A triste sina do PSDB, que não consegue mais olhar para a frente

Acredito que em 2002 os tucanos, diante de sua derrota eleitoral, se consolaram um pouco achando que em 2006 voltariam nos braços do povo para salvar o país da tragédia que teria sido o governo lula.

Admito até que em 2006, quando a derrota vergonhosa — eu nunca tinha visto um candidato ter menos votos no segundo turno do que no primeiro — foi bem mais significativa do que a de 2002, alguns menos dotados de inteligência, sem conseguir compreender como Lula tinha sobrevivido à crise do mensalão, acreditaram que em 2010 o país estaria pronto para eles; que mesmo que o governo não fizesse nenhuma grande besteira, seu desgaste seria tamanho que pavimentaria uma vitória relativamente fácil de Serra ou Aécio.

Enquanto o tempo passava, as táticas de ataque utilizadas variaram pouco. No começo, diziam que Lula tinha voltado as costas para o social e estava aparelhando o Estado — quando, na verdade, preparava o maior programa de distribuição de renda do Ocidente e “desaparelhava” a máquina estatal da revoada de tucanos encastelados em cargos no governo. Mais tarde se tornaram arautos de uma “ética” que eles mesmos jamais praticaram, nem mesmo fora do poder, como testemunham os amigos generosos do deputado Arthur Virgílio. Na falta de mais argumentos, reivindicaram a paternidade da política econômica de Lula, ainda que, ao lado de uma profunda pretensão que os faz se julgarem donos de fundamentos econômicos, esse argumento venha se esgarçando continuamente ao longo dos anos em que o governo tomou decisões que o distanciavam do monetarismo desgastado dos tucanos.

Mesmo há tão pouco tempo como 2008, apostaram que a crise mundial iria derrubar finalmente o governo, e riram antecipadamente quando o presidente falou que aqui ela seria apenas uma “marolinha”. Na sua cabeça estava ainda o Brasil de FHC, aquele que caía de cama quando os Estados Unidos espirravam. A reação do Brasil à crise, e principalmente as medidas tomadas pelo governo, deveriam enterrar de vez os pedidos tucanos de paternidade da política econômica de Lula, porque mostra acima de tudo a diferença na maneira e no conteúdo das decisões tomada; mas não é difícil reconhecer que, dado o seu histórico, isso talvez não seja suficiente.

Ainda assim, não acredito que agora algum deles tenha realmente alguma esperança de, a continuarem as coisas como estão, conseguirem tomar de volta o país.

Qualquer tucano sabe que, ao escolher Dilma Rousseff como sua candidata à presidência, Lula fez uma escolha magistral. Dilma é uma mulher com qualidades “masculinas”, provavelmente o melhor meio-termo possível em política: pode representar uma mistura de renovação com segurança. Uma mulher forte, de história invejável e competência administrativa reconhecida. Uma mulher identificada, acima de tudo, com o governo Lula, muito mais do que outras personalidades petistas, que sempre tiveram carreiras paralelas à do presidente — e aqui se pode citar um Aloísio Mercadante ou uma Marta Suplicy. Dilma atravessou incólume a crise do mensalão, e está à frente de um dos mais importantes projetos de infra-estrutura do país, o PAC. Assustados, tucanos apontam pesquisas que indicam Serra na frente — mas mesmo eles sabem que isso, a esta altura, não significa nada, significa apenas que ela está crescendo, o que é um cenário ainda pior do que o que eles gostariam.

O PSDB sabe que quando Lula aparecer na TV e no rádio, colocar a mão no ombro de Dilma e disser “Dilma sou eu na presidência, mas ainda melhor”, milhões de brasileiros decidirão imediatamente os seus votos.

O que eles ainda não conseguiram entender com clareza é a razão disso.

Infelizmente para o discurso tucano, isso não vai acontecer apenas por causa do Bolsa Família, apesar de sua importância (tardiamente reconhecida pelo PSDB, que agora oferece bisonhos “cursos de Bolsa Família” aos seus militantes). Ou porque Obama diz que Lula é seu chapa. Parece que ao PSDB é impossível admitir, se não publicamente, ao menos intimamente, que o governo Lula ainda é o que há de mais moderno, e apresenta uma alternativa de país superior à que eles estão preparados para oferecer.

