Joel Silveira

Achei o livro num sebo da Sete de Setembro. No saldão, sempre a seção mais interessante de qualquer sebo, cinco livros por três reais (e Norman Mailer, e Stephen Crane, e Chico Anysio e Graham Greene).

Eu já conhecia o Joel Silveira jornalista. Desde os anos 80, na verdade, na Revista Nacional que circulava encartada em alguns jornais em todo o país e que me parecia ser um dos últimos vestígios de uma época em que o Rio de Janeiro era o centro do Brasil. Eu não gostava dele. Me parecia um sujeito com uma língua muito malvada. Mas aos 15 anos, bobo como todos os que têm 15 anos, eu estava mais preocupado com Jack Kerouac.

Foi só há pouco tempo que descobri o homem que conquistou o ódio eterno dos granfinos de São Paulo, o correspondente de guerra na Itália. Foi quando conheci de verdade o seu estilo, algo que o coloca acima do jornalista comum: em “A Feijoada que Derrubou o Governo”. Aprendi a respeitar o sujeito ali.

Mas eu não sabia que ele era contista.

Da Sete de Setembro fui para a Colombo comer o de sempre, bomba de creme e viradinho de banana. E li o livro quase inteiro ali, porque é um livro curto que pode ser lido numa daquelas mesinhas. Por coincidência o lugar tinha uns paralelos interessantes com o livro. A Colombo é o que restou do Rio antediluviano; o livro traz os resíduos de uma Aracaju que morreu há muito tempo.

O livro que achei no balcão de saldos tem uma capa em preto e rosa, paupérrima, e um título indigente: “Vamos Ler Joel Silveira”. É uma coletânea esquisita, quase inexplicável. Pela data, 1982, e pelas características, parece ser obra de um editor que arranjou algum bom esquema com o MEC, durante a bagunça do governo Figueiredo, e ajudou alguns amigos. O livro foi lançado pela Editora Cátedra / Pró-Memória / Instituto Nacional do Livro.

Há um tom fúnebre nos contos de Joel Silveira, uma nostalgia mórbida e desesperançada, e a seleção neste livro reforça esse aspecto. Todos os contos são aparentemente autobiográficos; e talvez um freudiano qualquer ressaltasse neles a necessidade edipiana em Silveira de matar seu pai e de matar, também, a Aracaju que ele conheceu — Joel Silveira, cansado de brigas constantes com o pai, foi para o Rio com 18 anos. Talvez, mas isso não interessa. Nesses contos, seu alter-ego Jorginho é um adolescente às voltas com o fim do mundo que conhecia e a necessidade de enfrentar um mundo novo. O que há ali é um escritor interessante, talentoso, econômico para a época — um tempo em que o Brasil não conhecia Hemingway, ainda.

Se não há grande profundidade psicológica em seus personagens, seus atos e a descrição do ambiente são suficientemente marcantes para que as histórias fiquem martelando em sua cabeça; mas, principalmente, há uma verdade em tudo o que está ali que não é comum. Vários dos contos estão carregados de sexo; mas não é aquela lenga-lenga da descoberta do corpo feminino numa província esquecida por Deus. Está cheia de vivência real, que sem descuidar dos aspectos exteriores que condicionam os relacionamentos tampouco esquece que tudo aquilo, afinal, é mais antigo que o velho solar que vive seus últimos dias e assistem à desintegração de uma família. Nada é tirado de seu contexto e nada perde o que lhes faz verdadeiros. A impressão que fica é a de que o jornalista Joel Silveira alimenta e fortalece o contista. Nisso ele é um mais que legítimo autor da geração de 30.

