Por que votar em Serra

Está na hora de prestar um serviço à oposição. De chamar-lhe à realidade. E isso pode ser feito com uma pergunta simples: por que votar em Serra?

É mais que hora da oposição tirar os olhos de Dilma, de sua saúde, do jeito como Lula se comporta. Chega de tentar criar factóides, como a CPI da Petrobras, que apenas tentam mascarar a sua inépcia — poucas coisas são mais impressionantes do que ver o PSDB, que sempre teve a Petrobras na mira da privatização e que a sucateou de todas as formas entre 1995 e 2002, hoje tentar aparecer como seu defensor, tentando jogar para baixo do tapete as melhoras significativas que a empresa alcançou durante a era Lula.

A oposição precisa de um banho de realidade. Não somente porque seria mais ético, mas porque, diante dos índices de popularidade de Lula, agir da forma que ela tem agido durante todos esses anos é o tipo de estratégia que não dá certo.

Alternância de poder é uma coisa maravilhosa. Permite que um projeto melhor, mais adequado, seja submetido ao país. Foi o que aconteceu em 2002. Ao projeto esgotado personificado por Fernando Henrique Cardoso, Lula apresentou uma concepção de país que, ao mesmo tempo em que mantinha o avanço e o respeito aos fundamentos econômicos registrados nos anos anteriores, levava o governo a uma nova atitude no que diz respeito à area social. Com o Bolsa Família, criou o maior programa de distribuição de renda do ocidente.

Aperfeiçoou a estrutura econômica brasileira e, se com Fernando Henrique o país quebrou três vezes, agora resistiu de maneira absoluta ao que chegaram a chamar de maior crise econômica da história. Levou o país a um novo patamar de respeito internacional. Mudou a atitude brasileira em relação ao comércio exterior, que antes, preocupada da tradicional maneira submissa com Naftas e quetais, deixava de lado mercados emergentes nos quais a nova diplomacia brasileira resolveu investir com resultados mais que satisfatórios.

Por tudo isso, não é com a saúde de Dilma que a oposição tem que se preocupar. É com esses fatos.

Em 2010, assim como em 2006, não vão adiantar factóides. Será preciso, ainda que isso a aterrorize, que a oposição apresente um programa de governo real e palpável. É algo que a sociedade vai cobrar dela. Ao contrário do que os saudosos do Plano Real possam imaginar, as eleições de 2010 não serão iguais às de 1994. O PSDB não vai estar na situação; e o povo não vai estar desesperado correndo de uma inflação de três dígitos. O país que a oposição vai enfrentar no ano que vem estará mais estruturado e mais bem encaminhado.

Resumindo: a oposição vai ter a inglória tarefa de apresentar conserto para um país que dá certo.

Há alguns anos, neste blog, eu lembrava a quem quisesse ler que era mais fácil para o governo achar um candidato à sucessão de Lula do que a oposição finalmente definir um programa. Dois anos se passaram e os fatos não parecem ter me desmentido. Aqueles que criticam o Bolsa Família, usando inclusive argumentos falsos e canalhas, até agora se mostraram incapazes de apresentar uma alternativa concreta ao programa. Estão correndo atrás do prejuízo.

Mas a essa altura, a oposição precisa ser objetiva. Precisa dizer claramente quais as razões pelas quais é melhor que José Serra — ou Aécio, ou qualquer um — seja eleito presidente do Brasil.

Não é, admito, uma tarefa fácil. Está claro que a missão de Dilma vai ser dar continuidade ao projeto de governo de Lula. O palanque de Dilma é sólido e de uma simplicidade espantosa: é continuar fazendo o que Lula fez. Ela não pretende reinventar a roda nem inventar a pólvora. Seu projeto é claro, definido, e de conhecimento público.

Qual é o projeto de Serra?

É preciso que a oposição faça a si mesma algumas perguntas. A primeira delas é: o que José Serra vai fazer de melhor como presidente? Sem cair na estupidez de dizer que este é um país que não funciona — porque, pela primeira vez em décadas, as pessoas finalmente sentem que ele melhora a cada dia –, o que Serra tem a apresentar que seja melhor do que Lula vem fazendo?

Quais as suas propostas para melhorar a distribuição de renda no país? Como ele fará com que o Brasil seja mais respeitado no exterior? O que ele pretende fazer para, sem passar por cima do jogo democrático e da separação de poderes, aumentar o nível de governabilidade do país?