E aqui está um pequeno conjunto incompleto da obra de Lula: avanços sociais que só tiveram paralelo na era Vargas, uma mudança significativa na forma como o país se comporta perante o mundo, a consolidação da variedade de parceiros comerciais, a solidificação das instituições democráticas apesar de todos os pesares (e, sim, apesar de muitos erros políticos).

Seria de se esperar que esse projeto, depois de oito anos, já se tivesse esgotado. No entanto, a nada disso o PSDB se mostra capaz de oferecer uma alternativa superior. É lamentável que nesses quase 8 anos os tucanos não tenham conseguido avançar em sua concepção de mundo. Pode-se até imaginar que o seu papel histórico tinha fôlego reduzido, realizar as reformas que Fernando Henrique Cardoso realizou em seu primeiro mandato e ser superado por conceitos mais modernos. E esse é o seu verdadeiro drama. O problema do PSDB não pode ser resolvido em uma discussão sobre ética ou sobre nomes.

Se se pode alegar que há 20 anos a esquerda era atrasada — e eu poderia discutir isso, admitindo sem muita vergonha que em muitas coisas estava, sim –, o fato é que é essa direita que um dia se pretendeu moderna hoje se vê superada até mesmo em seu próprio campo. O mundo que eles enxergam é o mundo de 1989, quando Mário Covas apontava uma concepção de Estado bastante pertinente e melhor que a que defendíamos. Mas o tempo passou e agora o PSDB não consegue apresentar um projeto superior ao da esquerda, aquele que será defendido no ano que vem por Lula e Dilma. Mostraram que não conseguiram se reciclar, e assistem às suas concepções serem superadas pela história — ao contrário do lado de cá, que entendeu que muitas de suas concepções filosóficas eram equivocadas e muitas vezes soube fazer correções de rota necessárias.

É como se para os tucanos esses 20 anos não tivessem passado. Talvez por necessidade política de uma oposição acuada e constantemente minada, talvez por mera incapacidade, mesmo, o PSDB que já foi uma força progressista importante preferiu regredir e se transformar em uma espécie de nova UDN lacerdista, olhando para o passado em vez de se voltar para o futuro.

62 thoughts on “A triste sina do PSDB, que não consegue mais olhar para a frente

  1. E Após os 4 anos de Dilma, virá Lula, novamente. E assim sucessivamente.

    Mas, num país onde corruptos se elegem, Sarneys se encontram no poder, apresentadores de programas de fofoca e agora (novidade) funkeiras negociam com partidos (Mulher Melão), não da pra ficar muito melhor em tão pouco tempo.

  2. Fizeste uma síntese muito precisa do cenário, cara, parabéns. O PSDB não sabe o que fazer, e se limita aos grampos e factóides, tão modernos quanto a “reforma do estado” (ou “vende tudo o que puder”) do FHC.

    E, fazendo ainda um paralelo mais com o passado, espero que os esforços da neo-UDN com relação ao pré-sal sejam infrutíferos (e imagina que esses fdp já tentaram entregar o petróleo brasileiro uma vez…). É o futuro do país em jogo.

    Parabéns pelo blog.,

  3. Aprendi com o tempo que politica é ter LADO! Você é bastante honesto em demostrar e defender seu lado, alias o faz muito bem por sinal. Não sou esquerda nem direita, não sou Petista nem partidário do PSDB, mas tenho opnião sim! O governo Lula é uma grata surpresa, acredito que ele acertou bem mais do que errou, mas acha salutar a alternância de poder. O que falta a direita é um norte, isso não resta duvida, mas essa “base de sustentação” que se formou ao redor de Lula é algo extremamente nojento! O que foi aquele discurso dele em Palmeira dos Indios?

  4. Wallace,

    Só me responde uma coisa, sinceramente:

    Qual você acha que vai ser a base de sustentação de um governo do PSDB?

    Quem falar o nome de um partido que começa com PM (pior: acrescido daquele que começa com DE) ganha um doce.

    Agora imagine essa base de sustentação sem um “norte”, como você disse, progressista.

    E alternância de poder só vale a pena se a alternativa for melhor. Mudar por mudar é imbecilidade.

  5. “governo tomou decisões que o distanciavam do monetarismo desgastado dos tucanos.”

    Exemplos?

  6. “E alternância de poder só vale a pena se a alternativa for melhor”.
    Obrigado pela frase, Rafael! Vou usá-la hoje mesmo, no jantar com o sogrão.

