O preço do Paraíso II

Embora a maior parte dos comentários ao post de ontem tenha se referido à alegria de dar, é curioso que algumas pessoas tenham presumido que aquele texto sobre o dízimo foi retirado de um jornal evangélico.

Não foi.

Foi tirado do Boletim Paroquial Nossos Passos, da Paróquia São Francisco de Paula, Barra da Tijuca, Ordem dos Mínimos, Arquidiocese do Rio de Janeiro, Vicariato Sul, 5a Região Pastoral.

Aquilo é tão católico quanto as indulgências e quanto São Tomás de Torquemada.

Não é recomendável cair no erro de achar que as igrejas pentecostais inventaram a tungada no bolso dos fiéis. Elas só aperfeiçoaram a malandragem católica e a atualizaram, com muito mais competência, para o mundo eletrônico.

A Igreja Católica é as igrejas evangélicas amanhã.

18 thoughts on “O preço do Paraíso II

  1. essa eh a igreja que eu frequentava. todo domingo. missa das 7. e depois ver o fantastico na casa do avo e jantar. ai ai.

  2. Eu fui um dos que supuseram erroneamente, mas no fundo é tudo a mesma merda, pois a igreja católica está usando as mesmas táticas da igreja evangélica.
    Ou seja, eu meto a boca em todas as igrejas, pelo simples fato de Deus ser onipotente e onipresente, não preciso ir a igreja alguma, pois se ele está em todo o lugar, ele também está na minha casa, e pra conversar com ele, eu converso na minha própria casa, e também não preciso dar dinheiro pra ninguém!!! 😀
    Abração

  3. Eu já havia lido sobre o dízimo em algum panfleto em alguma missa que fui…
    Portanto,sabia bem que era “católico” o negócio.

  4. Vc já reparou nas propagandas que aparecem aqui no seus comentários?
    (Anúncios goooooogle)

    “Sagrado coração de Jesus(Vc conhece as promessas que jesus fez à Santa Margarida Maria?”

    “Namoro Evangélico(Procurando namoro sério?
    Encontre aqui seu par e seja feliz)”

    hehehehe

  5. Gente, afirmar que a Igreja Católica está adotando as mesmas táticas da igreja evangélica é demais, vá?
    Cês num estudaram história não? Não sabem que isso é feito há milhares de anos?
    E partindo do pressuposto que ambas as correntes (católica e protestante) usam a MESMA Bíblia (salvo alguns livros apócrifos da bíblia católica que não constam na protestante) é NATURAL e LÓGICO que ambas peçam o dízimo, já que isso está inegavelmente ESCRITO na Bíblia. Agora, o contexto histórico e as circustâncias as quais os textos se aplicam é outra história…e é aí que o “senso comum” gosta de pegar pelo pé e malhar.
    O Candomblé tb cobra pra fazer trabalhos, sabia? E dependendo do trabalho, sai CARO PRA CARALHO…
    O Espiritísmo tb cobra pra passar “passe”…e fazer consultas.
    Vc também gasta dinheiro comprando muitos aparatos religiosos se é adepto do budismo, do islamismo e do judaísmo. É fácil meter o pau no que não se conhece.
    Que tal falar com propriedade? De vez em quando é bom.

    (Sim, eu fiz teologia e sou estudiosa das religiões desde os meus 18 anos de idade, apesar de ter sido criada no judaísmo, me converti ao cristianismo, meu pai era budista e minha mãe foi mãe-de-santo)

  6. Católica, evangélica, muçulmana. Não importa. Tudo é marketing antes mesmo de haver marketing. A palavra controla mais que a arma, manipula mais que a fome, prende mais que a corrente.

    (PS. Sou católico, ainda.)