Algumas armadilhas vão aparecer no seu caminho. Como justificar que, depois de oito anos dizendo que o Bolsa Família não presta, eles vão à TV e ao rádio dizer que não pretendem acabar com o programa? (Na verdade, eles já estão correndo atrás do prejuízo. Há cerca de duas semanas, o DEM e o PSDB de Sergipe realizaram um mini-seminário de um dia, com a presença do deputado federal carioca Rodrigo Maia, sobre Bolsa-Família. No que é um passo acertado, e uma correção de rumo há muito devida, a oposição resolveu deixar de lado a sua resistência irracional e aprender como é que se faz.)

Essas não são as únicas questões que vão aparecer diante da oposição. Eles vão precisar responder outras perguntas mais simples e que dão direito a menos tergiversações. Por exemplo: o que, no mandato de José Serra como governador de São Paulo, dá àqueles que o apóiam a convicção de que ele será melhor presidente do que Dilma? Com exceção de obras superfaturadas, crateras de metrô e livros didáticos heterodoxos, o que o governador de São Paulo vai poder apresentar como credenciais para que o povo brasileiro volte as costas ao projeto de Lula e vote nele?

Até agora, a neo-UDN tem apenas gritado e reclamado. Nesses oito anos, sua maneira de fazer oposição tem se mostrado aética e, definitivamente, nem um pouco republicana. Isso pode ser creditado ao seu desconforto nessa posição, em última análise. Mas isso são águas passadas. Do que se vai falar agora é de futuro. É de concepção de país. Pode ser uma perspectiva assustadora; mas é inevitável.

Está na hora de a oposição tirar a cabeça do buraco de onde grita “Está tudo errado!” e tentar mostrar às pessoas, afinal de contas, por que votar em Serra.

33 thoughts on “Por que votar em Serra

  1. Ah, Rafael, é excelente esse texto. Inspirador até. Mas confesso que não estou super segura, e acho que apesar de tudo, o Serra é um forte candidato. Até que Dilma seja eleita, há chão. Não só porque o PSDB ainda é um partido sólido e respeitado, que divide os votos da classe média, e porque a gente sabe como será a cobertura da imprensa. Penso que a Dilma pode encontrar alguma resistência porque ela é mulher e o machismo, blablabla.
    Mas enfim. Era só pra dizer que, puxa, adorei seu post.

    Abraço,
    Aline
    (apaga o outro comentario, por favor?)

  2. Não será eu que direi que a política econômica do Lula é insatisfatória(a área é comandada por um tucano alias, HA). Mas os problemas dos anos 90 não foram culpa direta do FHC e da equipe dele (ok, tem 99, mas nos resolvemos muito melhor que a Argentina, por exemplo). Essas crises eram dos países em desenvolvimento. Nessa, é o EUA que tá no olho do furacão. E apesar de todo mundo estar sentindo, ninguém quebrou (só a GM).

    E já tava na hora de chegar uma eleição e o pessoal apresentar programas e não ficar colocando o dedo um na cara do outro. Vai ser divertido.

  3. E a pior coisa que pode acontecer pro Serra é se o PT desentarrar os fatídicos programas do PSDB em 2002 (“Eu tenho medo”, etc).

  4. Alternância é muito bom quando não aparece um vendedor de Galinhas de Ovos de Ouro.
    Se aparecesse um partido de oposição que mostrasse um outro caminho mais curto e melhor pro país se desenvolver seria ótimo.
    Mas é como dizem: O PT é como mulher, cheio de defeitos mas não tem nada melhor.

  5. Assino embaixo de cada palavra, Rafael. Pois é, a oposição acha que vai ganhar as eleições do ano que vem apenas porque é hora de alternância de poder. Mas não será tão fácil assim. Falta algo minimamente parecido com um projeto. E nisso a oposição se confunde toda. Tipo: volta e meia vejo gente que odeia o Lula e o PT chamar o Bolsa Família de bolsa-esmola. Ou seja, são radicalmente contra o programa, que consideram eleitoreiro. Mas pouco tempo depois dizem que quem começou o bolsa-esmola, opa, o bolsa-escola, foi o FHC. Decidam-se!
    O título do seu post é um daqueles perigosos, que quem olhar rápido não vai entender. Outro dia eu escrevi um que se chamava Bons Motivos para não votar na Dilma e quase matei metade das minhas leitoras(es) do coração. A gente é cruel desse jeito.

  6. Pois é, alternância no poder é uma das coisas mais saudáveis para a democracia. Mas hoje ainda não tenho como responder sua pergunta. Nem Dilma, nem Serra. Não vi ainda as metas de cada um.