  7. Comecei gostando do texto, mas do meio pro final me pareceu que estamos comemorando um projeto tucano dos anos 90 que deu certo… que o governo Lula é simplesmente mais “competente” e não que existe uma diferença política, programática, ideológica e estratégica entre os dois campos que se organizam em torno do PT e do PSDB.
    A análise do PSDB é corretíssima, mas um pouco de auto-crítica é bem vinda, e não estou falando em “erros políticos”, com mensalão, defesa de Sarney etc. Estou falando da falta de mudanças estruturais que só um governo petista (ou de esquerda) poderia fazer, mudanças fundamentais para que os avanços do governo Lula não representem apenas um tempo bom que passou quando a direita voltar ao governo.

  8. Comecei gostando do texto, mas do meio pro final me pareceu que estamos comemorando um projeto tucano dos anos 90 que deu certo… que o governo Lula é simplesmente mais “competente” e não que existe uma diferença política, programática, ideológica e estratégica entre os dois campos que se organizam em torno do PT e do PSDB.
    A análise do PSDB é corretíssima, mas um pouco de auto-crítica é bem vinda, e não estou falando em “erros políticos”, com mensalão, defesa de Sarney etc. Estou falando da falta de mudanças estruturais que só um governo petista (ou de esquerda) poderia fazer, mudanças fundamentais para que os avanços do governo Lula não representem apenas um tempo bom que passou quando a direita voltar ao governo.

  9. Comecei gostando do texto, mas do meio pro final me pareceu que estamos comemorando um projeto tucano dos anos 90 que deu certo… que o governo Lula é simplesmente mais “competente” e não que existe uma diferença política, programática, ideológica e estratégica entre os dois campos que se organizam em torno do PT e do PSDB.
    A análise do PSDB é corretíssima, mas um pouco de auto-crítica é bem vinda, e não estou falando em “erros políticos”, com mensalão, defesa de Sarney etc. Estou falando da falta de mudanças estruturais que só um governo petista (ou de esquerda) poderia fazer, mudanças fundamentais para que os avanços do governo Lula não representem apenas um tempo bom que passou quando a direita voltar ao governo.

  10. Comecei gostando do texto, mas do meio pro final me pareceu que estamos comemorando um projeto tucano dos anos 90 que deu certo… que o governo Lula é simplesmente mais “competente” e não que existe uma diferença política, programática, ideológica e estratégica entre os dois campos que se organizam em torno do PT e do PSDB.
    A análise do PSDB é corretíssima, mas um pouco de auto-crítica é bem vinda, e não estou falando em “erros políticos”, com mensalão, defesa de Sarney etc. Estou falando da falta de mudanças estruturais que só um governo petista (ou de esquerda) poderia fazer, mudanças fundamentais para que os avanços do governo Lula não representem apenas um tempo bom que passou quando a direita voltar ao governo.

  11. Comecei gostando do texto, mas do meio pro final me pareceu que estamos comemorando um projeto tucano dos anos 90 que deu certo… que o governo Lula é simplesmente mais “competente” e não que existe uma diferença política, programática, ideológica e estratégica entre os dois campos que se organizam em torno do PT e do PSDB.
    A análise do PSDB é corretíssima, mas um pouco de auto-crítica é bem vinda, e não estou falando em “erros políticos”, com mensalão, defesa de Sarney etc. Estou falando da falta de mudanças estruturais que só um governo petista (ou de esquerda) poderia fazer, mudanças fundamentais para que os avanços do governo Lula não representem apenas um tempo bom que passou quando a direita voltar ao governo.

  12. Realmente, um governo do PSDB, o DEM seria o “parceiro” de 1ª hora, o que seria um retrocesso, convenhamos. Espero que Dilma, Serra e ou Aercio façam as reformas politicas já! Meu consolo é Marcelo Deda! Sei que ele tem seus defeitos, mas as prioridades se inverteram! Como diria Albano, contra fatos não a argumentos! Forte abraço e continue postando sempre que possivel, sou seu leitor assiduo!

