O triste fim do futebol brasileiro

A quase derrota do Brasil ante o Paraguai anteontem foi melancólica. Talvez mais melancólica para mim, que lembro de um Brasil e Paraguai em 1979 como um dos primeiros jogos da Seleção Brasileira a que assisti.

Mais melancólica, no entanto, foi a certeza de que o futebol brasileiro acabou.

Não é pelo 7 a 1, nem pelo futebol feio ao mesmo tempo que ineficaz que se tornou a marca de um time que um dia “jogou por música”. Esses são apenas sintomas tardios. O futebol brasileiro vive já há muito tempo uma lenta agonia, cujo fim parece ser a redundância irreversível do antes considerado o melhor futebol do mundo.

As pessoas buscam causas aqui e ali. Criticam a corrupção endêmica na CBF, a velhice tática dos técnicos, a mudança estrutural do próprio futebol. Claro que todas essas mazelas contribuem, e muito, para deteriorar essa situação. Mas nada disso é razão suficiente.

A CBF em 1982 não era mais honesta que em 2016 — a única diferença era de escala. As concepções táticas atuais dos técnicos não são tão diferentes das de suas contrapartes europeias. E embora tenhamos hoje a impressão desconfortável de que somos um cachorro velho que não aprende os novos truques que os outros cachorros aprenderam, quem acha que o futebol mudou a ponto de se tornar realmente diferente deveria assistir ao documentário “Isto é Pelé”. Nele o ex-namorado da Xuxa menciona, em 1974, como o futebol tinha mudado desde 1958: mais rápido, menos espaços, mais aplicação tática — exatamente o mesmo diagnóstico que se faz agora.

Se eu fosse procurar uma culpada para servir de bode expiatório seria a Lei Pelé. E é no mínimo irônico que uma lei que deu dignidade ao ofício de jogador, e que leva o nome do símbolo da melhor fase do ludopédio pátrio, esteja destruindo o futebol brasileiro.

Não é que ela seja intrinsecamente má. Quando se lembra que Garricha deixou de ganhar um aumento porque um dos cartolas do Botafogo não admitia que um jogador ganhasse mais que um engenheiro como ele, não há como se opor à lei. Mas seus efeitos colaterais foram perversos.

Ao tirar dos clubes o controle sobre os destinos dos jogadores, a Lei Pelé tornou inviável a criação de grandes times como os do passado. Não é apenas o fato de que clubes não investem mais em jogadores porque sabem que na temporada seguinte eles estarão em outro time; é porque não têm mais condições de garantir que um time permaneça o mesmo por mais de um ano, e se perdem no labirinto complexo de negociações e renegociações em que cada um leva uma fatia do dinheiro, às expensas do time. Um time como o Flamengo do início dos anos 80 não é mais possível.

E sem grandes times, estáveis, não há grande Seleção Brasileira.

Até os primeiros anos depois do início da debandada geral dos jogadores brasileiros para a Europa, cada escrete canarinho era baseada nos melhores times de sua época. Em 1982, por exemplo, eram o Flamengo e o São Paulo; em 1962 e 1970, o Botafogo e o Santos.

Eram jogadores acostumados a jogar juntos. Conheciam seus companheiros de time, sabiam o que podiam esperar de cada um deles. E também eram acostumados a jogar uns contra os outros, o que fazia com que também conhecessem seus estilos, suas características. Com bastante tempo de preparação e aclimatação na velha e boa Toca da Raposa, era relativamente fácil formar um time entrosado e eficiente.

Era isso que fazia o Brasil o dono do melhor futebol. Não era o número de Copas conquistadas: era a certeza de que se teria, mesmo na derrota, um futebol com personalidade e um mínimo de qualidade. Eram os tempos em que o pior Brasil era infinitamente superior ao melhor Paraguai.

Em 1990 a Seleção tinha se tornado uma versão esportiva da Legião Estrangeira; e apenas Careca e Alemão jogavam juntos, no Napoli. Já naquele ano dava para perceber a diferença de qualidade em relação às Copas anteriores. Mas ainda havia um tempo relativamente grande de concentração, e embora claramente decadente a coisa ainda se sustentava porque, bem ou mal, os jogadores eram formados no Brasil. Iam para a Europa tarde, normalmente depois de consagrados na Seleção.

A Lei Pelé, acompanhando a evolução do mercado, pegou esse estado de coisas e o tornou insustentável. Indo cada vez mais cedo para o exterior — há dezenas, centenas de jogadores brasileiros mundo afora que sequer chegaram a jogar profissionalmente no Brasil —, eles simplesmente não conhecem uns aos outros. Convocados, trazem estilos de jogo diferentes entre si, baseados no modelo europeu. Alie a isso o tempo cada vez mais exíguo de preparação, e então pode-se compreender o 7 a 1. É impossível montar um time realmente bom dessa forma. O resultado é a dependência enorme do talento individual de cada um — que, por sua vez, precisa do suporte do grupo para se realizar. Como esse tal de grupo mal existe, o resultado é um jogo como o de anteontem.

A tragédia estava anunciada há muito tempo.

Talvez haja uma possibilidade de recuperação. Se não pode nem deve revogar a Lei Pelé, a CBF poderia determinar que apenas jogadores que atuem no Brasil sejam convocados. Talvez isso pudesse forçar ao menos um adiamento da emigração; na pior das hipóteses, pode-se perder em talento, mas ganha-se em entrosamento e na redefinição de um estilo próprio, adequado aos novos tempos.