  7. assim como no serviço público, aqui também antiguidade também é posto. quem chega antes tem lá suas vantagens. a igreja católica não está fazendo nada além de, espertamente, usufruir de seus direitos adquiridos, retomando um nicho descoberto por eles. há que se reconhecer que nesse mercado da fé a competição é acirradíssima. portanto, se estamos incomodados só nos resta reclamar com o bispo! (que farei eu, que me incluo na categoria dos SR – sem religião?)

  8. Rafex, meu caro, acompanho com interesse peculiar sua “desconstrução” das formas insitucionais e ortodoxas de religião. Mas, assim, só pra nós, que episódio, em passado remoto ou recente, contribuiu para este exercício laico de ateísmo?

    “Imagine there’s no heaven and no religion too”, não vale!

    Abraços.

  9. Mas Edk, eu não fiz nenhum julgamento de valor. Só publiquei sem identificação um texto que eu sabia que iriam associar às igrejas evangélicas. E recoloquei a coisa em perspectiva histórica. Foi exatamente o que eu falei, que a igreja católica cobra seu dízimo há muito tempo. Sem contar outras bobagenzinhas no tempo em que realmente mandava.

    A idéia de escolha entre dízimo e impostos não existe porque são coisas absolutamente diferentes. Impostos independem de minhas vontades. É por isso que têm esse nome. Dízimos são voluntários, em última análise. Eu poderia escolher entre dízimos para a Unviersal e dízimos para a Paróquia de São José.

    De qualquer forma, não dá falar que o governo — qualquer que seja ele — não investe nisso ou naquilo, porque investe. E é muito dinheiro gasto nisso. Pode até investir menos do que poderia ou deveria, ou ter prioridades com as quais não concordamos; mas bem ou mal, reclamando ou não, ainda é provida pelo Estado a esmagadora maioria da infra-estrutura e dos projetos sociais de que dispomos. Dizer que os impostos apenas financiam a corrupção é um simplismo tão grande quanto dizer que o dízimo pago pelos católicos vai exclusivamente para o sustento de padres pedófilos e para ações de lobby contra as pesquisas sobre células-tronco, ou que o dízimo pago pelos evangélicos vai apenas para a compra de emissoras de rádio e TV, vida boa de alguns bispos e financiamento de campanhas políticas.

    E quem foi que disse que eu sou ateu?

  10. falando sério, rafael, eu também acho que nenhuma igreja, seja ela de que linha for, consiga se sustentar sem a contribuição de seus fiéis. mesmo sem considerar as ações que a igreja possa desenvolver, existe a infra-estrutra, luz, água, telefone, essas miudezas. o problema reside no fato de que isso (o uso do dinheiro) é feito de maneira bem pouco transparente. aqui em niterói temos um exemplo famoso, com a maior igreja batista da cidade envolvida em envio de dinheiro para paraísos fiscais na figura de seu pastor, nome conhecido e com ampla entrada nos meios políticos mais conservadores. sem falar na tal da “teologia da prosperidade”, praga das igrejas pentecostais, que distorce ou interpreta passagens bíblicas sem muito cuidado com uma exegese séria. pra terminar, gostei muito do seu posicionamento e da sua análise. um abraço.

  11. ÔÔ Mestre Rafa, devagar que o santo é de barro!

    Peço perdão pela forma simplista e rápida como abordei o tema. Mas quando vc diz que não faz juízo de valor você, permita-me descordar, não acerta. A expressão “malandragem católica” não me parece destituída de juízo de valor. Mas, isto não interessa. Você, assim como eu, podemos ter opiniões e juízos de valor da forma como quisermos ou nos seja mais cara.

    Não sou xiita religioso. Pelo contrário, me divirto bastante com seus posts sobre religião assim como na outra grande maioria de seus posts que têm, invariavelmente, um fino e oportuno senso de humor. Por isso sou seu assíduo leitor.

    Minha intenção foi tão somente propor uma abordagem diferente do seu ponto de vista e não refutá-lo completamente. Perceba que, de antemão, sabia que o texto não era evangélico e percebi seus objetivos. Por isso propus o paralelo com os impostos.