  13. Fico me perguntando, aproveitando o gancho do Wallace, como é que se governa em qualquer País democrático sem uma sólida base aliada no Parlamento? E mais: como alagoano já sofri muito por causa do Color e jamias votarie nele, porém vem um Presidente da Repúblicao ao meu Estado e inaugura uma obra de fundamental importância para a população do agreste e sertão! O sujeito é eleito senador por esse Estado e tem sua base eleitoral e seu partido faz parte da base aliado do Governo, seria o caso de o Presidente ignorar essa circunstâncias política e não convidar o referido Senador em razõa do seu passado de homem público? Mesmo tendo o referido senador passado pela sua punição política e absolvido dos seus ilícito pelo STF! E, agora é o Presidente Lula o pragmático amoral? Companheiro, sabedoria e intuição política não se confunde com isso! Talvez vc encontro no senador Pedro Simon um prótotipo de Catão senatorial, porém só vale lá em Brasília, pois no Rio Grande da Yeda Crusius a posição do senador gaúcho é outra!

  14. ah. q coisa llinda aquelle abraço em allagoas. elles finallmente juntos. e em 2010, llá vem Dillma.

  15. Perfeito!
    Que venham as viúvas!
    O importante é o resultado e- sempre tenho dito – só fala mal dos programas sociais do governo quem não precisa deles.
    Abraços.

  16. Você sempre fala da falta de proposta da demotucanagem
    Eles tem propostas concretas para melhorar o Brasil
    É só ouvir a miriamleitoa dizendo na cbn que temos que entregar o Pré Sal para a Exxon
    É só ler o Gloebbels atacando a Petrobrás
    É ler a mosca de transilpaulo
    É só ver o a tvgloebbels

    A proposta dos demotucanossilveeriodos reis caboanselmo é colocada claramente:

    -Voltar aos tempos do apagão
    -Da compra da reeleição do boca mole príncipe da sociologia
    -Da venda do que nos restou: Petrobrás, banco do Brasil, Caixa e BNDES, Eletrobrás e da privatização da previdência social,
    -Da destruição do SUS,
    -Da matança das universidades públicas e das escolas técnicas,
    -Da eliminação do Prouni,
    -Da destruição da Amazônia,
    -Do massacre dos sem terra, sem teto e outros tipos de pobres

    Eles tem muitas propostas, tem todas as propostas de voltarmos a ser uma pacífica, fedida e fodida colônia

    O diabo é que eles tem seus latifúndios no congresso, na justissa, na gorilaria, na porca imprensa comparada, nos 8% da classe mérdia e alta

    Só quando pendurarmos cordas nos postes de todas as cidades eles entenderão que o furo é mais embaixo.

  17. Vou continuar votando naquele que disser “farei tudo para melhorar a educação desse pais, essa será minha prioridade”. Se for novamente o cristovam, novamente ele será.

  18. Voto no Lula, mas temos que reconhecer: ele é um tremendo conciliador filha da puta. Amigo de Sarney, de Collor, pois um empregado da Globo como ministro das Comunicações, libera o BNDES pra doar dinheiro às grandes comporações, permitiu a criação da BrOi pra beneficiar Daniel Dantas, afastou o Paulo Lacerda sem nenhuma prova porque o Gilmar Mendes mandou, abençoa a operação abafa da Satiagraha.

    Bolsa Família? Migalhas. O que são 40 bilhões investidos em programas sociais perto dos mais de 100 bilhões disponibilizados em crédito ( um mero eufemismo) pra empresas automobilísticas?

    O cara é um podraço, o Brasil poderia estar beeem melhor, mas ainda voto nele porque as alternativas significam, como alguém aí já disse, retornar ao status de colônia.

  19. Não entendi uma coisa: a corrupção é um mal crônico no ser humano e já existia no governo passado e no anterior. Qual é, então, a “desgraça” do governo Lula de que tanto se fala?
    Todos os indicadores sociais melhoraram e a economia brasileira melhorou.
    Qual é o problema inédito?

  20. pois é, acabou sendo uma tarefa da esquerda viabilizar o capitalismo no Brasil, distribuindo renda e criando um mercado interno.
    o sangue oligárquico d tucanada não deixou que eles percebessem a importãncia disso pro seu projeto que acabou reduzido ao desaparelhamento do estado e o valetudo do mercado.
    Fuderam-se politicamente.
    Mas engana-se quem pensar que as forças que eles representam estão inativas.Acho que mesmo fora do governo essa gente ainda tem poder e armas suficientes pruma briga duríssima.
    Não vão dar mole.

