Nós cagamos para "Limite" — os 25 melhores filmes brasileiros de acordo com Galvão & Biajoni

Eu e o Bia resolvemos fazer uma lista dos melhores filmes brasileiros. Era pra ser os 10 melhores, passou para 20, e finalmente fechamos em 25 para não avacalhar demais.

O primeiro ponto a ser notado sobre é que nós cagamos solenemente para “Limite”, o nosso “Encouraçado Potemkim”. O filme de Humberto Mauro pode ter a importância histórica que tiver; mas é um filme chato e que só interessa a arqueólogos do cinema. (Embora nós dois adoremos o filme do Eisenstein.)

Achamos que a mitologia em torno de “Limite” prejudicou o cinema brasileiro. Às vezes a gente tem a impressão de que todo cineasta sério tinha que fazer filmes densos, esquisitos. Foi por isso que Glauber fez tanta coisa ruim e é incensado até hoje. O resultado foi um cinema que se distanciou do seu público, ao se contentar em ser elogiado pelos seus pares.

É bom lembrar também que esta é uma lista de melhores filmes brasileiros. Isso quer dizer que os critérios de escolha levaram em consideração outros fatores: históricos, comerciais, afetivos.

São critérios estéticos razoavelmente claros. Quando se fala em filme brasileiro de “catiguria” as pessoas pensam naqueles filmes confusos, metafóricos, cheios de mensagens subliminares e diálogos pseudo-intelectuais. Mas nós preferimos, decididamente, o Nelson Pereira dos Santos inteligível de “Vidas Secas” e “Rio 40 Graus” ao Nelson hermético e alegórico de “Fome de Amor”, cuja única qualidade real são os peitos e rosto bonitos da Leila Diniz e que hoje é algo tão longínquo quanto a ditadura.

É por isso que “A Menina do Lado”, um filme que sob critérios puramente objetivos seria considerado no máximo mediano, está na lista. O filme de Alberto Salvá é um dos melhores da década de 1980, com uma leveza e sensibilidade que faltava então ao cinema brasileiro, no que foi a sua pior fase.

Além disso, uma lista desse tipo implica negociação e concessão. O Bia não gosta de “Eu Te Amo”, eu não gosto de “Alma Corsária”. Para incluir “Todas as Mulheres do Mundo”, de que o Bia não gosta e eu acho um dos melhores exemplos do cinema novo, eu tive que concordar com “Redentor”, para ele dos melhores filmes dessa fase recente do cinema nacional. O Bia sugeriu “O Cheiro do Ralo”, mas eu o considero apenas um filme razoável engrandecido por um grande tipo, vivido por Selton Mello. “Auto da Compadecida” foi vetado porque tem uma linguagem excessivamente televisiva e porque, afinal de contas, a minissérie de TV original é bem melhor que o filme. Finalmente, quando um insistiu muito em um filme que o outro não tinha visto, decidiu-se dar um voto de confiança. Assim eu incluí “Mineirinho Vivo ou Morto”, enquanto o Bia emplacou “A Dama do Cine Shanghai”. O Bia tentou incluir “Não por Acaso”, mas não conseguiu. Eu tentei empurrar alguns títulos da pornochanchada, mas o Bia foi firme.

Eu consegui emplacar uma chanchada, pelo menos, mas o Bia vetou completamente Mazzaropi, cujo “Candinho” é bom.

Havia dois problemas a serem resolvidos. O primeiro é Walter Hugo Khoury. Nem eu nem o Bia duvidamos que ele seja um dos mais importantes cineastas brasileiros; mas não conseguimos achar um filme, especificamente, suficientemente bom. O melhorzinho de todos nos parecia “Amor Estanho Amor”, mas ele simplesmente não parecia ser filme suficiente para uma lista dessas. A não ser que se considere o “conjunto da obra” do Khoury.

O segundo é Nelson Rodrigues. Nenhum autor brasileiro foi tão castigado por cineastas quanto o anjo pornográfico. O tratamento dado a Nelson por cineastas como Neville d’Almeida prejudicou um dos maiores dramaturgos brasileiros da história. E no entanto, a filmografia baseada nele é extensa e importante. O melhor filme feito sobre uma obra de Nelson é “Toda Nudez Será Castigada”, mas aí era Jabor demais em uma lista só. Pelo Bia, não entrava nem mesmo “Eu Te Amo”.

Eu vejo na pornochanchada qualidades reais, um cinema que mesmo comercial era verdadeiro e representava uma evolução natural da chanchada; o Bia acho que a pornochanchada é mais uma curiosidade, não revelou algo de cinematograficamente grande. O gênero não entrou.

Há um terceiro problema, ainda: o da ignorância pura e simples. Tanto eu quanto o Bia conhecemos melhor o cinema estrangeiro que o brasileiro — que sempre enfrentou sérios problemas de distribuição. E nem sempre dá para ver tudo, porque afinal de contas alguém tem que garantir o leite das crianças. É por isso que alguns filmes não entram porque, em primeiro lugar, não vimos: “Edifício Master”, por exemplo. Além disso, certas coisas, cá entre nós, é melhor mesmo não ver.

É isso. A lista está aí. Que sirva de roteiro para que as pessoas passem a gostar mais do cinema brasileiro.