  7. é… quem parece q quem tá no desespero mesmo são os lullo-petistas. o golpe do terceiro mandato parece q não vai colar e se colar vai ficar muito feio pra imagem “democrática e republicana” do PT. e se o PT voltar para o oposição vai ser engraçado vê-lo querer alimentar a Veja, Folha de SP e outros veículos da PIG com denúncias a resoeito dos ocupantes do governo. caia na real, macacada, o jogo se aproxima do fim e vcs têm é q pensar no “day after”. porque não vai dar mais para o PT voltar a ser o q era na oposição pré 2002. lembram? o PT foi contra a opção Tancredo, o PT foi contra a Constituição de 1988, o PT foi contra o Real. ah, sim, o PT falava dos 300 picaretas, chamava sarney, collor, renan de ladtões, mas agora estão todos no mesmo balaio. se liga, macacada, a alternância do poder é uma coisa saudável pra democracia. se o próximo presidente for ruim a gente tira ele na próxima eleição. mas a gente sabe q serra vai dar continuidade às coisas boas q Lulla fez. serra não é sarney. mas se vcs quisererm, vai pro nordeste brasileiro e faz lá uma república separatista comandada pelo PT e sraney e collor e renan e entroniza Lulla presidente vitalício.

  8. Ô, Enrique…

    Em um comentário só, quanta desinformação — o PT não foi contra a Constituição de 88 e teve uma atuação destacada na sua elaboração — bobaginha — se Sarney é figura de destaque hoje, que dizer de ACM durante a era FHC? E se o presidente for ruim a gente tira, é verdade; mas se for bom a gente vota no seu candidato, não dá para perceber isso? — e preconceito contra os nordestinos…

  9. rafael:
    moro no paraná, mas comparar ACM com SARNEY não dá né? quer comparar a bahia de ACM com o maranhão de Sarney? compare os índices sociais de cada estado. e tem mais: ACM tb estava na base de Lulla, ajudou muito Lulla no senado. ou vc não lembra ou apagou da sua memória (bem ao estilo Stálin), a foto daquele reunião na casa de zé mensalão dirceu com as presenças de Lulla, sarney, roseana e ACM?

  10. Sabe rafael, trablhei na petrobras até março, quando acabou meu contrato, na parte de comunicação interna e tivemos que gerir a crise de credibilidade que começou a surgir com os sucessivos ataques da rede globo a empresa. Creio que esse ataque se dá ao fato da petrobras estar ligada ao governo lula como um dos pilares de sustentação. Eu , ainda assim, sou a favor dessa CPI porque acredite, vi coisas la que até Deus duvida. Tem muita coisa errada la dentro, mas acredite, era pior antes. A empresa ta tomando jeito, de maneira lenta, mas está.

    Fato é que eu não tenho ideia em que votarei ano que vem. Nas ultimas eleicoes votei no Cristovam. Se ele ou o Gabeira se candidatarem, terao meu voto. Facil assim.

  11. Enrique, menos, por favor. Eu sou baiano. Devo saber mais sobre a Bahia do que você pode sequer imaginar. Procure saber um pouco mais sobre a Bahia, principalmente a região do sertão, e você vai ver que ACM foi tão ruim e nocivo quanto Sarney no Maranhão.

    E esse tipo de análise política burra e rasteira (olha, lideranças políticas se encontram!) não cabe aqui, num blog de boa família.

    E cotonboy, se a Petrobras tá tomando jeito, eu acho que poderia creditar isso à sua administração, não? Ou você vai dizer que era melhor na época de FHC?

  12. Eu não disse que ela era melhor na epoca FHC, ao contrario. Msa to dizendo que lá ainda tem resquicios e gente que suga o dinheiro da epoca estatal. Proprios funcionarios, inclusive. Nao fiz uma critica a empresa 😛

    Quando digo que melhorou muito é que agora há mais concursados que contratados e quase nenhum apadrinhamento. Todos os diretores (que subistituem o presidente da empresa em caso de ausencia) estao la por plano de carreira. O Presidente eh o unico que eh indicação politica. Mas ainda é uma empresa muito grande. E tudo que eh muito grande é dificil de gerir. E por isso, acho a CPI válida.

    mas, como eu disse, está melhorando.

  13. Nossa, parabéns pelo texto, muita lucidez.

    Mas ainda assim, acho que Serra vai ganhar, a não ser que mude muita coisa. A não ser que a tradição eleitoral mude bastante a partir de agora, não vejo lucidez como diretiva do processo que nos leva às urnas.

