia de relevância. Identifiquei rapidamente 3 tipos, embora implícitos e não diretos:

    1- FALSA ANALOGIA: é a falácia que se comete quando se comparam duas situações adversas entre si e se tenta provar a conclusão de uma delas por analogia à outra. Exemplo: A democracia é um malefício pois Hitler dela se utilizou para chegar ao poder. A medicina não presta porque alguns médicos fazem cagada.

    2- GENERALIZAÇÃO APRESSADA (acidente convertido): é a falácia que se comete quando se parte da observação de alguns casos particulares – em número reduzido – e se afirma que em todos os casos possíveis ocorre o que foi observado. Nem todo pediatra é um pedólatra e nem todo cirurgião plástico é açougueiro. Apesar de alguns criminosos, a medicina (mas não todos os médicos) tem uma finalidade nobre. A minha briga com a publicidade é que nunca vi publicidade que mostrasse o lado ruim dos produtos divulgados e o lado bom – e melhor – do produto da concorrência. (continua)

  2. (continuação)

    3 -IGNORATIO ELENCHI: é a falácia que se comete quando um argumento que pretende estabelecer uma determinada conclusão é dirigido para provar uma conclusão diferente. Assim, num tribunal, tentando provar que o réu é culpado de homicídio, o promotor público poderá argumentar longamente que o homicídio é um crime horrível. Será capaz de provar, com êxito, essa conclusão. Quando infere a culpa do réu a partir das considerações sobre o horror do crime de homicídio, ele está se desviando da questão central, que é a de provar que o réu é realmente culpado. É como culpar todos os médicos (a medicina) pelo crime de alguns… mas quando se trata de analisar como funcionam as peças publicitárias… ao meu ver, omitir características ruins de determinado produto divulgado ou as vantagens dos produtos da concorrência equivale a “crime” contra a boa fé das “vítimas”. Omissões podem ser usadas para levar a conclusões erradas, como bem se sabe… hehehe (continua)

  3. (continuação)
    Com relação ao CRM, no penúltimo jornal li pelo menos um médico cassado e muitos suspensos. O CRM também não tem poder de justiça. Os processos éticos correm paralelamente aos judiciários. Já vi médico condenado no CRM e absolvido na justiça e vice-versa. Aliás, já vi publicitário incompetente matando gente por cagada sim, viu? Geralmente esses médicos presos ou condenados são ótimos publicitários!!! Conseguem “vítimas” por causa de uma ótima propaganda (carrão importado, terno armani, lábia mole, sorriso cativante) e omitem os riscos de alguns procedimentos médicos (ex: cirurgia a laser para miopia não é isenta de riscos. Eu falo pra todos pacientes e eles escolhem se querem passar pelo risco ou não).

  4. Hey, maninho, mas eu ainda gosto muito de ti (sem viadagem) hehehehe Abração!!! Valdemar (o mala)

Leave a Reply

Your email address will not be published.