Update: Por favor, parem de deixar comentários lembrando que “Limite” é do Mário Peixoto. Ninguém parece ter entendido a piada. Como não viram que o Barreto que fez “Dona Flor” não foi o Fabio.

Todas as Mulheres do Mundo

  1. Alma Corsária — Carlos Reichenbach
  2. Assalto ao Trem Pagador — Roberto Farias
  3. O Bandido da Luz Vermelha — Rogerio Sganzerla
  4. Bye Bye Brasil — Cacá Diegues
  5. O Cangaceiro — Lima Barreto
  6. Carnaval Atlântida — José Carlos Burle
  7. Central do Brasil — Walter Salles Jr.
  8. Cidade de Deus — Fernando Meirelles
  9. A Dama do Cine Shanghai — Guilherme de Almeida Prado
  10. Deus e o Diabo na Terra do Sol — Glauber Rocha
  11. Dona Flor e Seus Dois Maridos — Fabio Barreto
  12. Eu Te Amo — Arnaldo Jabor
  13. Lucio Flávio, o Passageiro da Agonia — Hector Babenco
  14. Macunaíma — Joaquim Pedro de Andrade
  15. A Marvada Carne — André Klotzel
  16. A Menina do Lado — Alberto Salvá
  17. Mineirinho Vivo ou Morto — Aurélio Teixeira
  18. O Pagador de Promessas — Anselmo Duarte
  19. Pixote — Hector Babenco
  20. Redentor — Cláudio Torres
  21. Rio 40 Graus — Nelson Pereira dos Santos
  22. Terra em Transe — Glauber Rocha
  23. Todas as Mulheres do Mundo — Domingos de Oliveira
  24. Tropa de Elite — José Padilha
  25. Vidas Secas — Nelson Pereira dos Santos

86 thoughts on “Nós cagamos para "Limite" — os 25 melhores filmes brasileiros de acordo com Galvão & Biajoni

  1. Concordo com alguns, outros não vi, mas não incluir “A Dama Da Lotação”? Uma das poucas coisas boas que o Neville de Almeida fez (não me pergunte quais seriam as outras).

    Apesar da produção sofrível, achei muito interessante “O Homem da Capa Preta” do Sergio Rezende, e fui um dos quatro espectadores de “Parada 88, o Limite de Alerta” do José de Anchieta. Nem a trilha do Gismonti salvou o filme do fracasso.

  2. Rafael e Bia:

    A seleção de vocês foi muito boa.

    Eu não sei se a lista está por ordem de qualidade. Se estiver, o Cidade de Deus está na frente qualquer filme brasileiro e de grande parte dos estrangeiros também. Não estou dizendo subjetivamente, mas objetivamente.

    Eu não sei se esse é pornochanchada, mas, o Rio Babilonia tem uma cenas com a Denise Dumont, que o coloca em quaisquer listas de filmes brasilieiros.

  3. Eu sou mais elástico nas negociações. Embora não muito afeito a concessões.
    A lista é boa e muito. Aceitaria na boa ‘toda nudez será castigada’ no lugar de ‘Eu te amo’. E também retiraria ‘Limite’. Mas e incluiria ‘Sinfonia amazônica”.
    A exclusão da pornochanchada foi um erro. Mesmo que seja um ‘fenômeno’ da lei de obrigatoriedade de exibição de filmes nacionais.
    Porque não incluir nada deste gênero, sobre o qual, Matilde Mastrangui decretou; ‘Eu digo e repito: a época mais medíocre do Brasil, culturalmente, foi a década de 70’ ?
    Valeria um post com os ‘melhores’ filmes do gênero?

  4. Só por curiosidade, voces consideram colocar Guerra de Canudos, Bicho de 7 cabeças e Eu sei que vou te amar na lista?

    Só por curiosidade mesmo, eu nao vi a maioria dos filmes da lista, mas esses são filmes que eu gosto bastante.

  5. “Lucio Flávio, o Passageiro da Agonia” tem alguma relação com o grande filme “Quem matou Lucio Flávio”?

  6. ai, limite nunca que é do humberto mauro… vocês realmente nao gostam do filme, aliás, nao sabem nada do filme. doeu.

  7. Allan,
    “A Dama do Lotação” foi considerado, mas… Sei lá. 🙂

    Santiago,
    Lista em ordem alfabética. E é verdade, a cena da piscina de “Rio Babilônia” valeria a inclusão. Mas aí a gente teria que incluir também “Prova de Fogo”, com uma Maitê Proença de 20 e poucos anos, nua e lindíssima. E “Cidade de Deus”, numa lista por ordem de qualidade, viria aí pelo sétimo lugar. 🙂

    fm,
    Eu não vi “Sinfonia Amazônica”. Quanto à exclusão da pornochanchada, eu não sei. Talvez eu goste mais dela pelo valor histórico, pelo registro de uma fase interessante da história do Brasil, e pelo fato de ter uma abordagem interessante da alma brasileira. Mas se eu fosse fazer uma lista de melhores, o primeiro lugar seria de “Essa Gostosa Brincadeira a Dois”, com o Mossy e a Vera Fischer. Tentei empurrar esse na lista, mas o Bia vetou. 🙂

    Luís,
    Não. 🙂

    Arthur,
    Fora o tema e a época, não.

