Por que Free as a Bird e Real Love são ruins

Free as a Bird e Real Love são as músicas “inéditas” que os Threetles (Paul, George e Ringo) gravaram nos dois primeiros volumes do projeto Anthology, no meio da década de 1990. Eram gravações caseiras de John Lennon que os remanescentes recauchutaram para ganhar um trocado.

A primeira razão para serem ruins é óbvia demais: o próprio Lennon achava isso. Tão ruins que preferiu não lançá-las em Double Fantasy, um disco em que metade das canções era composta e cantada — se é que se pode chamar aquilo de “cantar” — por Yoko Ono. Além disso, quando Yoko lançou o Milk and Honey em 1983, com as sobras do Double Fantasy, também deixou essas duas gravações de lado. Outros discos de sobras (Every Man Has a Woman e Menlove Ave.) também deixaram essas músicas de lado. Uma versão de Real Love apareceu finalmente em “Imagine John Lennon”, uma cinebiografia produzida em 1988, porque a fonte começava a secar e ela preferia guardar o melhor das sobras para o futuro, que se concretizou no Lennon Anthology.

Free as a Bird e Real Love não passam disso, de canções rejeitadas pelo seu autor.

Se isso não é razão suficiente, é só olhar para as gravações em si. Fizeram o diabo para tornar aquilo minimamente aceitável do ponto de vista técnico: o resultado é a voz de Lennon, em baixa qualidade, coberta por camadas e camadas de som. Free as a Bird é um pouco melhor, porque McCartney e Harrison adicionaram alguns bons trechos à canção. Mesmo assim, elas simplesmente não estão à altura da obra dos Beatles.

Elas só foram lançadas porque precisavam criar um factóide que impulsionasse o lançamento do Anthology, e porque McCartney e Yoko são egomaníacos, Harrrison estava quase quebrado depois de roubado por seu sócio na Handmade Films (que deu ao mundo os belíssimos filmes do Monty Python) e Ringo precisava de dinheiro depois de estourar uma grana preta em cocaína.

(Uma ressalva ao videoclipe de Free as Bird. Enquanto o de Real Love é medíocre, o de Free as a Bird é absolutamente genial, uma das melhores aplicações de CGI que eu já vi.)

Admitir que essas duas canções são ruins não quer dizer que eu “não goste dos Beatles”. Pelo contrário. Eu gosto dos Beatles porque eles foram brilhantes demais, revolucionários demais para que eu precise me contentar com puro e simples lixo.

A propósito: ao contrário do que podem ter dito ao Galvao do Valle, os Beatles nunca foram deuses. Eram só quatro filhos da puta como todo mundo, capazes de canalhices como:

a) assaltar marinheiros bêbados e tratar o filho como menos que lixo, no caso de Lennon;
b) explorar seus empregados e tratar seus colegas de banda como subalternos — McCartney;
c) cantar a mulher do melhor amigo (Ringo) na cara dele, o que Harrison fez em meados dos anos 70; e
d) bater tanto na mulher, bêbado e cheio de cocaína, que acordou em uma poça de sangue, o que levou Ringo a procurar tratamento.

E que por acaso tinham muito, muito talento.

4 thoughts on “Por que Free as a Bird e Real Love são ruins

  1. O Paul é conhecido pela sua amabilidade com seus funcionários – tem um vídeo dos Beatles onde Alf, o ex motorista, dá sua própria declaração – e o Julian é um apaixonado pelo pai até hoje… será q ele é masoquista??

    Acho q vc está mto equivocado, o fato das músicas não serem escolhidas para gravação nem sempre significam q eram ruins, mas, no caso deles, a abundância de composições lindas mtas vezes ofusca o brilho de outras.

    Esta é a minha opinião. Respeito a sua.
    abs
    Giana

  2. Prezado Rafael Galvão.
    O seu comentário é ridículo e uma amostra do pior que uma crítica de baixíssimo nível pode produzir. As gravações de Free as a Bird e real Love são excelentes e apenas ícones da música e “monstros” no que fazem como McCartney, Harrison e Starkey poderiam fazer toda aquela produção. Não me interessa se eles estavam endividados, drogados ou por algum sentimento de ego. o que vale é que eles fizeram algo para saciar a fome de beatlesmaníacos do mundo inteiro que rejeitam as porcarias musicais das duas últimas décadas para ouvir os mestres, cujo talento é indescritível. Free as a bird não foram lançadas porque Lennon foi assassinado quando estava voltando às paradas de sucesso. músicas dos Beatles como Hey Bulldog, Come and Get it, Junk e All Things Must Pass também foram lançadas anos depois de gravadas e não foi porque eles não gostaram das músicas. Ah, e se você não gostou, tente pegar alguma música inacabada de John Lennon ou George Harrison e tente fazer um “hit” mexendo na letra e fazendo back vocal para o público. Todos os amantes dos beatles vão te adorar e você vai ganhar um bom cachê.

  3. Free as a Bird e Real Love não são apenas remixagens toscas, afinal, foram os próprios Beatles que trabalharam nelas. Se fossemos pensar no ponto de vista desse texto, teríamos que apedrejar o George Martin pelas orquestrações “artificiais”e modificações nas músicas dos Beatles. Porém eu concordo com a última parte
    “os Beatles nunca foram deuses. Eram só quatro filhos da puta como todo mundo, capazes de canalhices..”, isso que todo beatlemaníaco tenta não admitir. Mas algumas dessas canalhices citadas no texto eu não sabia, espero q as fontes sejam verídicas

Leave a Reply

Your email address will not be published.