  21. Perguntar não ofende: Lula é de esquerda? Dilma é de esquerda? Are you sure?

    abraços

    Saul Tibaldi

  22. E ainda para provocar: A propósito do comentário do cláudio, é importante que quem precisa dos programas sociais continuem precisando eternamente? Ou seria o caso , como comenta o cottonboy, de investimentos pesados em educação para que no futuro o contingente de necessitados diminuísse?

    abraços

  23. Se eu esquecer mensalão, dirceus e etcéteras, devo confessar que de fato vejo mais erros que acertos no governo Lula. O que mais me agrada é o novo posicionamento do Brasil no cenário mundial.

    Mas…

    “E alternância de poder só vale a pena se a alternativa for melhor. Mudar por mudar é imbecilidade.”

    Frases como essas me dão medo. E me lembram o projeto hegemônico financiado por dinheiro público, segundo se disse, tocado por delúbios e dirceus. Vade retro!

  24. Quando o entreguista mor Fernando Henrique Cardoso, vendeu o Brasil por “Dez tostões de mel coado” estava dando uma pá de cal nesse seu infeliz partido. Que a terra lhe seja leve, e que o diabo que lhes carregue pras profundas do inferno.

  25. Sabe de uma coisa Rafael, enchi o saco com essa incrível tolerância com o governo Lula e com a nivelação por baixo ao se fazer comparação com o governo do PSDB. Na minha opinião, o PSDB é muito pior na oposição do que no governo, e o PT consegue ser pior no governo do que foi o PSDB. Vc fala na política econômica do PT como se ela não fosse exatamente a mesma do PSDB. Veja que o grande fiel dessa política é o Presidente do Banco Central, que está no governo desde o primeiro dia do Governo. Pois Henrique Meirelles foi eleito deputado federal pelo PSDB e foi presidente do Bank Boston. Melhor representante do neo-liberalismo não há. Quanto à política social, o governo do PSDB criou o bolsa escola e outras bolsas que foram unificadas no governo lula, que as aprofundou. Na verdade, o governo lula é uma continuação do governo FHC. O governo FHC fez o PROER. O governo lula não desfez nada do que criticou no governo FHC. Essa aproximação do Lula com os grupos fisiológicos que se servem do Estado brasileiro é que vai acabar com o sonho de uma esquerda democrática que governe este país. Assim que aparecer um candidato de direita que seja carismático, o governo de esquerda se foi. E a esquerda que está no poder tb está se servindo de cargos nas estatais. Por isso não criticam a fundo essa vergonha. Eu estou desiludido com tudo isso. Acho que merceria uma tomada de posição forte por todos que tem um mínimo de visão. E não esse joguinho bobo de ficar analisando a relação PSDB e PT. Como se houvesse realmente uma diferença de fundo entr as práticas de ambos.

  26. O caso de Honduras é uma obra prima de golpe de estado

    Honduras é o país mais pobre, mais colonizado, mais saqueado da América Central.

    É o país da América que só perde para o Haiti, com relação à miséria.

    Lá tem um judiciário igualzinho ao do Brasil, que só prende preto, pobre e puta, como no Brasil

    Lá tem um congresso de brancos latifundiários e empresários e ladrões, como no Brasil

    Lá tem uma imprensa de poucas familias mafiosas, venais, corruptas e patrocinadoras de golpes, intentonas, massacres e ditaduras igualzinha à do Brasil

    Lá tem um exército de gorilas saudosos das ditaduras, igualzinho a uma parte das Forças Armadas do Brasil

    Lá tinha um presidente que tentava governar para o povo do país, igualzinho ao que temos agora no Brasil

    Lá tem gente do mesmo partido do presidente que o apunhalou pelas costas, igualzinho ao que temos no Brasil

    Juntaram-se as “elites brancas” de um país onde 50% da população é miserável e colocaram o presidente num avião, de madrugada

    Ou a gente se mobiliza comprando muita corda para pendurar os silveriosdosreis e os cabosanselmos nos postes

