Curling

Quando fizerem uma retrospectiva de 2010, tenho quase certeza que um dos destaques do ano vai ser o curling, que apesar de ser um esporte antigo apareceu de verdade nas Olimpíadas de Inverno de Vancouver. Ninguém sabia que aquilo existia. Eu, pelo menos, não sabia. Talvez os velhinhos paulistas que ficam jogando bocha suspeitassem de que algo assim poderia existir; eu confesso a minha total ignorância.

Até assisti uns pedaços de uma ou duas partidas. E eu simplesmente não assisto esportes que não entendo, como esse tal de curling, e aqueles que francamente detesto — rugby me irrita profundamente, por exemplo.

Mas o curling tinha umas dinamarquesas bonitinhas, e as meninas deslizando pelo gelo eram uma imagem bonita de se ver — quase tão bonita quanto duas moças se pegando numa piscina de lama ou de gel. No fim das contas, estavam jogando um jogo absolutamente imbecil para capturar as atenções de uma humanidade que agora se alimenta prioritariamente de novidades, por mais bobas que sejam.

Curling é basicamente bola de gude jogada por empregadas domésticas. Pelo que entendi — e confesso que não entendi muito — uma fica tentando afastar a chaleirinha da adversária do buraco — em Aracaju chamavam “biloco” — enquanto uma dupla de empregadas mui devotadas vão varrendo o chão.

Pensei seriamente em sugerir à minha empregada que montássemos uma equipe. Íamos fazer sucesso. Eu joguei um pouco de bola de gude na infância, ela varre bem. Daria certo.

16 thoughts on “Curling

  1. Oh, finalmente achei alguém que considera curling uma das coisas mais imbecis vistas na TV, e pior: chamada de esporte quando parece nome de técnica de cabeleireiro. É uma atividade que se aplica à mesma categoria de “fazer escova no cabelo”. Se inventarem esse esporte, ganho medalha olímpica.

  2. É que você só toma aquele Jack Daniels. Se tomasse um whisky escocês, entenderia melhor a coisa. Sabe aqueles vidrinhos mágicos que eu te dei? Aquela seria a hora perfeita para deliciar um dos presentes que a Escócia te oferece.

    Whisky, golf e curling, tudo Made in Scotland.

  3. O Curling é um esporte tradicional e bastante antigo. E se Curling é imbecil, então o futebol também é, porque são 11 caras de cada lado tentando colocar uma bola em um retângulo usando os pés. Extremamente besta. Mas esporte é isso, e é a dificuldade da atividade que torna tudo interessante, não o objetivo em si.

  4. Rafael, acho que, como fã dos Beatles, você sabia um pouco o que era o curling: lembra dos Fab jogando (ou tentando jogar) curling em Help! ? Acho que foi uma ocasião em que dar uma olhada no esporte foi bem divertido…

    Abs.

  5. poraqui a gente chamava de buca .. que deve ser diminutivo de cumbuca
    tinha as palmas, o tudinho ou nadinhas …. e claro, aquele arregaçada animal da bolinha do outro, quando ja se tinha feito todas as bucas
    tinha tbm o bafo e as brincadeiras de rua
    buscar pé de fruta pela cidade, rodas banco tomando o café que ofereciam em todos eles (foi-se o tempo)
    acho que não virei marginal por pouco … ou vim dar nisso (viu no que deu?)
    grande abrassss

  6. com raras exceções, “dinamarquesas bonitinhas” é uma redundância. e isso por que eu não sou exatamente muito fã das loiras, só reconheço o valor delas.

  7. Já vi inclusive um filme na tv, uma comédia típica de sessão da tarde, e o o tema era o curling.
    Dei boas risadas. Acho que a produção era canadense ou inglesa.

    Não é muito diferente da bocha.
    Ou da pelota (?) francesa.

    O que terminar com sua bola, pelota ou “chaleira do curling” mais próxima do centro do “alvo” ganha o jogo.
    Vale jogar o apetrecho para tirar o bagulho do adversário para o mais longe possível.

    Agora, aqueles dois varredores, faxineiros de percurso, vamos combinar, é um caso único.
    Nunca vi nada igual. Muito engraçado.

  8. Eu imagino que isso tenha começado sem varredor, que nem bocha.

    Ai um belo dia os caras tavam jogando, e um muleque malandro começou a varrer o percurso. O pessoal começou a reclamar: Isso é roubo! Não vale! Vai se fuder!
    Ai ele falou: Ninguem disse que não podia? Cade essa regra? Ta escrito aonde que não pode?
    Ai virou pratica corrente do jogo

  9. Esse curling reforça o estereótipo da mulher dona de casa, vassoura (ou escovão) na mão.
    O jogo é ridículo mesmo, mas as loirinhas eram de fato bem lindinhas.