    Ana,
    Pois é. Pra você ver como a gente leva “Limite” a sério. 😉

  8. Não fosse a locução em off, um tanto falsa, e os diálogos sobre sexo muito apimentados, o que limita a idadade da plateia, Cidade de Deus poderia ser o melhor filme do mundo; um Cidadão Kane. No Brasil tem: João Gilberto; Vila Lobos, Pichinguinha e Cidade de Deus, não necessariamente nesta ordem; o resto está no segundo escalão, lamentavelmente.

  9. “Cidade de Deus” melhor do que “Cidadão Kane”?
    Hmm…além das mudanças propostas acho que precisaria de uma alteração no roteiro também…o moleque depois de chegar a repórter-fotográfico continuaria sua ascensão profissional até se tornar dono do jornal e magnata das comunicações..um Roberto Marinho atormentado…

  10. mas é que, me desculpe a intromissao, eu teria vergonha de deixar um erro tao grotesco como esse logo no início do meu post. cara, trata-se de um conhecimento mínimo de história do cinema brasileiro, e seu post trata disso, queira ou nao queira. nao quero ficar polemizando, etc, nem costumo fazer isso, mas existe um cineasta brasileiro chamado mário peixoto, e ele é importante sim (assim como h. mauro), mesmo que seja para falar mal.

  11. Lá no Twitter sugeri “Edifício Master”, que pra mim é fácil fácil o melhor filme brasileiro dos últimos 15 anos, incluídos “Tropa de Elite” e “Central do Brasil” na levada. Mas esqueci de citar uma comédia sensacional: “Bar Esperança”, do Hugo Carvana. Incluiria também algum filme do Roberto Santos: ou “O Grande Momento”, a obra-prima do neo-realismo italiano não produzida na terra de Rosselini, ou “A Hora e a Vez de Augusto Matraga”, excelente adaptação do conto do Rosa.

  12. Eu teria que morrer e nascer de novo para ter bagagem suficiente para comentar algo que preste neste post. Não que meus outros comments sejam assim tão bons, mas dão pro gasto, pelo menos consigo fingir que entendo o que escreveu, o contrário desse!! 😉

  13. Lista é lista, gosto é gosto…como não conheço vários e vcs sacam muito mais de cinema do que eu, nem ia palpitar…mas…não resisto, cara, não resisto: incluir “A Menina do Lado” e não incluir “Central do Brasil” é demais para o meu pobre coraçãozinho….

  14. Taí, bacaninha a lista, boa a iniciativa. Rasgada a seda, às ponderações críticas:
    de onde vocês tiraram que ” A menina do lado”, ” Redentor” e “Eu te amo” têm estofo , cinematoráfico, de roteiro ou atuações para entrar em qalquer bestof ?? ( bestof, de besta com estofo, claro).
    Se é pra falar de amorzinho juvenil ( tudo bem que sem a mistura de gerações) , ” Era uma vez dois verões” , do Jorge Furtado, é muito mais bacana, melhor realizado e surpreendente,por exemplo. ” Redentor”, como uma certa análise da sociedade através de seus extremos, poderia muito bem ser substituído por praticamente qualquer filme do Beto Brant , menos ” Crime delicado” que é uam chatice só. Mas ” Matadores” , ” O invasor” e ” Ação entre amigos” estão a quilômetros de distância de seus congêneres, né não ?
    Ah sim, como a idéia de ” melhor filme ” engloba ficção e não-ficção, não teria como deixar de fora de qualquer lista aquele “Crônica de uma guerra particular”, do João Moreira Salles ( convenhamos, Central do Brasil ,com todo aquele amontoad de clichês , só entrou na lista por ufanismo, não? então se é para premiar alguém da família, o João é mais)
    abraços

  15. Vocês entendem tanto de cinema que acham que “Limite” é de Humberto Mauro. De cagar, vocês entendem mesmo. São cuzões perfeitos.

  16. Boa lista. Limite é chato mesmo (mas livrem o finado Humberto Mauro da autoria – o culpado é o Mario Peixoto (ou Peixato, para os íntimos).

    No mais, troco toda a obra do Arnaldo Jabor, Neville, Hugo Carvana e Domingos de Oliveira por “Noite Vazia” do Khoury. E ainda tem troco.

  17. Vocês chegaram a ver Limite? O filme é de Mário Peixoto, e não se parece em absoluto com qualquer obra de Humberto Mauro.

  18. Gostei muito da lista de vocês, mas, como disse o Inagaki aí acima, “Edifício Master” não poderia ter ficado de fora, fato só justificado por vocês não terem visto o filme. Outro que poderia ter entrado, também do Eduardo Coutinho, seria “Jogo de cena”. “Cabra marcado para morrer”, que o Pedro Doria sugeriu no blog dele, eu ainda não encontrei para assistir…
    Agora, fazer uma lista é muito difícil. Sempre vai ter alguém sugerindo a inclusão, ou exclusão, de um ou outro filme (como eu estou fazendo agora)

  19. Vivien,
    Seu coraçãozinho precisa ir ao oftalmologista. “Central do Brasil” está na lista.

    Todos que lembraram que “Limite” é do Mario Peixoto,
    Vocês têm razão.

    Neville,
    Somos cuzões, sim, e pelo visto você anda com sérios problemas de prisão de ventre. Relaxa. De todo modo, continuamos não gostando dos filmes do seu xará (ou seus?). Na verdade, a gente e a torcida do Flamengo inteira. Aliás, a gente só gosta de “Rio Babilônia”, e mesmo assim por causa da cena de sacanagem na piscina. Se você for o Neville de Almeida, pare de reclamar da gente e vá fazer um filme que preste. Se você não for, o Neville que me desculpe a grosseria, mas é que, bem, você entende.