Joel Silveira lançou dois livros de contos e duas novelas. Há ainda um de crônicas, mas esse é provavelmente mais próximo do jornalismo que da literatura. Não faço idéia de onde se possa achar esses livros, e não seria má idéia para Sergipe, onde Silveira já foi Secretário de Cultura, reeditá-los agora. Sergipe é pobre em bons escritores, e ainda cai no erro de valorizar apenas uns poucos, os inegáveis como Tobias Barreto, Silvio Romero, Manoel Bonfim, o brilhantíssimo e pouco conhecido poeta simbolista Hermes Fontes e, mais recentemente, Francisco Dantas e Antônio Carlos Viana. Enquanto isso ficcionistas com talento também inegável — e esse é o caso de Joel Silveira, como deve ser o de vários outros — vagueiam em um limbo injusto, enquanto esperam que uma posteridade imaginária lhes faça uma justiça que, provavelmente, não virá.

É uma pena. Porque o que Joel Silveira conta nessas poucas histórias é o panorama de uma Aracaju em que as pessoas moravam no centro e a cidade morria na colina de Santo Antônio, de um lado, e na Barão de Maroim, de outro. Uma cidade que ainda não tinha se aventurado além da rua Lagarto e que respeitava, como ainda hoje, os limites do rio Sergipe. Ainda com bondes, ainda com o Alto da Areia que já foi desmontado há tanto tempo. É uma cidade da qual, hoje, só restam fantasmas murmurejando em quase silêncio nos ouvidos dos mais velhos, que esperam sentados em cadeiras na porta de casa a hora de finalmente seguir o caminho dessa Aracaju que conheceram mas que morreu há muito, muito tempo.

7 thoughts on “Joel Silveira

  1. E-Book’s caro Rafael, eles podem ser a solução. 😉
    Ah, achei uma sacanagem você ficar elogiando um livro que quase ninguém tem a oportunidade de ler. 😛
    Abraço.

  2. Rafael,
    aprecio muito o jeito pirracento e ferino de ser de Joel Silveira. Lembro-me, inclusive, que ele se candidatou a uma vaga na Academia de Letras só para sacanear Zélia Gattai, que queria unanimidade. Não por acaso, Chatô deu-lhe um apelido muito apropriado: “Víbora”.
    Apelido este devidamente incorporado. Atualmente, aliás, ele escreve crônicas na Revista Pernambucana Continente Multicultural sob o título “Diário de uma Víbora”.
    Para encurtar esta prosa ruim, registro que também lia Joel Silveira na Revista Nacional, que, aqui em Salvador, vinha encartada no Jornal da Bahia.
    abraços.

  3. Rafael,
    aprecio muito o jeito pirracento e ferino de ser de Joel Silveira. Lembro-me, inclusive, que ele se candidatou à Academia de Letras só para sacanear Zélia Gattai, que queria ser eleita à unanimidade.
    Não por acaso, Chatô deu-lhe o apelido de “víbora”. Apelido este devidamente incorporado.
    Aliás, atualmente, a víbora assina uma crônica mensal na Revista Pernambucana Continente Multicultural sob o título de…”Diário de uma Víbora”.
    Para encurtar esta prosa ruim, registro que também lia Joel Silveira na Revista Nacional que, aqui em Salvador, vinha encartada no Jornal da Bahia.

  4. Confesso que não sou rato de sebo. Mas gosto de dar as minhas fuçadas de vez em quando. E sempre me dou bem. Já encontrei a primeira edição brasileira do clássico O Som e a Fúria, do William Faukner e a primeira edição de Feliz Ano Novo, do Rubem Fonseca, ainda pela Editora Arte Nova, antes da proibição. Talvez os sebos virtuais fossem uma alternativa, mas não teriam o mesmo charme de um sebo empoeirado, cheirando a mofo e com gatos por todos os lados.
    gd ab

    P.S. linkei vc no meu Bala Perdida.

  5. Que tristeza a minha. Rio Branco não tem nenhum sebo para eu poder comprar cinco livros por três reais.

    Se minhas contas estiverem em dia, cinco livros aqui me dispendiariam aproximadamente uns quarenta a noventa reais, dependendo das obras.

    Tô quase pedindo pros meus conhecidos comprarem para mim. Aceito sugestões de sebos virtuais que façam entrega aqui pro Norte sem frete.

    Pra variar, né Rafex, outro belo post. Parabéns.

    Abs

Leave a Reply

Your email address will not be published.