Tic tac, tic tac, tic tac

Havia uma tagline pela qual eu tinha um carinho especial:

A procrastinator’s work is never done

É a mais pura verdade. Eu entendo disso.

Semana passada tive que virar duas noites seguidas. Uma para fazer uma campanha que poderia muito bem ter feito na Semana Santa; outra para escrever uma defesa de campanha. Tudo culpa da mania de deixar tudo para a última hora.

Com isso, todos os meus esforços para finalmente virar uma pessoa normal vão pelos ares.

Se depender de mim, eu tenho um horário ideal para dormir: exatamente às 4 da manhã, e acordar entre 11 e meio dia. Obviamente, esse modo avantgarde de viver não dá muito certo e é pouco lucrativo — o sistema insiste em continuar apegado a horários pré-cambrianos. E assim, depois desses virotes, eu tenho que tentar me readaptar a dormir cedo e acordar cedo. Custa um pouco, mas consigo. E então aparece outro prazo perdido, e lá se vai tudo de novo. Juro que se o emprego de zelador do turno da noite pagasse razoavelmente bem, eu deixaria de lado essa frescura de escrever.

Dia desses fiquei sabendo que Fábio Júnior dorme às 10 da manhã.

Ele virou, de repente, um sujeito admirável para mim.

3 thoughts on “Tic tac, tic tac, tic tac

  1. rafa, lá vou eu com minha naturebice.. eu durmo as 23 e acordo as 6 da manha… e mais fisiologico e seus neuronios agradecem. parece impossivel, mas depois de 2 semanas habituado a este horario, inclusive domingos, vc percebe um maior rendimento cerebral… melhor concentraçao e mais produtividade. Isso porque a tal da pineal, a glandula q “comanda”o ritmo circadiano é ativada pela luz… e ela tambem ativa a produçao de serotonina e outros neurotransmissores implicados no bom funcionamento cerebral. isso melhora o humor e a disposiçao do dia a dia.explica tambem o maior indice de depressao e suicidio nos paises menos iluminados do mundo( nórdicos). e aquela cara amarrada deles.. e aquela eterna alegria dos baianos!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.