    Ou a gente vai ter, logo logo, outra ditadura canalha no Brasil

  27. Governo Lula Governa a favor de : Argentina, Paraguai , Bolívia,Equador Venezuela e Cuba ou seja.
    Governo Lula Governa para nossos visinhos e não para o bem do Brasil.
    Como brasileiro, sinto-me violentado e traído por este acordo que Lula faz com o Paraguai. Mais uma vez o presidente Lula viola os direitos brasileiros quando abre mão dos mesmos adquiridos pelo Brasil para favorecer os visinhos.
    Foi assim no caso Bolívia , onde Evo Morales tomou a Petrobrás na força e no grito ,e Lula se acovardou ficando como rabo entre as pernas diante das ameaças de nosso visinho e o pior é que Lula ainda afirmou que foi justo.
    Foi assim também quando Lula rasgou o contrato que era de direito adquirido entre Brasil e Bolívia referente a importação do Gás para assinar um outro favorecendo totalmente a Bolívia
    Que presidente é Esse!?
    Que viola direitos adquiridos de forma justa pelo Brasil para favorece visinhos que o ameaçam.
    Que Presidente é Esse, que se acovarda diante das ameaças deste visinhos que só querem tirar vantagens do Brasil?
    Será que nós brasileiros temos que ser tão punidos assim por este governo que faz o que quer quando bem entende com esta nação e ninguém faz nada?
    Ninguém faz nada!?
    O que falta para o governo Lula tirar do Brasil para favorecer os visinhos que se aproveitam de sua covardia para tirar + vantagens do governo Lula.
    Alguém precisa fazer algo!!!!!
    Será que já não é suficiente as constantes denúncias de roubo e corrupção deste governo e ainda somos obrigados a assistir de braços cruzados ele violar os direitos do Brasil em pró dos visinhos que no fundo só querem mesmo é tirar vantagem do Brasil .
    Não podemos continuar parados vendo Lula e o PT fazerem o que querem e bem entediam com O Brasil.
    Precisamos discutir este assunto com as forças armadas, e com a imprensa.
    Na verdade Lula faz o que quer e como bem entende porque na Pratica NÃO EXISTE OPOSIÇÃO POLITICA CONTRA ELE.
    KD A OPOSIÇÃO!?
    DESCULPEM + VOCÊS DO PPS, PSDB E DEM SÃO UNS BANANAS porque deixam Lula e PT fazerem o que querem com o Brasil!!!!!

  28. Errm,
    Foi mesmo uma falha: o Virgílio é senador. Mas não precisa se esconder atrás de e-mail falso e pseudônimo bobo para fazer uma correção aqui. Além disso, querer ligar essa lapso à questão do diploma é de uma puerilidade atroz. Como se jornais e revistas não estivessem cheios de colunas tipo “Erramos”. E como se eu tivesse vontade de ser jornalista. E como se eu precisasse de diploma para dar opinião onde quer que seja. Se você vai fazer uam defesa do diploma, aumente o nível.

    Esrprit de Porc,
    Acho que não é o mesmo Carlos Lessa.

    Saul Tibaldi,
    Conhecendo um pouco mais sobre os programas sociais de Lula, você veria que o esforço é para que eles deixem de precisar.

    Bear,
    Qual o problema com a frase?

    Nikacio, Eduardo,
    Certo, certo.

  29. Nikacio

    Sinto lhe informar, nao votei no lula, mas acho certissimo o que ele faz ao rever esses contratos.

    O Brasil eh o pais mais rico da america latina e pega energia a preco de custo do paraguai que esta ficando cada vez mais pobre. Nao pagar um preco justo pelo gas/energia/seja la o que for só faria do Brasil um pais imperialistas tal qual os estados unidos da america que enriqueceria as custas de “comprar barato” o bens naturais dos paises mais pobres.

    O que voce chama de se “acorvadar” eu chamo de “humanidade”. O Presidente paraguaio foi eleito com essa chapa de “fazer um contrato justo para itaipu”. E se o povo paraguaio pos no poder um presidente que levantou esta bandeira, sinal de que eles estao vendo que nao eh assim que a banda toca, com um contrato bilateral que favorece uma parte.

    Voce tem que aprender a raciocinar para entender o que se passa.

    Dizer que o Brasil adquiriu isso “de forma justa” é usar o mesmo argumento que os sehores de engenho usavam contra os abolicionistas:

    “ter um escravo eh MEU DIREITO ADQUIRIDO.”

    Nao a toa o Brasil foi o ultimo pais a abolir a escravidao. Por causa de gente como voce…

    Passar bem.

  30. Perfeita a análise. No mais, precisamos exterminar os tucanos antes que os tucanos acabem com o Brasil. Quem sabe o Ciro não emplaca aqui em SP? Dilma e Brasília e Ciro em Sampa seria excelente.