    Os anti-Lula vão continuar com seu chovinismo motivado idiotices (pessoalmente, todas as críticas que ouço do Lula começam mais ou menos assim “um cara que nem estudou…” como se todos os outros presidentes diplomados antes dele tivessem contribuído para uma maravilha de país). Como esse discurso é muito afeito às classes altas, alguns dos menos favorecidos vão aderir a isso para parecerem-se mais com a elite, e teremos a sacramentação de Serra.

    Essa discussão saudável que você promoveu, e outras parecidas, ficarão debaixo dos escombros das discussões apaixonadas, ou não serão alcançadas pela superficialidade confortável de muitos eleitores. É o que acho, infelizmente.

  14. Gostei do seu texto.
    Mas penso que, ainda que o PT seja um partido disposto a atender às necessidades da população e dos movimentos sociais, penso que as melhoras propagadas pelo partido e pelos seus correligionários tem sido superficiais. O Programa do PROUNI, por exemplo, está fazendo com que se não invista na educação pública, popular, e de base, e também com que se tire o dinheiro das universidades públicas e invista nas faculdades particulares, que são uma merda, é bom que se diga.
    Serra e Dilma possuem, até onde posso ver, plataformas desenvolvimentistas.
    O PT possui mais intelectuais ao seu redor, mas a discussão não se resumirá apenas a questões ideológicas, a determinados partidos dizerem sim ou não a determinados blocos econômicos, a cobertura parcial ou imparcial da tal mídia hegemônica. A meu ver, as políticas de Lula (ou lulistas) não diferiram das políticas das oligarquias que tanto criticaram. Jogaram bolsa para aquilo, bolsa para outra coisa. Nada além de uma maquiagem da pirâmide social brasileira. Suas políticas de educação, tendo Fernando Haddad à frente, foram elogiadas por ninguém menos que Jarbas Passarinho, o pior ministro da Educação que esse país já teve.
    Encerro minhas críticas ao PT aqui. Esperemos a época de eleições. O trabalho de Dilma não será apenas o de afirmar a continuidade do projeto de Lula, seja ele qual for, já que, pelo menos em oito anos, não consegui ver nada delineado.
    Abraços.

  15. Não fiquem deslumbrados com a questão social. O que dá dinheiro a este país não é esmola para pobres, e sim a agroindústria. Infelizmente o governo Lula deixou a desejar nos investimentos a longo prazo de infraestrutura viária no país, o que quer dizer que a gente gasta muito mais dinheiro relativamente a outros países para apenas deslocar nossa produção do campo até os consumidores (nós mesmos ou os estrangeiros). Não é culpa totalmente do governo Lula, porque a decadência infraestrutural no Brasil já é crônica. É claro que é importante dedicar um dinheiro para o bem-estar da população, mas infelizmente o mundo moderno é capitalista e vislumbra o lucro.

  16. Engraçado que esse texto foi escrito apenas dois dias antes de José Serra mostrar a que veio: tratar movimentos sociais e professores e estudantes universitários como um grupelho de marginais.

    Parabéns, José Serra, por deixar bem claro para o Brasil os motivos pelos quais NÃO DEVEMOS votar em você.

  17. O que a parcela tucana da classe média não engoliu até hoje é o sucesso de um governo comandado pelo homem que sempre sintetizou os seus preconceitos elitistas: para ela, Lula sempre foi o pobre, nordestino, operário, sem diploma, de esquerda. Em suma, alguém incapaz de comandar uma nação e restaurar no povo o mínimo de dignidade. Fica fácil prever o futuro: Dilma será eleita e reeleita, mantendo o país no rumo certo. Depois, Lula volta nos braços do povo.

  18. O Sr. José Serra quando cumprimenta um estranho, lava a mão com álcool. Quando prefeito da Capital Paulista mandou chapiscar uma calçada sob um viaduto para que os mendigos não a usassem para dormir. É o mesmo que está levando o Ensino Público paulista ao desespero, dando continuidade a vários anos de governos do PSDB. É tido como de racionalidade exacerbada e excessivamente centralizador. Que os votos não permitam que esse moço seja nosso presidente. Que todos os santos digam: amém!

  19. Carissimos,

    As metas do Serra a gente já conhece pelos alagamentos de Sampa.
    As da Dilma, ora, nem precisa> é só ver os resultados da politica petista.

  20. Parabens… estava procurando algo para responder â altura a uma amiga que detesta a Dilma e encontrei o seu texto que encaixou como uma luva. Obrigada.