    Ina,
    Na lista faltam grandes cineastas, como o Roberto Santos e o Luis Carlos Person. Mas lista é uma merda.

    Pimentel,
    No texto a gente fala que “A Menina do Lado” não tem mesmo esse estofo de que você fala. É uma questão afetiva e histórica. De qualquer forma, “Houve Uma Vez Dois Verões” tampouco tem. E a lista só se referia a ficção, mesmo. E eu acho que Central do Brasil é um grande filme. Mas listaé uma merda. 😉

  20. Se o critério for pessoal, pois eu não conheço muito de cinema brasileiro antes da retomada, incluiria “O Invasor”, um grande filme de suspense na vida real, e “Durval Discos”.

    Em 1993, a revista Bizz fez uma lista dos 100 discos mais chatos da história do rock. Havia certo critério, só poderia entrar obra de grupo ou cantor que tivesse um background, não qualquer bandinha, não qualquer disquinho tolo. Embora longe de qualquer consenso, como toda lista de melhores e piores, foi uma matéria tão interessante que até hoje, passados 15 anos, me lembro de vários discos citados nela.

  21. Rafael, Limite não é de Humberto Mauro. É de, como é o nome dele?, me esqueci.

    Aliás, outro dia, estava dizendo ao meu amigo André Setaro que não gosto de Limite. Ele, então, da alto de sua sapiência cinemástica (copiráite para Riachão) me explicou que é porque a versão que eu tinho visto não é a original, que a original é isso e aquilo e aquiloutro. Mas, como não vou ver nunca a original, fica do jeito que tá.

    Quanto à lista, bom. Pior do que lista, só comentadores de lista, como nosostros.

    Então, deixe-me reparar a maior injustiça desta lista. Cinema, Aspirinas e Urubus é um dos melhores filmes brasileiros da última década. Da última década, não. De todos os tempos.

    Colocaria também Superoutro, de Edgard Navarro. Filmaço, deliciosamente baiano. Apesar das controvérsias, entrava também com Lavoura Arcaica. E mesmo já tendo um de Roberto Farias, botaria também Pra frente Brasil.

    Além disso, colocaria Terra em Transe lá em cima, junto com Bye, Bye Brasil.

    Por outro lado, da lista dos melhores têm que ser limados, urgentemente, Redentor (arg), eu te amo (arg e arg) e Central do Brasil.

    P.S daqui a pouco ou edição extraordinária volto para proferir mais e melhores bobagens.

  22. acho que a geração que foi adolescente na década de 80 (inclusive eu) não olha com bons olhos a chanchada e a pornochanchada. preconceito mesmo.porque conhecer, a gente não conhece. e na verdade, nem quer conhecer(inclusive eu, de novo). mas com a quantidade de filmes que foram feitos, deve ter muita coisa boa. e tem uma leva de filmes politicos ou históricos (sei lá) que a passou meio batido por essa geração, tipo sargente getúlio, janio 24 quadros, e que eu acho que o melhor exemplar (e mais famoso) é eles não usam blck tie. e, por fim, acho que a gente tem bons documentaristas, talvez fosse o caso de uma lista de documentários. (os irmãos salles são relativamente conhecidos por seus documentários, por exemplo)

  23. Nesta lista, senti falta de “Gaijin – Caminhos da Liberdade” e “Parahyba Mulher Macho” da Tizuca Yamazaki. E também de um documentário, “Jango”, de Silvio Tendler. Muito bom mesmo. E filme infantil não conta? Gostei de “O Menino Maluquinho I” de Helvécio Ratton. Ouvi boas referências sobre o “Castelo Ra-Tim-Bum, de Cao Hamburger, não assisti. Sem preconceito, Simão, o Fantasma Trapalhão” de Paulo Aragão, tá dentro. Não é possível que nesta lista não tenha lugar para Renato Aragão. E “Luz del Fuego” de David Neves? Imperdoável mesmo é não estar na lista “Eles não usam black tie” de Leon Hirszman, tem razão Breno B.
    Se ficarmos aqui pensando, a lista vai a 100.
    E, como disse o Rafael Galvão “Mas listaé uma merda. ;)”.

  24. Só dois comentários: dos filmes brasileiros que eu vi, “Cidade de Deus” é o melhor de todos; não sei se vale pros critérios de vcs, mas “Ônibus 174” é uma aula de como se fazer um documentário. Estaria fácil na minha lista de melhores filmes brasileiros.