  31. Eduardo
    Como Eloisa Helena? Um mês de poder dessa esquerda “raivosa” – extremo exato da direita DEM/PSDB, e, creia, os extremos se encontram e não são benéficos. O Meio termo aristotélico tem sido a melhor opção desde 2500 anos atrás. Mas, enfim, um mês de poder dessa esquerda e a ingovernabilidade nos proporcionará um golpe de direita, justificado e legalizado pelo nosso supremista Gilmar.

  32. marola:

    quem apoisa Lulla, quem acha Lulla o máximo, quem cha Lulla um grande orador (demagogo q nem o cão), quem acha Lulla inteligentê, NÃO NÃO NÃO pode criticar ninguem de escrever errado. nem q seja um erro ortográfico bobo. afinal Lulla assassina a língua pátria a cada vez q elle abre a boca

  33. O problema com a frase? Ela interessa a quem está no poder, promove o continuismo, e pode desaguar em idéias esdrúxulas como a do terceiro mandato. Meu governo é tão bom… Por que não um terceiro mandato? ou um quarto? talvez um qui… Além disso, ela traz em si uma visão muito pessimista: deixa como está; se mudar, piora. É uma visão infelizmente bem popular, que eu até entendo, ao olhar para a história da nossa república.

    Eu, porém, prefiro a alternância frequente. Sendo beeeeeeem cínico, se não servir para mais nada, a alternancia ao menos promove alguma distribuição de renda, ao mudar os beneficiários da prevaricação, da corrupção e do nepotismo que campeiam por aí.

  34. Bear,
    Isso já é exagero. Eu sou absolutamente contra a idéia de um terceiro mandato, mesmo por via plebiscitária, e mesmo assim não vejo sentido em mudar por mudar. Mais grave é o fato de que, mudando para o PSDB, mudaria para pior.

    Lembre-se que alternância de poder quer dizer a permanência de um mesmo projeto, e não de uma mesma pessoa.

    Quanto à visão pessimista, é uma questão de analisar a realidade: imagine o Brasil sob as alternativas prováveis mais à esquerda — Heloísa Helena e os doidinhos do PSOL e do PSTU — e à direita — Serra ou as “vestais da ética” de Gabeira e do PPS. O fato é que a extrema esquerda não conseguiu entender as mudanças pelas quais o mundo passou, e a direita não conseguiu atualizar o seu projeto para o mundo que, em razoa’vel parte, foi também criação sua.

    Acho que a alternância freqüente, mesmo nos termos a que você se refere, só faria sentido se fossem grupos iguais, com projetos iguais. E não são. E mudar para pior, não.

  35. Fiscal

    Erro ortográfico bobo uma ova, o erro foi crasso e repetido ao longo de todo o texto.

  36. Não sei o que doeu mais, os vários “visinhos” ou o “conteúdo” do comentário. É de assustar ver gente gritando: “UM GOLPE, PELO AMOR DE DEUS”.

  37. Claro que ninguém quer de sã consciência mudar para pior. Mas aí está, talvez, o maior problema: deixando de fora as alternativas mais extremas, é impossível afirmar sem um certo grau de leviandade que o governo x vai ser melhor (ou pior) do que y. Primeiro porque fidelidade programática e respeito a promessas de campanha não são o nosso forte. Segundo que não somos uma massa uniforme e o que é bom para uns pode ser muito ruim para outros. Terceiro, que um governo tem tantas facetas que pode vir a ser muito bom em umas e péssimo em outras. De novo, um bom exemplo disso, para mim, é o Lula.

    Num quadro como este, a alternancia é que torna possível buscar o equilíbrio, a correção de desvios e a solução para a impossibilidade de agradar a todo mundo.

    Já falei que gosto bastante do seu blog? Pois é.

  38. Mas Bear…

    Mesmo admitindo que fidelidade programática não é o nosso forte, até porque uma coisa é um programa partidário e outra é a organização da sociedade com a qual qualquer governo tem que lidar, não dá para negar que há diferenças significativas entre o governo Lula e o governo FHC. Acho que isso ficou claro em 2005/2006, quando foi justamente a percepção de que mudanças importantes tinham ocorrido que salvou Lula de naufragar sob o mensalão.

    Você falou uma coisa em que eu fiquei pensando: que por sermos uma sociedade homogênea, algumas coisas boas para uns não são boas para outros.