  21. vou resumir o que achei : ÉEEEEEEEEEEEECCCCCCCCCCCAAAAAAAAAAA! DEUS NOS LIVRE DE SERRA E ALCKMIN!!! DILMA NELES

  22. Olá Rafael,

    Eu não sei se você vai aceitar meu comentário, mas vou escrever assim mesmo.

    Muito bem, para começar vou falar do Bolsa Família. Quem criou a base deste programa de distribuição de renda foi o PSDB. Inclusive, na época deste governo eram três programas: Bolsa Escola, Vale-gás e Bolsa Alimentação. O PT só fez juntá-los e mudar de nome.

    Outra coisa, não acho que a Petrobras esteve na mira das privatizações. As empresas que foram privatizadas eram ineficientes e improdutivas, elas precisavam de investimentos e o Estado brasileiro não podia fazê-lo porque estava quebrado. Era a herança maldita de décadas de hiperinflação.

    Sobre as crises que o Brasil sofreu no passado e esta crise atual, uma diferença é primordial: essa crise afetou o mundo desenvolvido, tanto que os mercados ficaram com medo de investir nestes países e investiram muito nos emergentes. Nas crises do passado era o contrário, elas estavam localizadas nos emergentes, então os mercados tinham medo dos emergentes e investiram nos desenvolvidos, como na crise da Rússia, México, Argentina…

    Olha, concordo que esta eleição vai ser difícil para a oposição, mas de qualquer forma eu prefiro que o PT saia do poder porque em 7 anos de governo, os valores morais e éticos foram levados ao fundo do poço.

  23. só quem é burro que não vé o qto lula lutou pela sociedade. so quem pensa pequeno demais como esse tal de henrique disser que o serra vai dar continuidade no trabalho de lula.se enxerga cara o nosso pais melhorou demais com o pt e vai continuar melhorando henrique se não tem o que argumentar porque o psdb de voces não tem o que mostrar vai fazer qualquer outra coisa não fica enxendpo o saco. pt ate morre

  24. Acredito que NUNCA NA HISTORIA DESSE PAIS (kkk Mais sem demagogias), Nunca foi tão difícil a escolha para presidência da republica como neste ano de 2010.
    O problema maior, analisando o meu ponto de vista, não como político, mais como cidadão que vai votar em 2010, é a questão da falta de escolha na hora do voto.
    Primeiramente meus sinceros elogios ao presidente lula, que mesmo com muitas criticas, e afinal, ninguém nunca consegue fazer tudo certo, porem tenta fazer o seu melhor, o presidente mudou a imagem para sempre desde pais.
    A questão é! Posso confiar na Dilma? Posso confiar no Serra?
    No meu pensamento mero civil, entendo que um político deve ter a sua ficha sempre limpa, afinal ele representa o povo, sua conduta deve ser a primazia de sua profissão. neste sentido entende que votar na Dilma com um passado tão obscuro é financiar uma guerra ou uma nova ditadura. Já no sentido de guiar meu voto ao Serra, penso da mesma forma, porem um pouco diferente.
    O serra é o político nato. Nasceu praticamente político e morrerá político. A questão aqui é que, seu partido (PSDB) teve um passado de glorias e obscuridades, no tocante a privatizações. É certo que privatizar é um bom meio de gerar empregos, porem é um boa forma de desistir do trabalho árduo de levantar uma empresa e jogá-lo nas costas de outros.
    È complicado, vou estudar bastante as proprosta, mesmo que sejam apenas promessas políticas, e atentarei a novíssima Marina Silva que, brilhantemente carregou um Ministério em suas costas e foi reconhecida porisso. Se ela fez o que fez com um Ministério, por que não com um pais.

    È um problema nacional. Deverá o brasileiro ficar atento nesta eleição, por que depois dela, poderá caminhar o pais por novos caminhos.
    Dilma – O caminho de Lula
    Serra- O caminho do PSDB
    Marina- Um Caminho novo que eu não sei se devo ou não devo arriscar.

    Uma coisa é certa. “Não é certo que o poder seja centralizado por mais de 8 anos, por que vc pode se perder no caminho”.

  25. “Olha, concordo que esta eleição vai ser difícil para a oposição, mas de qualquer forma eu prefiro que o PT saia do poder porque em 7 anos de governo, os valores morais e éticos foram levados ao fundo do poço.”

    Sorte nossa ter o PSDB e o PV pra nos resgatar do fundo do poço, não é mesmo, jean?

Leave a Reply

Your email address will not be published.