Historinhas edificantes como elas deviam ser contadas (I)

E os escribas e fariseus trouxeram a Ele uma mulher apanhada em adultério; e quando a puseram entre a multidão, disseram a Ele, Mestre, esta mulher foi apanhada em pleno adultério. Moisés nos ordenou na Lei que tais mulheres devem ser apedrejadas; mas o que dizes Vós?

Assim falaram eles tentando-o, para que pudessem acusá-lo. Mas Jesus se abaixou, e com o dedo escreveu no chão [como se não os ouvisse].

Então, quando eles continuaram a lhe perguntar, Ele se levantou, e disse a eles, Aquele que entre vós não estiver em pecado, que atire a primeira pedra.

E novamente Ele se abaixou, e escreveu no chão.

E aqueles que ouviram, condenados pela [sua própria] consciência, saíram um por um, começando pelos mais velhos, até o último: e Jesus foi deixado sozinho, com a mulher parada entre a multidão.

Quando Jesus se levantou, e não viu ninguém além da mulher, disse a ela, Mulher, onde estão aqueles que vos acusavam? Ninguém vos condenou?

Ela disse, Ninguém, Senhor. E Jesus disse a ela, Nem eu vos condeno; vai, e não tornai a pecar.

Mas em verdade, em verdade vos digo: e Schlomo, que era ateu e não tinha pecados porque pecado é especificamente um conceito de transgressão do código moral definido por uma religião, voltou até onde Jesus e a vagabunda estavam, e pegou uma pedra deste tamanho, e tacou nos cornos da vagabunda, e a vagabunda estrebuchou no chão, e morreu, e Jesus saiu murmurando “ateu filho da puta…”.

Republicado em 21 de julho de 2010

36 thoughts on “Historinhas edificantes como elas deviam ser contadas (I)

  1. Hehehe… Muito bom! Creio que o bem e mal são relativos e dependem da sociedade em que são praticadas as ações… Quem determina o que é pecado é a sociedade e a sua religião, você já disse tudo: “pecado é especificamente um conceito de transgressão do código moral definido por uma religião”.

  2. É, se na historia tivesse umzin que levasse em conta a lei e não a consciência, a puta estaria… fudida. E talvez Disas não fosse mais conhecido que a coca-cola hoje. Ou será que a coca é mais conhecida?

  3. Esses comentários na linha “você vai ver só” sempre me lembram daquela fala do Dr. Crane (Cillian Murphy), em Batman Begins:

    – It’s the Batman! Uuuuuuhhhhhhhh!!

  4. É interessante (E sádico também) como em certos momentos, na Bíblia, deus comete genocídios e depois resolve salvar todo mundo. É um problema de dupla personalidade.

  5. E o ateu era o próprio corneado pela dona adúltera. Só isso para explicar por que diabos um ateu faz tanta questão de cumprir à risca a lei mosaica…

  6. 1. “Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.” (Pecado de todos os dias).

    2. Natal, para comemorar o nascimento de um Deus vou me empamturar de muitas gostosuras. (Pecado da gula “em pleno natal”).

    3. Até podia escrever um pouco mais, mas estou com preguiça…(Pecado da Preguiça)

  7. É uma pena uma pessoa com tanto talento como você nao saber ser imparcial!
    E sobre o meu ponto de vista, pecado é igual a erro se tratando de um código moral ou não, definido por uma religião ou nao, ou seja, “Aquele que entre vós não ERRA, que atire a primeira pedra.”
    Todos nós erramos, ninguém é perfeito!
    Fica com Deus =p

  8. Julio… Pode até ser. Mas se o Rafa “descer” ao invés de subir, vai comandar uma festa “ducaraio” lá no quentinho!!!!

    Beijos.

  9. Qual a novidade?? Schlomo não tinha pecados e cumpriu ordens “Aquele que entre vós não estiver em pecado, que atire a primeira pedra”.
    Se ele era ateu, porque cumpriu as ordens de Jesus?
    Isso prova que atrás de uma boa ação sempre existe uma atitude oportunista?
    Beijus

  10. Isso aqui não muda!!!

    Confesso que me diverti com os comentários…

    E diz a lenda,que o que Jesus rabiscava,eram os “pecados” dos que ali se encontravam…e a medida que eles percebiam que JC sabia de tudo,”zarpavam” rapidinho…hehehe

  11. Rafael, essa passagem que vc escolheu não é aceita pacificamente pelos críticos como pertencente ao evangelho de João, sendo que muitos manuscritos antigos não contém essa passagem da mulher adúltera, sendo exemplo o texto do Peshitta antigo. Ela, com certeza, foi uma inserção posterior, e os críticos alegam inclusive sua dissonância com o estilo das demais partes do evangelho.

    A inserção é prejudicial mesmo, pois deturpa o sentido de “pecado”, que não tem o sentido fundamentalista de nódoa da natureza do ser humano. Em linguagem rápida, o ser humano em si é referido como templo, santuário de Deus muitas vezes. Nada pode ser interpretado literalmente, como já advertira o apóstolo Paulo, pois o sentido então é morto.

  12. Luma,

    Tecnicamente Schlomo não cumpriu as ordens de Jesus. A multidão pronta para o apedrejamento era anterior ao imbroglio com o Filho. O que ele fez foi justamente ignorar a condição imposta pelo Sujeito. Mas ainda que não fosse, o Schlomo apedrejaria porque, afinal, era um sacana. 🙂

    Flavio,

    Se eu for interpretar a sério, a piada perde a graça. 🙂

    Anna V.,

    A mudança de nomenclatura faz parte da piada. 🙂

    Bia,

    Deus não acredita em mim.

    Julio e Sandra,

    Se u for pro céu não vou encontrar nenhum dos meus amigos. Vai ser uma eternidade muito solitária.

  13. tava passeando aqui pelo teu flog aih vi o post sobre o Neil Ferreira… então lembrei do comercial da claro que diz descaradamente “nesse natal a claro está DANDO DE GRAÇA um celular…”

    e nesse momento pensei, tem compreendo completamente… dá vontade de largar a faculdade.

    O pior é que eles ganham pra isso

  14. O pior de tudo é que os escarnecedores que aqui comentam, fariam cumprir a risca a profecia sobre o fim dos tempos:

    E vendo Jesus, os homens se lamentaram…… pois suas obras eram más.

    E quanto e esse fato a Biblia de quando em vez relata casos parecidos.

    Liberdade de opinião é necessário mas o abuso demonstra incapacidade.

  15. Muuuito boa. Já tinha visto outra versão, mas sem o mesmo nível de racionalidade lógica.

    Quando a multidão se aproxima da mulher querendo linchá-la Jesus diz:
    -Quem de vós nunca errou, que atire a primeira pedra.
    Um judeu de nome Manuel joga um tijolo e racha a cabeça da adúltera. Jesus lhe pergunta:
    -Manuel, meu filho, você por acaso nunca errou?
    -Dessa distância não, opá.

Leave a Reply

Your email address will not be published.