    A perspectiva imposta na declaraçõ que fiz, embora simples, esconde nas entrelinhas um sentimento de exasperação com o Estado em muito causado pelas sucessivas trapalhadas de nossa classe dirigente. Não acho que o Estado não deva existir (em última análise, o não pagamento de impostos significaria além de anarquismo, a total ruína do Estado). Acredito que precisamos como nunca do Estado.

    Mas um Estado com propostas de melhorias. Veja o caso da imensa maioria da classe média brasileira: paga os tributos mais altos de todo o mundo e quando pensa em educação de qualidade para os filhos o que faz? procura a iniciativa privada. O que dizer quando precisa de tratamento médico? E de segurança? Infelizmente, vivemos a situação em que quem paga tem.

    A ausência (ou ineficiência) de Estado causa isso. È sabido por nós que há áreas em metrópoles brasileiras que o Estado praticamente não entra. Aqui mesmo em minha Rio Branco, isso ocorre, o que é uma lástima.

    Quanto aos investimentos. É notório a ineficiência em que são investidos os recursos. Quem trabalha na educação sabe que o governo libera o dinheiro nos últimos dias do ano o que causa uma dor de cabeça enorme em onde será investido os recursos, isso quando são investidos. O que se faz é destinar parte orçamentária prevista na própria Constituição pra as respectivas áreas. O investimento real é muito pequeno.

    Perdão pela enormidade do comentário, acho que já expus minhas reais intenções ao te enviar o comentário anterior. Tb não penso que sejas ateu, apenas disse que ao escrever demonstrou uma veia ateística (viajei!). Muita gente centradíssima na religiosidade tem momentos de puro ateísmo durante a vida.

    No mais, não se exaspere com seu humilde e fiel leitor. Abraços.

  12. Edk, eu não tava iritado, não. 😉

    Acho que me expliquei mal quanto ao juízo de valor: eu me referia especificamente ao julgamento de uma religião em detrimento de outra, o que não fiz, até porque para mim são todas muito parecidas, principalmente a católica e as evangélicas. Se hoje você não vê católicos pregando na rua como malucos fanáticos é porque o seu tempo já passou: eles fizeram isso, e muito mais, 1500 anos atrás.

    Eu concordo com a ineficiência do Estado, em várias áreas. Mas ao mesmo tempo, continuo achando que não se deve fazer uma comparação entre impostos e dízimo, pelas naturezas diferentes de cada “tungada”. Uma delas é voluntária, e você, se não quiser contribuir, só precisa deixar de freqüentar o templo e a vida comunitária. É uma escolha que você pode fazer (se vai querer, ou se sofre pressão são outros quinhentos). Dos impostos não dá para fugir.

    Também discordo do outro aspecto porque vejo, sim, muitos méritos no Estado, mesmo no brasileiro em suas várias instâncias, ao mesmo tempo que não vejo nenhuma igreja como impoluta. Aliás, a última ilusão que eu tinha a esse respeito morreu quando vi monges budistas (não lembro se no Tibet ou na China) quebrando o pau pelo controle de um templo, algo assim. Faz uns 5 anos, isso.

    Costumo creditar uma parte dessa visão à tragédia da classe média neste país: é quem mais paga impostos e quem menos recebe retorno, porque não costuma usar os serviços oferecidos pelo Estado, como educação e saúde. Essa tem toda razão em se queixar. Mas não é por isso que se pode negar que, para o povão, o Estado ainda está presente. É ineficiente, sim, mas ainda é o que tem. Se é verdade que está ausente em vários lugares, é também verdade que é só o que existe em determinadas regiões — e em algumas delas, o Fome Zero até funciona. De certa forma, religião (principalmente as evangélicas e alguns setores da igreja católica) e Estado são muito parecidos, inclusive em suas ações. 🙂

  13. Ninguém falou nos nossos deuses modernos (aliás, alguns deles nada modernos) como o deus riqueza. Há muitos outros: a beleza, o fitness, o partido, todos propondo uma forma de felicidade e sucesso a custa do seu dinheiro…

    Quer deus mais inatingível do que a riqueza? quer religião mais perversa do que as loterias promovidas pelo Estado? quantos pobres e desvalidos contribuem semanalmente para formar arrecadações multimilionárias, fazendo a sua “fezinha”, na esperança (absolutamente vã para 99,99%) de ficar rico da noite para o dia!