    Abraços,

  25. Um dos melhores filmes feitos nos últimos 20 anos é Serras da desordem, do Andrea Tonacci

  26. Minha lista seria diferente
    Eu tiraria muita coisa e incluiria
    Andrea Tonacci – Bang Bang
    Andrea Tonacci – Serras da Desordem (o melhor filme brasileiro em décadas)
    Leon Hirzsman – São Bernardo
    Julio Bressane – Tabu
    Luis Sérgio Person – São Paulo SA
    Eduardo Coutinho – Cabra Marcado Para Morrer
    Eduardo Coutinho – Santo Forte
    Ruy Guerra – Os fuzis
    Jorge Bodanzky e Orlando Senna – Iracema uma transa Amzônica
    Luis Sérgio Person – O caso dos irmãos Naves
    Ana Carolina – Mar de Rosas
    Arnaldo Jabor – Opinião Pública
    Joaquim Pedro de Andrade – Garrincha, alegria do povo
    Julio Bressane – O anjo Nasceu
    Carlos Alberto Prates – Cabaré Mineiro
    Neville d’Almeida – Rio Babilônia
    Ozualdo Candeias – A Margem
    Ivan Cardoso – Sentença de Deus
    Nelson Pereira dos Santos – Amuleto de Ogum
    Rogério Sganzerla – A mulher de todos

    manteria:
    # Assalto ao Trem Pagador — Roberto Farias
    # O Bandido da Luz Vermelha — Rogerio Sganzerla
    # Bye Bye Brasil — Cacá Diegues
    #Deus e o Diabo na Terra do Sol — Glauber Rocha
    # Macunaíma — Joaquim Pedro de Andrade
    # A Marvada Carne — André Klotzel
    # O Pagador de Promessas — Anselmo Duarte
    # Pixote — Hector Babenco
    # Rio 40 Graus — Nelson Pereira dos Santos
    # Terra em Transe — Glauber Rocha
    # Vidas Secas — Nelson Pereira dos Santos

  27. Bom, o melhor de qualquer lista é a polêmica. Eu vejo uma enorme injustiça com São Bernardo, de Leon Hirszman. Talvez explique o fato do filme quase não ter sido visto aqui no Brasil. Leio que está sendo restaurado e será lançado em DVD. Assim, espero uma melhor avaliação em breve. Outro três, em menor injustiça, também colocaria entre os 25: Lavoura Arcaica, de Luiz Fernando Carvalho, O Amuleto de Ogum, do Nelson Pereira dos Santos e Aleluia Gretchen do Sylvio Back. Que tal uma lista dos 30 melhores? E fica o meu protesto pelos votos a Rio Babilônia. Se for pela sacanagem na piscina, muito melhor é Oh! Rebuceteio do Cláudio Cunha, o melhor filme pornô já feito em toda a história do cinema internacional.

  28. EU TIRARIA TROPA DE ELITE, QUE É ABSOLUTAMENTE DESCARTÁVEL E COLOCARIA O ALTO DA COMPADECIDA, OU MESMO SANEAMENTO BÁSICO. FILMES BEM MAIS INTERESSANTES E ARTÍSTICOS. FILMES COMERCIAIS NÃO DEVEM CONTAR.

  29. Poxa, acho que só eu amei o filme “o que é isso companheiro” Raramente vejo esse titulo envolvido com o cinema nacional. Mas agora terei que assistir aos titulos relacionados acima que ainda não tive o privilégio de ver. Abraço

  30. Olá.
    Não sei os nomes dos diretores, mas sem dúvida incluiria na sua lista “BUFO E SPALANZANI”, “A DAMA DO LOTAÇÃO” e “BOSSA NOVA”

  31. Cadê O AUTO DA COMPADECIDA ?????????? Melhor filme de todos???
    E o CHOCOLATE COM PIMENTA ??? não me lembro bem se é esse o nome, se passa na Baía e uma cozinheira vai embora para os Estados Unidos depois de uma traição do marido que era pescador, e lá consegue um programa na TV com receitas que usam chocolate com pimenta… uma história linda!!!

  32. Eu vou sugerir um filme véio pra cachorro, “Rua Sem Sol”. Um “noir” brasileiro muito competente, nunca me esqueci dele. E também sugiro “O Homem Que Copiava”, gostei muito da narrativa.

  33. Aprecio todas as formas de artes, mas não sou uma estudiosa do assunto. Porém, tenho o costume de assistir filmes brasileiros, primeiro por acreditar que devemos valorizar o que produzimos, segundo por adimirar profundamente os nossos atores, os nossos artistas e depois por achar nossas obras espetaculares. Alguns da lista feita eu ainda não tive oportunidade de assistir, mas creio que à ela, acrescentaria o MAGNÍFICO “O Auto da Compadecida”!! Já assisti várias vezes e nunca me canso de vê-lo mais uma e outra vez.

  34. Ei! Vocês esqueceram do “O que é isso, companheiro”.
    Esse filme é excelente! Claro que os que vocês selecionaram também são bons, mas esse não pode ser deixado de lado!!
    Até +

  35. Aprecio todas as formas de artes, mas não sou uma estudiosa do assunto. Porém, tenho o costume de assistir filmes brasileiros, primeiro por acreditar que devemos valorizar o que produzimos, segundo por (em tempo)ADMIRAR profundamente os nossos atores, os nossos artistas e depois por achar nossas obras espetaculares. Alguns da lista feita eu ainda não tive oportunidade de assistir, mas creio que à ela, acrescentaria o MAGNÍFICO “O Auto da Compadecida”!! Já assisti várias vezes e nunca me canso de vê-lo mais uma e outra vez.

  36. Queridos, vcs tem toda razaão na resposta ao Neville, que aliás, espero q n seja o de Almeida…
    Concordo que faltou ‘eles não usam black tie’ e ‘bar esperança’; ‘lavoura arcaica’ e ‘marvada carne’, no entanto, não sei se foram lembrados, mas prá entrar na lista mereciam retoques.

  37. Nenhum comentário sobre “O que é isso companheiro”, do Bruno Barreto.gostei muito do filme.
    gostei também de Carlota Joaquina.
    abraços

  38. Não assisti a todos mas “Redentor” não merece estar aí…”Auto da Compadecida”,”Cabra marcado para morrer”,O cheiro do ralo” “Edifício Master” e pq não “Quanto vale ou é por quilo”…

  39. Faltou ANJOS DO SOL, quem não assistiu corra para a locadora e assista, é um muro no estômago de quem tá assistindo. Sensacional!

  40. Boa a idéia, mas faltou filmes bons nessa lista…

    Carlota Joaquina
    Eles não usam Blacktie
    Casa de Areia
    O Auto da Compadecida

    E deixo aqui minha posição em relação ao cinema brasileiro, no mundo cinematografico…estamos muito perto de abocanhar uma fatia grande do mercado internacional.

  41. Pelo amor de Deus, vcs esqueceram de colocar “O Auto da Compadecida”, que coisa…Ainda falam que entendem de cinema brasileiro??? Não sabem nada, vezes nada, nem fazer o O com um copo vcs sabem, e ainda ficam querendo opinar sobre isso, a gente quando não sabe de uma coisa tem que parar, ainda mais colocar na net uma panacéia dessas. Parem com isso, vcs podem fazer qualquer outra coisa, menos ficar arrotando bagaço como se fossem os donos da verdade. Fecha essa página e vão tentar outra coisa.

  42. “O Caso dos Irmãos Naves” e “Lavoura Arcaica” são brilhantes.Em uma lista dessas eu jamais colocaria “Tropa de Elite”,é um filme importante para a cinematografia brasileira,porém,não pela qualidade artística.Parabéns pela escolha de “O Pagador de Promessas”,é um filme que assim como os dois citados acima,”dói na alma”.

  43. Lamentei a ausência de OLGA na relação dos 25 melhores. Aliás, Olga deveria ter sido, inclusive, indicado para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Acho que nem no Brasil teve o reconhecimento merecido, mas, gosto é gosto…

  44. …Bom,..esqueci de comentar sobre o título…”CAGUEI..”…
    ..Acho que foi meio grosseiro, pessoal,..da parte de vocês..!
    ..Até com o AUTOR do filme..!!..já falecido..!..o cara não tem
    culpa se MITIFICARAM o filme, DELE..!!..eu pediria, DESCULPA
    e TROCARIA,…por,..”não estãmos,..nem aí..”..por exemplo.>!
    ..E mais um negócio,…sobre a lista..!…Quem assistiu uma
    comédia chamada…..:..” OS NORMAIS”…é MUUUITO legal,..
    indepente da série,..que foi muito boa, também,…eu colocaria
    na LISTA..!

  45. É difícil eleger os melhores filmes brasileiros por “n” motivos. Vi entre os comentários e indicações de substituição. O auto da compadecida por exemplo é um bom filme, mas foi projetado como micro-série, e cortando as cenas que cortam o filme perde muito de seu sentido, então, mesmo sendo bom eu não o incluiria. Fica de fora um filme que marcou muito o cenário brasileiro “Bicho de sete cabeças”… e outros que tiveram seus sucessos e foram bons: “Amarelo manga”, “O invasor”… Acho que o que não falta no cinema brasileiro é filme bom, claro que junto desses vem uns ruins… mas está valendo.

  46. Concordo com o Inagaki, tinha que ter “Edifício Master” aí. E provavelmente “Nós que aqui estamos etc”. também.

    “Redentor”…humm…hammm. Não sei. Como sabem ando bronqueado com Pedro Cardoso, aquele corno manso. 🙂

    Já o “Auto da Compadecida” tinha que entrar, nem que fosse pra sacanear o Pedro Cardoso.

    E cadê o “Bacalhau”, porra????????

    ps: têm um pornochanchada soft que deve ser um dos primeiros filmes da Sandra Barsotti onde ela está uma graça, mas não lembro o nome…passa no Canal Brasil de quando em veiz. E tinha que pôr aí o Prata Palomares. O filme é muito ruim, mas tem a Ítala Nandi. Meus critérios são muito artísticos.

  47. Na minha lista seria incluído com certeza “O Xangô de Backer Street”…
    Maravilhoso, engraçado e ainda assim cheio de suspense!!!
    E tem também uns e outros que não me lembro do nome correto mais que são ótimos…
    Vida longa ao cinema nacional!

  48. “Limite” é do Mário Peixoto! (950 vezes)

    E não, ninguém entendeu essa tentativa frustrada de piada.

    E sim, é imperdoável terem “CAGADO” para Limite.

  49. Lista é lista, cada um faz a sua. Não vejo muita necessidade pras justificativas de gosto, ainda mais pra filmes que mesmo quem escolhe ache mediano. Normal, botou na lista porque gosta, não porque acha “melhor”. Mas devo dizer que concordaria mais com a lista que o Tiago Mesquita fez. Não seria a minha, mas ali só tem obra-prima. De todo jeito, dois dos meus filmes prediletos no mundo não foram falados, então fica a sugestão, pra quem ainda não tiver visto, que veja Rio Zona Norte, do Nelson Pereira, e A Mulher de Todos, do Sganzerla.

