Relatório

Cheguei agora de um programa de TV local, onde participei de uma espécie de mesa redonda — aliás, é esse o formato do programa — sobre blogs, internet e mídia. (Na verdade, cheguei agora do bar que se seguiu ao programa.)

Esse programas têm uma dialética curiosa. Acabei defendendo um ponto sobre o qual, para falar a verdade, nunca tinha pensado a fundo: internet, blogs e RSS podem representar o fim — ou pelo menos a redundância — dos jornais diários impressos.

O pior é que faz sentido. Mídias mais ágeis já acabaram com suas predecessoras, como o cinejornal e os jornais vespertinos. E a impressão que eu passei a ter é a de que os jornais ficarão meio perdidos entre a maior profundidade das revistas semanais e a maior rapidez da internet.

É.

Pode ser.

14 thoughts on “Relatório

  1. Sabe Rafael, eu penso da seguinte forma, do mesmo jeito que, nas indústrias ocorreu a mesma coisa com a robótica, pois foram eliminados muitos empregos, outras profissões foram criadas calcadas nas novas tecnologias. Penso que com a imprensa será a mesma coisa.
    Abraços

  2. Já escuto isso tem 3 anos.

    Se alguma coisa mudou? Não sei. Se os jornais pararam de vender? Talvez no JB… mas fora isso…

    E também devo lembrar que, a quantidade de blogs que trazem informação ainda é pequena.

    Eu to com um projeto de fazer alguma coisa desse tipo, esse ano. Tenho que fazer um projeto pra faculdade, e um site de informações é uma boa proposta.

  3. Dar parabéns adiantado dá azar, o aniversário do Rafa é só amanhã e tem gente aí aumentando um ano nos já tão pesados 34 anos que ele completará amanhã. Carregar “fardo” á mais é sacanagem…rsssss.
    Beijocas Rafa.

  4. Dar parabéns adiantado dá azar, o aniversário do Rafa é só amanhã e tem gente aí aumentando um ano nos já tão pesados 34 anos que ele completará amanhã. Carregar “fardo” a mais é sacanagem…rsssss.
    Beijocas Rafa.

  5. isso eu falo há DÉCADAS, e os jornais estão preocupados e vendendo menos, sim, anna.

    a propósito: PARABÉNS PRO GALVÂNICO!!!!
    35 ANOS, hein, véi!
    tudibão!

  6. Mesmo a longo prazo, não sei se os jornais diários impressos vão acabar. Quando vieram rádio e TV, as previsões eram parecidas. Em conseqüência, o jornal se adaptou à nova realidade e segue vivo até hoje.

    E, se restringirmos ao Brasil, acho até que as revistas semanais não vão influenciar muito a vida dos diários: elas são uma porcaria e não aprofundam quase nada. Viraram semanários de auto-ajuda, com suas reportagens sobre cuidados com beleza, alimentação e saúde. Isso não as desmerece, mas se elas continuarem com esse perfil, os jornais não terão problema algum com as revistas.

  7. Celulares já recebem notícias em tempo real. Com o desenvolvimento dos palms e pockets e a integração destes com com os celulares realmente será impossível um não esvaziamento dos jornais, que não deixarão de existir, mas terão que se adaptar. Ou deixando de lado as notícias da hora e investindo mais na análise ou mudando sua pridiocidade. Notícias no computador? É difícil você ver alguém com o jornal aberto no trabalho, a navegação aleatória também será evitada. Os computadores de mão podem ser utilizados em qualquer lugar.

  8. O jornal impresso ainda é fonte de informação de prestígio e isso não vai mudar O que, na minha opinião, vai acontecer é uma reformulação desse veículo, tanto naquilo que ele veicula, quanto em sua periodicidade. Não interessa a ninguém ler no jornal a mesma notícia que se viu na TV ou no rádio – internet ainda não é a maior fonte de informação da maior parte da população. Pode acontecer uma coisa boa nesse processo que é a volta das grandes reportagens. Isso seria ótimo, jornalismo nada mais é do que contar histórias.

  9. Devem ter falado a mesma coisa quando chegou a televisão e o rádio. claro que a situação agora é muito diferente, mas não forte o bastante pra acabar com os jornais…

Leave a Reply

Your email address will not be published.