    Falando no dízimo, não dá para botar no mesmo saco o dízimo bíblico (“para que haja mantimento na minha casa”) e os aproveitadores de ontem e de hoje, religiosos ou não, que mercadejam (?) a fé ou a indigência do povo, trocam dinheiro por esperança.
    – Se você der o dízimo, você vai ficar rico, vai encontrar a mulher dos seus sonhos …
    – Se você não der o dízimo, você vai para o inferno;
    – A mega-sena acumulou. Jogue, você vai ficar rico;
    – Compre o produto tal e ganhe muitos prêmios;

    Deuses modernos, promessas falsas.

    Voltando ao dízimo…

    Hoje em dia, há igrejas prometendo prosperidade, saúde, mulher bonita e rica pra casar, sucesso profissional proporcional ao dízimo ou oferta que a pessoa (qualquer pessoa) der. Isto é uma grave distorção do mandamento bíblico.

    Estude com profundidade o que a Bíblia diz sobre o dízimo e você vai concluir que dar dízimo é consequência e não causa. Eu não dou dízimo para ser salvo, para ir para o céu, para ficar rico, para ser curado de doença, para nada. Eu dou o dízimo PORQUE eu tenho compromisso com a Igreja, PORQUE o dinheiro permite que a Igreja realize coletivamente aquilo que eu aprovo e quero que ela faça e, em última análise, PORQUE é uma ordenança de Jesus aos seus seguidores.

    Falando nisso, há igrejas pedindo dinheiro a qualquer um que entre por suas portas ou que passe pela frente do templo. Isto é outra grave distorção do mandamento bíblico e da prática da Igreja primitiva.

    Uma Igreja evangélica sériamente fundamentada na Bíblia não costuma pedir contribuições aos de fora, aos visitantes. Dízimo é responsabilidade dos membros da Igreja.

    Então, abram os olhos. Vocês podem perceber a diferença.

    PS: Para variar, este post foi mais uma provocação inteligente do Rafael. E foi uma ótima oportunidade para eu expressar minha opinião sobre o assunto.

    Desculpem pelo longo comentário. Vamos em frente.

  14. O povo dá dinheiro por livre e expontânea vontade,e enquanto existir idiotas que dao dinheiro para quem nao quer trabalhar,haverá sempre alguem com uma sacolinha para recolher.
    A bíblia diz: Nao ajuntai tesouro na terra.Más todas as igrejas querem ajuntar tesouro na terra.
    Para quem tem um pingo de inteligência, nao entra nesta.
    Se eu abrir uma igreja da Santa Silvana,tenho certeza que vou achar gente que vai me dar dinheiro baseando na bíblia , sobre o dízimo.

    Beijos

    Silvana

  15. Tenho sido perguntados por evangélicos há quanto tempo a igreja católica cobra o dízimo, eu naturalmente não tenho este registro. Eles afirmam que é rescente cerca de dez anos.Gostaria de ser informado corretamente ou pelo menos aproximadamente sobre a época .