  50. do alto, fico compadecido com todos os críticos da lista.
    ;^)
    limite é tanto do humberto mauro quanto O TERCEIRO HOMEM é do ORSON WELLES (ei, ei, piada muito sofisticada, pule quem acha que a lista devia ter algum filme do beto brant)
    :^)
    os comentários aqui e no pedro dória merecem novos posts, vai dizer, rafa?
    :^*

  51. Vocês não gostam ou não viram “Terra Estrangeira”?
    Eu entendo mais de cinema iraniano que brasileiro, mas do fundo de minha ignorância considero esse um filme obrigatório.

  52. Gostei da lista, incluiria Memórias do Cárcere, O Homem que Virou Suco e o já citado Terra Estrangeira.

  53. Como assim, Rafael?

    Esqueceu de “Amor sublime amor”???

    qualquer lista que não tenha esse filme não merece meu respeito hsuasuahsuashaushuahsuahusa

    abraços

  54. Ausências sentidas:

    Cronicamente inviável;

    Notícias de uma guerra particular;

    ônibus 174;

    Jango;

    Edifício Master;

    Os normais.

    Menção honrosa para a lembrança de Macunaíma!!!

    Redentor, Central do Brasil e Menina do lado são dispensáveis na lista…

  55. Em tempo:

    SANEAMENTO BÁSICO merecia sorte melhor na lista, assim como “O que é isso, companheiro?”.

  56. Toda e qualquer lista será polêmica.Tiraria vários filmes e colocaria outros. Imperdoável mesmo é faltar “A margem” do Candeias e “Os 2 filhos de Francisco”,este simplemesmente um dos melhores filmes já feitos no Brasil.Excelente como cinema e muito bem sucedido comercialmente. Um verdadeiro fenômeno.

  57. faltaram 32 filmes importantíssimos,14 básicos e 17 só importantes, mas não vou listá-los aqui por falta de memória e energia eletr

  58. So digo isso:
    A Hora da Estrela – Solange Amaral
    Memorias do Carcere – Nelson Pereira dos Santos

    bj

  59. A lista com algumas modificações importantes:
    1. LIMITE-Mário Peixoto
    2. Assalto ao Trem Pagador — Roberto Farias
    3. O Mandarim-Júlio Bressane
    4. Bye Bye Brasil — Cacá Diegues
    5. O Cangaceiro — Lima Barreto
    6. Os Paqueras-Reginaldo Farias
    7. Aviso aos Navegantes-Watson Macedo
    8. Cidade de Deus — Fernando Meirelles
    9. Chuvas de Verão-Cacá Diegues
    10. Deus e o Diabo na Terra do Sol — Glauber Rocha
    11. Dona Flor e Seus Dois Maridos — Fabio Barreto
    12. Eu Te Amo — Arnaldo Jabor
    13. Bonga,o Vagabundo-Vitor Lima
    14. Macunaíma — Joaquim Pedro de Andrade
    15. Eu,Tu,Êles-Andrucha Waddington
    16. Das Tripas,Coração-Ana Carolina
    17. O Vendedor de Linguiças-Mazzaropi
    18. O Pagador de Promessas — Anselmo Duarte
    19. Pixote — Hector Babenco
    20.Bar Esperança,o Último que Fecha-Hugo Carvana
    21. Rio 40 Graus — Nelson Pereira dos Santos
    22. Terra em Transe — Glauber Rocha
    23. Amei um Bicheiro-Jorge Ileli e Paulo Wanderley
    24. Xica da Silva-Cacá Diegues
    25. Vidas Secas — Nelson Pereira dos Santos

  60. Piada é? Hummmmm(berto Mauro) ? Sei…
    “Limite” é uma obra-prima. Já vi muitas vezes. E, sinceramente, foi por puro acaso que “catei” aquele VHS da GloboFilmes quando o filme nem mesmo era comentado. Depois – de tanto falar – alguns amigos vinham comentar que leram alguma coisa sobre ele na Ilustrada que quando alguém o cita é porque que ser descolado e coisa e tal. Uma pena. Mas o filme é realmente denso, diria baixo astral, dá uma depressão…E aquele início com os urubus por sobre o corpo estendido na pedra e a música de Eric Satie ? É uma das coisas mais lindas que já vi!Tem que ter um “quê” de introspecção…gente muito pra cima não agüenta não!

    Só mais um detalhe: a mitologia em cima de Limite é recente (anos 90) e ele não deixou influências ou viram uma matéria no Metrópolis. Mas eu entendo que agora a impressão que fica é na cinematografia nacional. Glauber, aliás, detestava “Limite”.Mas juro, não é por isso que abomino Glauber Rocha: esse sim é mitificado e fazia um cinema panfletário tão primário que hoje qualquer punk de 14 anos faria melhor. E ainda se achava um gênio!