Pode até parecer uma solução radical, e talvez nem seja suficiente. Mas qualquer coisa é melhor que o modelo atual.

Infelizmente, essa solução não vai ser tomada. De qualquer forma, o problema real está nos mecanismos do mercado, e contra eles não há remédio. E por isso é possível sair pelo meio da rua bradando em desespero que o futebol brasileiro acabou, que o futuro lhe reserva apenas sua cada vez mais rápida decadência à irrelevância.

Quem nasceu entre o final dos anos 60 e início dos 70 cresceu sob a égide do tricampeonato, ainda ouvindo os ecos de um tempo em que Pelé e Garrincha assombravam o mundo. Mesmo passando 24 anos sem ganhar uma Copa, sabíamos que só nos revoltávamos com isso porque acreditávamos que estávamos muito acima do resto do futebol mundial; uma Copa era um direito natural do melhor futebol do mundo. Tínhamos consciência de quem éramos, e essa consciência nos definia.

Não nos define mais.

9 thoughts on “O triste fim do futebol brasileiro

  1. Pois é…
    Muita gente não entende quando rebato críticas aos jogadores da “Serie A”, a primeira divisão italiana. Por aqui a moda é esperar que o jogador faça milagres logo no primeiro jogo. E na primeira queda de rendimento, banco e críticas.

    Nem todo jogador nasce Neymar. A maioria precisa de tempo para se adaptar ao time, ao esquema, ao técnico. E para se ambientar (massa italiana é muito bom, mas um feijão com arroz e bife de vez em quando, nem pensar). Quem não tem a simpatia do presidente ou do técnico e não chega arrasando – e mantém o espetáculo – vira peça de mercado no fim do semestre. Lembro do Cafu, exposto à venda pela Roma antes da copa de 2002. “Tá velho, não se aplica como antes, vamos vender antes que se desvalorize…” O pobre Cafu não abriu a boca. Depois do mundial e com o título de capitão do mundial, avisou que não renovaria e pediu pra sair. “Traíra! Depois de tudo o que a Roma fez por você… Vai, tá velho mesmo” E fez uma linda carreira com o Milan.

    Os times andam mais interessados nos resultados do balanço que do campeonato. Não, o balanço não é o das redes, mas o patrimonial.

  2. Não sei, o diagnóstico parece impreciso. Afinal, por que a Alemanha possui um futebol consistente há anos?

    • Bem, a maior parte dos jogadores da Alemanha joga lá mesmo, Leandro, ou em países próximos,e não saem de lá com 14, 15 anos. Além disso, eles estão mais para importadores de jogadores que exportadores. Finalmente, têm um campeonato organizado e uma federação com mais controle. E embora não ache que isso tenha alguma importância, tenho a impressão de que eles não têm os problemas que a CBF tem na hora de convocar jogadores.

  3. Rafael:

    Acho que você muita razão, porem uma pergunta: na sua teoria como explicar que em 2002, ou seja, já com e Lei Pelé, foi montada, não uma seleção excelente (que foi campeã com brilho), mas duas, uma jogava e outra ficava no banco; eu me lembro que eu nem tinha medo das invitáveis e temidas substituições. O que diz?

    • Serge,

      Aquela seleção tinha uma base: sua coluna vertebral era o Palmeiras do início dos anos 90. Aqueles jogadores não apenas se conheciam como tinham feito um dos melhores times dos últimos 25 anos.

      Mas o texto não diz que nunca mais vamos ganhar uma Copa. Acho até improvável que não ganhemos. Mas não seremos mais “o melhor futebol do mundo”, o Brasil sempre franco favorito; estamos caminhando — se já não somos — para ser uma França, uma Espanha.

      Hoje, tenho a nítida sensação de que somos o Uruguai nos anos 70: uma sombra decadente da Celeste, mas ainda respeitado pela tradição e pelo bicampeonato. Em pouco tempo seremos o Uruguai de hoje.

      • Eu concordo com você em número, gênero e grau. Estamos muito mal de tudo; técnicos, jogadores, brio e, principalmente, vontade de vencer. Jogamos copas do mundo pra cumprir tabela na esperança que um Pelé ou Garrincha nos presenteie com a vitória. Sem o futebol perdemos o ultimo motivo de orgulho.

  4. Rafael… A seleção de 1994 confirma a sua tese: dos onze jogadores que começaram jogando aquela copa, 5 (Jorginho, Aldair, Leonardo, Zinho e Bebeto) jogaram juntos no Flamengo em 1989.

  5. A razão do fim é muito simples. Não tem nenhum clube Brasileiro representando a seleção. Quem representa o futebol são os clubes e não jogadores. É tão obvio que dá ate pena. Não vejo nenhuma discussão a esse respeito. Procuram-se as causas nas mais diversas teorias e o mais obvio permanece obscuro a luz do dia. O futebol existiria sem clubes? Jogadores passam e o clube fica. Não existe seleção representativa do verdadeiro futebol de um pais que não seja oriunda dos clubes. A seleção atual é formada por clubes europeus e representam o futebol de lá. Qual a ligação que esses jogadores ditos ´´brasileiros“ tem com nosso futebol? O passaporte? Esses jogadores tem obrigações e lealdade apenas com os clubes Europeus que pagam seus salários milionários. Pensar que mercenários da bola como Neymar e companhia tem alguma lealdade com a pátria amada é risível.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *