Esprit d’escalier

Sem modéstia, eu sou dono de um dos maiores esprits d’escalier que conheço.

Esprit d’escalier é aquela resposta adequada na qual você só pensa muito tempo depois de levar um belo desaforo nas fuças. Por isso o nome, espírito de escada: a frase perfeita que só lhe vem quando você já está descendo a escada, batendo em retirada, humilhado. É o consolo dos idiotas.

Depois da hora certa, eu posso ser genial. Sem ninguém na minha frente, eu sou brilhante.

Mas de vez em quando eu penso na coisa certa na hora certa, e esses momentos me enchem de orgulho, e meus netos me ouvirão repetir essas mesmas histórias vezes e vezes a fio, daqui a muitos anos — tanto mais porque são muito poucas as vezes em que consegui esse feito.

Aconteceu isso em Londres, uns meses atrás, ali perto do Ritz. Eu estava com fome. E já estava meio cansado de comprar aqueles takeaways nas Sainsbury’s da vida para comer sentado em algum parque ou praça.

Foi quando a gente viu uma Pizza Hut. Pizza Hut deve ser barato, foi o que a gente pensou. É a única vantagem dessa comida ruim que se espalha pelo mundo: o gosto pode ser uma droga, mas pelo menos os preços são acessíveis. É o que faz você tolerar um McDonald’s, uma Pizza Hut, uma Domino’s, um Burger King, essas coisas que se espalham como praga com seu paladar uniformizado e industrializado e que tornam o mundo um pouco mais pobre.

Quando a gente entrou, uma moça veio nos receber com o menu na mão e nos encaminhou para a nossa mesa.

Era um sinal, e mau. Obviamente, nós não fomos inteligentes o suficiente para perceber o óbvio: uma Pizza Hut nas imediações do Ritz poderia ser tudo, menos barata.

Sentamos à mesa que a moça indicou e abrimos o cardápio. E então os preços saltaram aos nossos olhos, e eram libras pesadas sobre nossos bolsos depauperados.

Eu não ia comer ali. Era caro demais. Eu podia dar à minha pobreza uma outra desculpa, a de que o preço não era apenas alto, era exorbitante diante de comida ruim, mas para ser honesto não era essa questão, não diante da minha fome: era só falta de dinheiro, mesmo.

O que me deixava com um novo problema, que se juntava à minha fome.

A gente tem vergonha de umas coisas bobas na vida, que à medida que o tempo passa vão ficando mais ridículas. Isso de sair de um restaurante porque não pode pagar, por exemplo. Se eu fosse rico, não ligaria de olhar os preços, torcer o lábio e me levantar fazendo cara de nojinho, e ainda dizer no mais esnobe sotaque inglês “Oh, dear, it’s improperly expensive, and it’s not worth it!”. Mas para mim, que aprendi com minha mãezinha que a gente era pobre mas era limpinho, é uma coisa meio vexatória esse negócio de levantar de uma mesa depois de ver os preços. É uma confissão meio humilhante. Dá vergonha. Se eu pelo menos tivesse saído antes de abrir o cardápio.

Mas não era só isso que me mortificava. Imagem de brasileiro lá fora já é tão ruim, meu Deus. Pior em Londres, lugar onde a polícia gosta de matar brasileiro no metrô. E lá ia eu avacalhar ainda mais a impressão que as pessoas têm do meu cantinho. A partir daquele dia, a moça que nos recebeu à porta, quando entrasse mais um brasileiro, diria baixinho para as suas colegas: “Olha, lá vem mais um brasileiro que não pode pagar uma pizza. Vai lá atender esse povo, Elizabeth”.

Mas Deus protege os tolos, é o que dizem, e enquanto me levantava e me encaminhava para a saída eu de repente percebi que havia, sim, uma frase que eu poderia dizer e que resgataria a minha honra e a minha decência, e defenderia a honra do meu país como um Duque de Caxias ou um Almirante Tamandaré, e falei bem alto, para que todos me ouvissem:

— Yo me voy, acá es muy caro! En Argentina no es asi!