  16. AS PESSOAS SÃO ABENÇOADAS PELA SUA FÉ EM DEUS. TUDO O QUE QUISEREM DE DEUS RECEBEM PEDINDO E RECEBENDO PELA FÉ, COM OU SEM DINHEIRO, MAS PELA FÉ. EU DOU O DÍZIMO NA MINHA PARÓQUIA CATÓLICA E AJUDO UMA OUTRA IGREJA EVANGÉLICA QUE LEVA A SÉRIO A BÍBLIA, MAS CONVENHAMOS A BÍBLIA É UM LIVRO MUITO ANTIGO E APESAR DE HAVER UMA SÓ BÍBLIA A INTERPRETAÇÃO QUE SE FAZ DELA DE IGREJA PARA IGREJA É TOTALMENTE SUBJETIVA, VISTA QUE QUESTÕES POE EXEMPLO SE TODOS VÃO PARA O CÉU, PURGATÓRIO, RELAÇÕES SEXUAIS ANTES OU DEPOIS DO CASAMENTO SÕ DEPENDEM DO CAPÍTULO, DO VERSICULO E DA BÍBLIA QUE SE LÊ. VISTO QUE MUITAS COISAS SÃO AMBIGUAS, EM CERTOS VERSICULOS DEUS PROIBE MATAR, ELE DIZ NÃO MATARÁS. EM OUTRO ELE DIZ NÃO ADULTERARÁS, MAS UM POUCO MAIS PARA FRENTE QUEM ADULTERAVA NAQUELA ÉPOCA ERA APREJADO ATÉ MORTE COMO DIZ O LEVÍTICO SE EU NÃO ME ENGANO, MAS COMO DEUS DISSE NÃO ADULTERARÁS, DISSE TAMBÉM NÃO MATARÁS, ENTÃO COMO SE JUSTIFICA O APREDEJAMENTO. EU ESTUDEI ANTROPOLOGIA FILOSÓFIA É PRECISO VER A REALIDADE DE UM PONTO DE VISTA MAIS HUMANO EM TODOS OS SENTIDOS, A SALVAÇÃO NÃO É ALGUMA COISA QUE EU VOU RECEBER POR DANDO O DÍZIMO SOMENTE OU DEIXANDO DE FAZER UMA COISA OU OUTRA, MAS SIMPLESMENTE CRENDO INDEPENDENTEMENTE DE MINHA RELIGIÃO. TUDO TEM SEMPRE PELO MENOS TRÊS PONTOS DE VISTAS, A SALVAÇÃO É A RESPOSTA PARA TODAS AS QUESTÕES.COMO DISSE TUDO DEPENDE DA INTERPRETAÇÃO QUE FAZEMOS DAS COISAS NÓS PODEMOS ESTAR LENDO A MESMA BÍBLIA E FAZENDO INTERPRETAÇÕES DIFERENTES DELA, DEPENDENDO APENAS DE QUE LADO EU PRETENDO PUXAR MINHA BRASA.QUANTO A QUESTÃO DE MONOGAMIA E DE POLIGAMIA ISTO É APENAS CULTURAL, POIS A POLIGAMIA É DESCRITA NO ANTIGO TESTAMENTO DE FORMA NATURAL. JÁ NO NOVO TESTAMENTO VEM A MONOGAMIA. EU NÃO SEI O QUE PRETENDIAM BEM CERTAS PESSOAS AO ESCREVEREM CERTAS COISAS NA BÍBLIA, MAS ALÉM DOS MANDAMENTOS MUITAS COISAS ERAM OPINIÕES PESSOAIS DE QUEM AS ESCREVEU.HÁ MUITA REPRESSÃO SEXUAL NO CRISTIANISMO NINGUEM É ANIMAL OU MÁQUINA PARA NÃO TER AFETOS ORDENADOS PELO SEXO OPOSTO E OU DE NÃO PODER TER RELAÇÃO SEXUAL SEM SER CASADO, ME PARECE UMA FORMA DE CONTROLE SOCIAL, VISTO QUE DEVE TER UMA NORMA PARA NÃO VIRAR ZONA, MAS DE ACORDO COM AS CONTINGÊNCIAS CADA UM TEM SUA CONSCIÊNCIA