    Eu acho que nesse aspecto o governo Lula foi bem sucedido. Até porque iniciativas que beneficiam ostensivamente uma classe, como o Bolsa Família, acabam beneficiando outra – inúmeras cidades no interior hoje crescem graças ao benefício, que movimenta o comércio local. Acho que o governo Lula foi extremamente pragmático, apesar dos inúmeros erros políticos que cometeu (a esnobada no PMDB nos primeiros anos é causa de grande parte dos problemas que enfrenta até hoje)

    Na prática o que a gente tem de provável, até porque são os partidos mais organizados, é o PT e o PSDB aglutinando forças mais à esquerda e mais à direita, além daquela massa fisiológica de sempre, sem contar os doidinhos de sempre que vão para a TV gritar ou pagar mico.

    Eu continuo achando que enquanto eternamente válida como princípio, a alternância do poder só é desejável se isso significar avanço social. Acho que o PSDB ou o DEM, ou mesmo o PSTU e o PSOL, não conseguem apresentar uma alternativa melhor. Sua melhor proposta para o setor social, por exemplo, é o desmonte do Bolsa Família. Assim não pode. Assim não dá.

    Enquanto isso, eu já disse aqui que a Dilma não era a minha candidata inicial, mas a cada dia fico mais empolgado com a sua candidatura. Do ponto de vista de integrante desse projeto porque acho que ela vai consolidar e despersonalizar um pouco esse projeto; do ponto de vista do publicitário, porque ela vai ser uma excelente receptora dos votos de Lula; e do ponto de vista pessoal, porque eu acho a dona Rousseff uma mulher e tanto.

  39. Acho que aqui vale o mesmo disclaimer usado com frequência pela Bovespa e por analistas do mercado de ações: “Resultados passados não são garantia de resultados futuros”.

    E esse é o ponto. Seguir a frase (voltando a ela) requer antever e apostar em um candidato ou proposta de governo. E você há de convir comigo, mesmo o Lula e aliados, que você conhece bem mais que eu, surpreenderam em todos os aspectos relevantes, tanto nos bons quanto nos ruins.

    Quanto à continuidade, com ou sem Dilma, eu me pergunto como será o Brasil, submetido a mais 4 ou 8 anos de assistencialismo. Não que eu desaprove o Bolsa Família (preferia o bolsa-escola). Estou falando do assistencialismo entranhado no DNA, permeando todas as ações, como eu tenho visto nos governos Lula. O mais provável é que ele provoque uma virada (neo)liberal bem mais virulenta do que a que tivemos. E isso vai ser muito ruim. Mas, a cada ação …

  40. Bear, a questão não são os resultados passados. É o que o PSDB/DEM propõe para o futuro. Eu não vejo uma alternativa decente. Posso até admitir que um eventual governo de Dilma pode ser ruim, mas aí é a quebra de uma expecttiva, o que é diferente da certeza da ruindade ao ver o vazio programático do PSDB/DEM.

    Sob qualquer ótica, o Bolsa Escola era pior que o BF. Porque não impunha condicionantes ao beneficiário e porque era cancelado depois de certo tempo.

    E bem… Nesse 8 anos o Brasil é outro (e nem sou eu quem diz isso, é o Tasso Jereissati. :)). Mais 8 e acho que a gente finalmente engrena de verdade. 🙂

  41. @Nikacio Lemos

    Isso! mata, esquarteja e faz ensopadinho com os povos “visinhos”… Incrível como esse povo de direita gosta tanto de sangue e tão pouco de diplomacia, não? E depois ainda querem bancar o discurso da superioridade civilizada e branca.
    O nazismo é a prova do potencial destrituvo desta especie e nacionalismo…

  42. Fiz o seguinte comentário, em meublog, sobre o que você escreveu:
    Ao que escreve o Rafael, acrescento minha experiência de saber que os CEUs foram usados como estratégia de marketing do DEM na disputa pela Prefeitura de São Paulo, mas que a gestão nunca sequer sonhou em priorizá-los. Como a população gostou deles, foram incluídos na proposta apresentada como trunfos, mas não têm nada a ver com o estilo administrativo do partido. Isso reforça a tese de Galvão: de que a direita não tem proposta, não se reciclou e, pior, que não confia, ela própria, naquilo que tem para apresentar.
    Excelente postagem, cara.

Leave a Reply

Your email address will not be published.