E saí de lá com a impressão de que fiz mais pela imagem do meu país do que quinze Lulas e oito Celsos Amorim.

29 thoughts on “Esprit d’escalier

  1. Você não sabe o que perdeu. Principalmente pedindo metade Chicken Supreme e metade Meat Feast. E com borda de Cheesy Bites. Ai ai ai.

    E não exite Pizza Hut como a do UK.

  2. Rolou no avião uma vez, a turma de uma agencia fazia muito barulho pertubando os demais passageiros que também eram publicitários.
    Alguém muito chateado perguntou:
    – De que agências vocês são?
    – Somos da Africa.
    Por sorte, não havia ninguém da Africa no voo.

    Abração do amigão.

  3. Ótimo post. Eu descubro as melhores respostas que não dei naquele momento entre a vigília e o sono, mas acho que nunca pensaria na sua saída!
    Parabéns e sucesso

  4. pois eu tive que sair na argentina, mesmo…era um jantar com tango. Devia ser o tango mais best de lá, ou o jantar, sei lá. Vimos o preço e saímos. Da próxima vez vou lembrar de reclamar em inglês londrino 🙂

  5. Isso é que é matar dois coelhos com uma tijolada só. Primeiro pela sacaneada nos hermanos. Depois pela saida ‘honrosa’.

    Mas embora eu já tenha me sentido assim, hoje em dia eu não tenho nenhum pudor de sair de um lugar se o preço não cabe no meu bolso. Acho que eu estou pegando complexo de rico.

  6. Rafael, essa tua história já deve estar sendo contada à boca pequena em todos aqueles restaurantes do West End. Me diverti tanto que fiz questão de traduzir e mandar o link para um amigo na França que aprende português. Fama internacional é isso aí.

  7. Não conheço Londres, mas vi que preciso aprender espanhol. Ou simplesmente decorar a frase final.

  8. Guri, este post merece ser lido e relido. Reavivou minha raiva dos hermanos. Que bom estar longe deles!!:)

  9. Com exceção da ausência das exclamações invertidas, está perfeito o texto. Ri muito, aquela risada gostosa que só quem toca no ponto sabe fazer. Obrigado!

  10. Otimo, de anos que leio blogs e odeio, acho muita babaquice… este foi o primeiro texto que fez valer a pena eu ainda tentar gostar de ler blogs… otimo, otimo… otimo…

  11. Porra Rafael, eu sou assim também. Na hora sou incapaz de dizer o desaforo necessário, mas depois eu reflito e arraso com meu desafeto, só que aí ele já foi embora. É foda. Eu perco a vontade de duelar,e tudo acaba em jazz. Mas, tenho inveja daqueles que são bate-pronto, bateu levou, mas bateu-levou sem baixaria, em alto nível, que massacram seus detratores com frases perfeitas. Vá tomar no cú, prá puta que pariu, seu filho da puta é fácil, difícil e dizer a frase exata na hora certa…

  12. Me lembrou o Lucas Mendes, nos idos de 1990, quando vimos o Collor sair correndo, para fazer cooper, em pleno Central Park, seguido por uma cáfila de seguranças, jornalisats, fotógtafos de bicicleta, cinegrafistas naquelas charretes, um circo. Uma americana viu aquilo e, chocada, perguntou: “what is that?” E o Lucas: “This is the president… of Argentina!”.

    Aghora, vem cá velhinho, você já comeu no Pizza Hut de Guarulhos? Um roubo, e em reais!

  13. eu tenho uma enorme preguiça de comentar, mas hj tenho que dizer:

    eu sempre pensei nisso e não sabia como chamar! apesar que tinha que pensar uma palabra específica, a tradução literal do francÊs não dá!

    e sim! é mto vergonhoso levantar e sair de um restaurante! mas já fiz isso várias vezes tanto com a familia qnt com amigos!

Leave a Reply

Your email address will not be published.