A lista incompleta de Schindler

Há alguns anos fiz uma lista dos 100 melhores filmes, na minha opinião. A lista, no entanto, tinha 101 filmes: eu fiz questão de incluir “A Lista de Schindler” como o 101o.

Só fiz isso por revolta. “A Lista de Schindler” é, para mim, a maior quase-obra prima da década de 1990.

A partir da abertura, eu fiquei maravilhado com o filme. Assim como Romário é o gênio da pequena área, Spielberg é o mestre dos primeiros 15 minutos de um filme — e se superaria depois com a incomparável seqüência inicial de “O Resgate do Soldado Ryan”.

Ao contrário do que aconteceria alguns anos mais tarde em Ryan, Spielberg não se perde ao conduzir Schindler. Nas próximas quase 3 horas, o que se vê nas telas é um filme quase absolutamente irreparável. Não há críticas a se fazer ao filme, a nenhum aspecto — a não ser, claro, ao óbvio vestido vermelho da menininha, truque usado com mais pertinência e relevância em Rumble Fish por Coppola, 10 anos antes.

É então que Spielberg tem que lembrar que é o autor de “ET”.

Nos últimos 20 ou 30 minutos de filme, Oskar Schindler se transforma. Aquilo que começou como uma oportunidade única de se ganhar um bom dinheiro passa a ser a razão de sua vida. Até então, a preservação dos judeus tinha sido apenas o cuidado que o senhor de escravos tem com sua senzala; ele apenas entendia que deveria cuidar do seu capital. Mas no final Schindler se torna um humanitário com uma missão.

Curioso é que, segundo todos os relatos dos sobreviventes daquela lista, Spielberg apenas retratou a verdade: Schindler foi mesmo tocado pela desumanidade de tudo aquilo que acontecia, e se tornou um defensor sincero de seus judeus e um pacifista, sabotando ou, o que é mais provável, ligando pouco para a sua produção bélica.

Mas não estou acusando Spielberg de mentiroso, e sim de ter prejudicado o seu filme. Ao retratar um Schindler que se tornou um herói da humanidade por motivos puramente egoístas, ele poderia ter criado um dos melhores personagens da história do cinema, alguém que se tornou grande a despeito de si próprio. Não importa que ele estivesse mistificando a realidade. O cinema faz isso todo o tempo, com todo mundo; às vezes chamam a isso de “compressão histórica”, às vezes de licença poética. Não estamos falando de história, mas de cinema. O Schindler que víamos até ali, um homem oportunista, eticamente flexível, podia se tornar um dos grandes anti-heróis do cinema: mas a partir do momento em que se “converte”, passa a ser só mais um herói, que diminuía sua própria importância humana ao se tornar maniqueísta.

E além disso nada justifica a cena em que Schindler, prestes a fugir, chora pelos judeus que não salvou: “este casaco poderia pagar a vida de mais um judeu! Este anel!”. Primeiro porque ele não precisava de mais do que já tinha feito para se tornar um homem a quem a humanidade deve muito; segundo porque é uma cena absolutamente implausível dentro do contexto do filme e também diante do verdadeiro Schindler.

Spielberg até então tinha feito um filme cruel, cínico e cru: destruiu tudo para imprimir a sua marca de autor de melodramas. Se até então havia uma ambigüidade fascinante em Schindler, Spielberg finalmente consegue torná-lo óbvio e chato.

Ele ainda conseguiu piorar as coisas. Tinha feito um filme brilhante em preto e branco, a despeito de várias pressões. Mas resolveu fazer sua profissão e fé e incluiu uma espécie de coda em cores, com os sobreviventes indo colocar pedras no túmulo de Schindler. É absolutamente desnecessário. Torna o filme panfletário, o que ele não precisava ser.

“Schindler” ainda é um dos melhores filmes da década de 90. Mas poderia ser um dos melhores da história, e não é. E por isso a minha revolta.

4 thoughts on “A lista incompleta de Schindler

  1. o kubrick tinha um projeto de fazer um filme sobre o holocausto e quando ficou sabendo do projeto do spielberg abandonou o lance. no documentário póstumo sobre o kubrick, aquele narrado pelo fanho do tom cruise, o diretor diz que gostou do filme, mas era um filme profundamente OTIMISTA – afinal falava sobre alguns que conseguiram escapar. certamente o filme que kubrick faria seria BEM MAIS sombrio e/ou realista. o pretenso realismo do spielberg, filmando em pb, pode ser quase um recurso para DIMINUIR O CHOQUE das cenas sangrentas – como o que hitch fez ao filmar Psicose em pb, pois o sangue no banheiro, graficamente, seria muito chocante. nem tudo é o que parece, no cinema. ou quase nada é.

  2. Bia, eu, ao contrário, sempre achei que a fotografia em preto e branco dá mais força ao filme. Não acho que sangue seja tão fundamental assim — e aquela cena, por exemplo, do pessoal correndo nu no campo fica ainda mais chocante que em cores.

  3. Rafael,
    Vc já percebeu tb um recurso muito comum do spielberg?
    Ele começa seus filmes num ritmo alucinante (como vc bem disse), depois de nos acostumarmos a isso ele torna o filme mais lento, arrastado… Aí estica o filme uns 30 min além do necessário, como se repetindo teses, querendo nos incutir mais do mesmo, em alguma mensagem repetitiva, e depois sim o filme engrena e termina.
    Ele cansa as vezes. Mas ainda assim, é gênio.
    Abraços.

Leave a Reply

Your email address will not be published.