  10. Conheci o curling em 2006, durante os jogos olímpicos de Turim. Aúnica pista de curling na Itália fica bem ao norte, onde treina a seleção italiana e tinha gente que perguntava porque só uma pista do esporte em toda Itália. Acho que foi inventado pelos aposentados da Europa setentrional, durante o inverno, para substituir a boccia (não, eu não quero saber a origem do jogo, mas que parece boccia, parece). Pelo que ouvi, as chaleiras são de pedra.

    Acho boccia um jogo tão interessante que se alguém me encontrar jogando peço a gentileza de bater na minha cabeça com uma chaleira de curling, que é mais pesada. Se me encontrarem jogando curling, deixem-me em paz. Terá sido o efeito da chaleirada…

  11. Curling realmente é coisa de bêbado.
    Acho que a carol tá certa, e o rafafel matou a charada;
    ‘É preciso encher a cara para ver graça no curling,’.
    O tipo de whisky pode até ser debatido, afinal há gosto para tudo,desde que se vomite depois, mas de forma geral o whisky se presta para estes delíros solitários. O vinho não se prestaria a estes arroubos de solidão, embora se possa vomitá-lo.
    Há relatos sobre o nascimento desta disputa e descrevem escoceses num frio de comer o cérebro cercados de montanhas e absolutamentes bêbados, diante de uma pequena planície congelada de um laguinho (imaginem o que a visão mágica de um laguinho congelado um pouco maior que uma poça, deve ter causado nestes solitários seres acostumados a geografias mais complicada).
    Jogar pedrinhas e fazê-las deslizar sobre aquela superfície plana, foi uma experiência quase mística, pois ao invés da pedrinha rolar morro abaixo, ela deslizou suavemente sobre a superffcie.
    Segundo alguns pesquisadores, isto deve ter causado naqueles escocêses uma emoção muito próxima a que sentiu Newton ao ver a maçã cair.
    E como em toda ação individualista que se preze, possuído pela ingestão de whisky, o outro bêbado, companheiro solitário, imediatamente lançou sua própria pedrinha para desbancar a do companheiro solitário.
    Acreditem, essa primeira experiência durou horas.
    E é claro, os caras voltaram à poça congelada e levaram outros companheiros solitários, suas famílias solitárias, a comunidade solitária, a cidade solitária até que virasse uma mania nacional solitária; beber e fazer as pedrinhas deslizarem sobre as poças congeladas com o intuito de eliminar a pedrinha de outro cidadão solitário.
    Segundo pesquizadores, aqueles varedores tem origem em fatores sociais: São, também, bêbados solitários, que sem sem dinheiro, iam junto com a comunidade solitária até as poças congeladas e praticavam essa função em troca de uma bebidinha a mais. Há época não havia qualquer fundamento físico nessas funcões, significava apenas uma maneira de manisfestar apoio a um ou outro bêbado solitário e atirador de pedrinhas. Era uma atitude inútil, porém simbólica, com intenções práticas fundamentadas no lucro facíl. Era uma espécie de balé.
    Ainda hoje é discutível essa função, a dos varedores de gêlo. Acho que a expressão enxugar gêlo é o que mais se aproxima da lógica deste ‘trabalho’ pela equipe. Continua sendo puramente simbólica.
    Isso parece brincadeira, mas é fundamentada por historiadores. Há bons relatos sobre o assunto no ensaio do britânico Sir Jamie Ladbrokes, o ‘Heritage of Scotland’.
    Acho muito sugestivo que o ‘esporte’ encontre no Canadá uma grande aceitação.
    Mas mesmo bêbado, daqui do Brasil, não vejo qualquer graça nesta ‘atividade esportiva’.
    Porém, penso que valeria uma reflexão sobre tipos de bebidas e suas relações com atividades sociais, como com alguns tipos de esporte por exemplo.
    Abrs

  12. Rafael, gostaria muito de saber o motivo para você detestar o rugby.

    Desde que me tornei um praticante, há pouco mais de um ano, tenho me interessado bastante pela imagem que as pessoas fazem do esporte.

    Sem contar que sempre me divirto muito com o que você escreve. Seria a oportunidade de unir um assunto que me interessa ao seu ponto de vista peculiar.

    Obrigado,

  13. Daniel,

    O problema do rugby, para mim, é que ele é quase futebol. Então você está vendo o jogo e aí vem um filho da mãe e pega a bola com a mão, e você fica com vontade de gritar “mão!”, e então o jogo fica parecido demais com futebol americano, ao mesmo tempo em que continua parecido com futebol, e essa confusão dói na cabeça e eu acabo ficando com raiva. 😉

Leave a Reply

Your email address will not be published.