PARA SABER QUE CADA CASO É UM CASO E QUE CADA UM É CADA UM. A PRÓPRIA CARTA DE SÃO TIAGO NOS DIZ QUE A MISERICÓRDIA SUPERA O JULGAMENTO.VEJAMOS SE EU NAMORO, AMO MINHA MULHER E NÃO TEMOS DINHEIRO PARA NOS CASARMOS NÃO PODEMOS DAR UMA POR ISSO, E ONDE ENTRA A COMPAIXÃO PELAS PESSOAS, QUE EU SAIBA JESUS VEIO SALVAR, PERDOAR E CURAR.A CIÊNCIA É UM DOM DADO POR DEUS AO HOMEM E A SOBREVIVeNCIA DA HUMANIDADE ELA INSTRINSECAMENTE LIGADA AO SUO DA CIÊNCIA. HAJA VISTO O PASSADO DOMINADO PELOS FANATISMOS RELIGIOSOS DE VÁRIAS RELIGIÕES.DEUS É O DEUS DO UNIVERSO, NÃO PODE HAVER UM LUGAR EM QUE ELE NÃO ESTEJA POIS É ONIPRESENTE PARA ESTAR COM ELE BASTA TOMAR CONSCIENCIA E ELE NÃO JULGA NINGUEM NÃO TENTA NINGUEM E É INASCESSIVÉL AO MAL, PORTANTO LEMBRE-SE DISTO CARÍSSIMOS A BÍBLIA ESTÁ ALI, MAS QUEM FAZ A INTREPRETAÇÃO SOMOS NÓS E TUDO DEPENDE APENAS DO VERSÍCULO QUE LEMOS E COM QUAL O COMPARAMOS, TUDO DEPENDE DO PONTO DE VISTA, SEJA POSITIVO JESUS TE AMA, VIVA A VIDA E SEJAS FELIZ. A ÚNICA PASSAGEM QUE JESUS FALA DE DÍZIMO FOI QUANDO DISSE QUE UMA SENHORA QUE DEU UMA MOEDA DEU MAIS DO QUE TODOS PORQUE DEU DE SUA POBREZA E NÃO DE SUA ABUNDANCIA. DEUS NÃO JULGA COMO NÓS HOMENS PELAS APARENCIAS, DEUS NÃO OLHA PARA SEUS TRAJES LUXUOSOS, MAS PRINCIPALMENTE PARA QUEM MAIS PRECISA VISTO QUE ELE AMA A TODOS SEM ACEPÇÃO ALGUMA DE PESSOAS. NO QUE ME INVOCAR EU TE ATENDEREI E LIVRAREI POIS CONHECE MEU NOME. LEMBRE-SE A MISERICÓRDIA SUPERA O JULAGAMENTO. UM DIA DESSES FUI A UMA IGREJA EVANGÉLICA E POR MUITAS E MUITAS VEZES O PASTOR PEDIU O DÍZIMO E ASSUSTAVA AS PESSOAS QUE QUEM NÃO DESSE O DÍZIMO TAVA “FUDIDO”. VÊ SE EU VOU DE NOVO A UM LUGAR DESSES, EM QUE O PASTOR ABRE A BÍBLIA, NÃO TEM NEM MUITA CULTURA, LE ALGUMA COISA E SEMPRE A PASSAGEM DO DÍZIMO, PROMETE O QUE NÃO PODE DAR, POIS A PROVIDENCIA É SÓ DE DEUS, E DEPOIS AINDA ASSUSTA O POVO PARA DAR DINHEIRO PARA ELE. POIS DA ONDE VEM SEUS CARROES, SUAS CASAS LUXUOSAS. QUANDO A IGREJA É SERIA NÃO PRECISA FICAR NA PEDIÇÃO O POVO AJUDA COM PRAZER.DEUS NÃO COBRA PARA AMAR, PERDOAR E BANEÇOAR NINGUEM FAÇA A EXPERIÊNCIA CONFIER SOMENTE EM DEUS E SEJAS FELIZ.CHEGA DE FANATISMO E DE OPRESSÃO.

Leave a Reply

Your email address will not be published.