Adeus ao Movable Type

Durante quase cinco anos, este blog rodou sobre uma plataforma específica de blogagem, o Movable Type.

Foi o Movable Type, e sua simplicidade e variedade de recursos, que me fez sair do Blogger.

Dutrante muitos anos não tive nenhuma queixa. Nos entendíamos bem, eu e ele. Mas na semana passada, por algum motivo, ele deu um pau federal. O pessoal do suporte disse que era problema com um banco de dados corrompido, pode ser. Mas como fazia tempo que eu precisava atualizar a versão do MT, decidi que não iria reinstalar aquela versão do bicho.

A idéia lógica seria migrar para o MT 4, mas não consegui. Nem sequer a ajuda do Tiagón foi suficiente para me guiar na instalação de algo que era muito simples e que agora simplesmente não conseguia rodar.

O MT hoje tem duas versões, Movable Type Open Source e Movable Type Personal. Eu sequer conseguir rodar a versão Open Source — até porque o movimento do código livre está mais interessado no WordPress do que no MT. A versão Personal rodou — mas apenas se eu usasse HTML em vez de PHP, o que seria impensável.

Era trabalho demais para mim. Ainda mais porque, como uso o método Michael Corleone para lidar com coisas inanimadas — “tudo é pessoal” –, eu não perdoava o MT por ter dado um problema tão grave justamente numa semana difícil. E ter-me feito sacrificar meu domingo em busca de uma solução para o blog. Isso é imperdoável.

E assim, a partir do dia da graça de hoje, este blog passa a rodar o WordPress. Não porque tenho alguma admiração — ou deixo de ter — pelo movimento do código livre; não porque acho o WP melhor ou pior. Mas porque funciona, e essa é a única razão válida para qualquer coisa.

Fica aqui a tristeza por ver o que fizeram do Movable Type. Era um grande software. Lá pelos idos de 2003, 2004, todos gostavam dele. Quando lançaram a versão 3, e mudaram seu sistema de preços, a comunidade do código livre caiu de pau em cima deles, considerados traidores do movimento. Mesmo assim tinham um bom programa nas mãos. A versão 4 tentou remendar as coisas, criando essa tal versão Open Source e correndo atrás até mesmo do look and feel do WP, mas não acho que tenha mais jeito: eles perderam o bonde da história.

E no fim das contas sobrou para mim. Os danos são poucos, mas bem variados: vários links antigos para este blog foram quebrados. E quem lia este blog por rss terá que assinar tudo de novo; a seguir, os novos links:

Posts: http://rafael.galvao.org/feed/
Comentários: http://rafael.galvao.org/comments/feed/

Pois é.

7 thoughts on “Adeus ao Movable Type

  1. Welcome to the wordpress jungle!

    (cara, as letras estão minúsculas aqui na caixa de comentários, daqui a pouco este velhinho aqui não vai conseguir ler o que escreve _ o que pode ser perigoso). 🙂

  2. também fico p da cara quando o MT resolve fazer das suas encrenquinhas e não há documentação, fórum ou wiki que ofereça ajuda válida. meu contato com o WP é de usuário rasteiro, mas não vou muito com a cara dele. o fato de não ter suporte nativo a multiblog também não me deixa pensar muito nisso (verbeat coisas).

    mas o importante é que tá rodando e te livra de mais complicações. que siga agora com boa sorte! 🙂

  3. Bem Rafa, certamente o WordPress hoje lhe dará uma segurança bem maior do que o MT. Eu uso Joomla há cerca de 6 anos, e é uma plataforma estabilíssima, com uma comunidade gigantesca criando novos e novos plugins. Apesar de rodar O Pensador Selvagem em Joomla E WordPress MU, decidi, nas próximas semanas, transferir meu site pessoal para o WordPress por um motivo básico: simplificação. Vêm por aí um par de filhos e estimo que o tempo vá diminuir. É bom que, quando isso acontecer, esteja bem habituado a esta ferramenta que nos permite blogar com nenhuma ou quase nenhuma complicação.

    Um abraço fraterno e sorte com o novo sistema.

    Rafael Reinehr

  4. Só agora quando tentei ler os feeds atrasados é que percebi que os links não eram mais válidos.

    Bacana, boa sorte, o WP é legal. Mas confesso que preferia imensamente o tema antigo..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *