Do meu medo de Americana

Comentário do Bia:

só falta agora vc implicar com AMERICANA!
(…)
americana, onde quem tem dente chupa cana, quem não tem come banana!
(…)
vai se meter com a gente, bundão?

(Só uma TERRA assim podia PARIR um filho que escreveu um livro chamado SEXO ANAL, vai dizer?)

Não, Bia. Eu conheço meus limites. E sei até onde posso ir. Aprendi muito cedo na vida a não mexer com ninguém maior que eu.

Eu não sou besta de me meter com as famosas velhinhas boqueteiras de Americana, que se tornaram lenda durante os anos 70 ao assolarem essa região, atacando limeirenses incautos na calada da noite.

Contam os mais velhos que elas eram fugitivas da Ilha do Sol de Luz del Fuego. Outros dizem que eram dropouts que não perceberam que os anos 60 tinham acabado. Velhas com fixação oral, arrebanharam mais adeptas rapidamente — dizem que os homens de Americana também comem banana e elas andavam insatisfeitas — e passaram a aterrorizar as redondezas. Talvez você lembre delas, do seu grito de guerra “Vai xer muitcho bom, meu filho!”

Atacavam em bando. Dizem — mas ninguém conseguiu provar ainda — que o primeiro ataque foi um dos piores. Uma velhinha conhecida na cidade, beata de véu na cabeça, conseguiu levar um garoto para trás da sacristia. E então resolveu fazer uma surpresa para o rapaz. Tirou a dentadura e disse “Tenho uma xurpreja pra voxê. Axim vai xer bem melhor, moxo”. O rapaz teve um ataque cardíaco e morreu. Mas não foi a última vítima.

Desculpe, Bia. Medrei. As velhinhas boqueteiras de Americana, que comem banana, mas mesmo desdentadas preferem chupar cana, são demais para mim.

13 thoughts on “Do meu medo de Americana

  1. Hehehee… muito bom.
    Lembrei da piadinha que a namorada do “gênio indomável” conta sobre a velhinha e o velhinho. 😛

  2. quero ver como é que vc vai TRANSPOR a PORTÊRA de americana depois dessa! hehehe…

    as VÉINHA daqui tem outro grito de guerra: “ÚH, VAI MORRÊ, ARACAJÚ!”

    HAHAHAHAHAHAHAHAHA

  3. Pois é, Rafa. O coletivo berrou.
    Mas a necessidade interiorana de auto-afirmação não é exclusividade dos habitantes das províncias tupiniquins. Existem também caiçaras indolentes em toda a costa africana, não somente do Oiapoque ao Chuí; 2ºs melhores isso ou aquilo não é cacoete só Brazo-Nordestino: norte-americanos, europeus e japoneses também fazem cada concurso esdrúxulo…
    Mas esse bairrismo, muitas vezes, chega às raias do salutar, uma vez que há 505 anos somos um mix de culturas, sotaques, etc. É a tal “ningüendade” de que fala a propaganda do BB.
    Ou, então, pode ser tudo coisa dos escorpianos, dando o ar da graça de novo. Sempre eles.
    Mas, relaxe. Tu és pisciano, estás livre daquela soberba. By the way: Depois me diz o que são as tais “coisas” que tu ficou sabendo dos taurinos.
    Forte abraço

    http://inconscientecoletivo.blogspot.com

  4. ALÉM DA GENTE SER OBRIGADO A RESPIRAR O PUM DA RIPASA, AGORA OS LIMEIRENSE AINDA TÃO CUMENDO NOSSAS VÉINHA BOQUETEIRA. AÍ JÁ É DEMAIS. AMERICANENSE

Leave a Reply

Your email address will not be published.