    Eu citaria também “Nós que aqui estamos por vós esperamos” – documentário magistral que resume o século XX com imagens e sons. Fantástico! Também “O Bandido da Luz Vermelha”, “Eles não usam black-tie” e “O Pagador de Promessas”. Bons filmes: “Ação Ente Amigos”, “O auto da compadecida”, “Vidas Secas”, etc

    Alguns eu realmente não vi, mas muitos que foram citados são absolutamente descartáveis, o que não quer dizer que não tenham qualidade. Mas tem coisa muito ruim aí em cima. Sem falar que há filmes – principalmente dos anos 70 e 80 – com bons roteiros, mas produções realmente sofríveis.
    Abraços

  61. Bom, acho ruim terem deixado o “Limite” de fora; se assim fosse, qualquer lista de pinturas deveria deixar a “Mona Lisa” de fora, já que o burburinho “poderia atrapalhar”… Qualquer estudioso de Cinema (bem como de qualquer arte) sabe que, com o passar do tempo, a apreensão do objeto artístico se modifica (e nos modifica igualmente), o que não quer dizer que devemos nos pautar pelo que está mais próximo de nossa compreensão….
    E também concordo que poderiam ter sido menos grosseiros…

  62. O Cinema Brasileiro está no mesmo nível do cinema francês. É muito bom desde o seu pior momento. É o cinema que realmente faz titulos maravilhosos. Por isso, não devemos laçar listas com 20,25 ou 30 filmes e sim, com …

  63. Gostei da lista. Gosto sempre de listas.

    Faltaram 2 imperdíveis que eu colocaria sempre em um TOP 5:
    – LAVOURA ARCAICA
    – TERRA ESTRANGEIRA

    Que bom que vcs incluíram “Todas as Mulheres do Mundo”
    Vou checar os que eu não vi ainda.

  64. Realmente, a palavra Estética anda na boca das pessoas como se fosse latrina. Meu caro, critério estético nada tem a ver com comércio. Procure ver o que é Estética. Outra coisa: Arte é um processo de criação individual, pelo menos no Cinema de autor. O artista não é animador cultural, ele transmite sua visão do mundo e fim de papo. Daqui a pouco, você vai criticar Van Gogh por ter pintado o sol daquela forma ou Dali por fazer relógios derretendo. Stravinsky levou tomate na cara quando da estréia de A sagração da primavera, Luis Buñuel quase foi apedrejado quando apresentou Um cão andaluz. Se o artista não chegou no grande público, que se foda o grande público, vão estudar Arte e vivenciar a Arte. Outra coisa, meu caro, gostaria que você fundamentasse sua crítica sobre Limite de forma cinematográfica e não dizendo que ele é confuso, metafórico ou denso, isso é papo de pseudointelectual como você mesmo diz. Na Arte não existe evolução mas sim transformação. A linguagem vem antes da técnica. Toda revolução feita no Cinema, aconteceu nos anos 20. A montagem, que é sua especificidade,foi criada lá e de lá para cá, nada foi feito de revolucionário e Limite se enquadra neste período revolucionário. Limite é uma aula de montagem e expressão. Limite tem a característica da grande Arte: Originalidade, singularidade e múltiplas leituras. A Arte transcende ideologias e classes sociais. O artista predileto de Marx era Balzac e o artista predileto de Lukács era Thomas Mann [ver Bagdá Café]. Limite não faz parte da subarte que a cultura de massa nos passa todos os dias num processo de imbecilização sistemático. A grande Arte nos possibilita ouvir o canto das sereias sem sucumbir nos rochedos e Limite nos dá essa possibilidade. Obs: Pensar dói.

  65. Achei um absurdo “O Pagador de Promessas” em 18º e “Terra em Transe” em 22º; esses filmes tinham que estar entre os 5 primeiros. Quer dizer então que “Redentor” é melhor que “Terra em Transe”??

  66. Minha lista:
    01) Terra em Transe
    02) Deus e o Diabo na terra do sol
    03) Cidade de Deus
    04) Tropa de Elite
    05) Estômago
    06) Lavoura Arcaica
    07) Nós que aqui estamos, por vós esperamos
    08) O Invasor
    09) Cabra Cega
    10) O Cheiro do Ralo (ou Cheiro do Rabo)
    11) Cafundó
    12) Pixote
    13) Durval Discos
    14) A Dama do Lotação
    15) Central do Brasil
    16) Baile Perfumado
    17) Meu nome não é Johny
    18) A reunião dos Demônios (Que mudou depois para Os 3 zuretas)
    19) Baile Perfumado
    20) Os Matadores
    21) Rio 40 graus
    22) Chico Xavier
    23) O que é isso, companheiro?
    24) Ação entre amigos
    25) Jean Charles

  67. Olá!
    Parabéns pela lista. Gostei muito dos critérios adotados, que vocês dissertaram, principalmente por ter sido feito a quatro mãos, coisa rara. Sabem que tirei umas horas hoje para ler sobre cinema brasileiro, e depois de umas dez listas com as quais me deparei, esta é a primeira a constar Pagador de Promessas? É tipo em 10 listas de cinema estadunidense não se encontrar Poderoso Chefão.

    Em especial, parabenizo por constar Bye Bye Brasil! Filme que considero não menos que épico e ao qual guardo um enorme carinho.

    O que não tenho visto, mesmo na lista de vocês, é menção de O Quatrilho. Não precisa entrar nas listas, mas o filme é sequer mencionado na mais de uma dúzia de listas que conferi até agora, e acho que não deveria passar batido. É um filme de fato muito bom e como marco histórico, de movimentar a indústria cinematográfica nacional e tal, não é menos importante que os petardos de Salles e Meirelles.

    Abraços e parabéns pelo trabalho!

  68. Por que Iracema não tá na lista?
    Sei lá com esse Tropa de Elite hein, acho Amarelo Manga melhor.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *